História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler