A literatura como (pre)texto de viagem

O conceito não é novo: ao longo do século XIX, o relato literário era um pretexto de viagem em alternativa ou em complemento ao propósito de visitar locais de referência, monumentos, museus, ruínas, vestígios do passado ou de outras culturas. James Buzard (1993), a partir da análise de um corpus de textos literários relacionados com a viagem, regista a dualidade do conceito de cultura de elite ou massas na prática Oitocentista da viagem, ao mesmo tempo que se instalava a ideia de que o turismo era uma atividade aberta a todas as classes, sobretudo depois das práticas de simplificação e de divulgação iniciadas por Thomas Cook. Buzard distingue, assim, entre o vulgar “tourist” e o verdadeiro “traveller”, mais erudito, apontanto para o conceito remanescente daquilo que designa como a experiência cultural autêntica, “that which the ‘traveller’ used to seek ‘off the beaten track’“ (Buzard, 1993, 336)  e que, portanto, se encontra em locais de referência extrínsecos aos circuitos populares.

Goethe na Campagna Romana Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787 Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Goethe na Campagna Romana
Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787
Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Continuar a ler