Coleção Miró, uma história interminável

Exposição “Joan Miró: materialidade e metamorfose”
Porto, Serralves, 1 out. 2016 – 28 jan. 2017

Uma série de operações duvidosas levou à nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN); a nacionalização do BPN fez transitar um conjunto de 85 obras (pintura, desenho, colagem, escultura e tapeçaria) de Juan Miró, avaliada entre 35 e 54 milhões de euros, para a Caixa Geral de Depósitos; a fim de amortizar as dívidas do BPN, o Governo quis vendê-las em leilão organizado pela Christie’s de Londres, agendado para fevereiro de 2014, estimando um encaixe mínimo de 36 milhões de euros,  contra os pareceres pedidos pela então diretora-geral do Património, Isabel Cordeiro, a David Santos, diretor do Museu do Chiado, e a Pedro Lapa, do Museu Coleção Berard, que se pronunciaram pela permanência das obras em Portugal; defendendo que a venda constituiria uma perda irreparável, o Ministério Público, iniciou uma batalha jurídica contra a Parvalorem e a Parups, sociedades criadas para abater a dívida do BPN, a qual se prolongou, mantendo acesa a discussão pública e levou ao cancelamento do leilão; entretanto, as sociedades conseguiram impugnar o processo de classificação das obras, sob o pretexto de que as obras estavam em Portugal havia menos tempo do que o necessário para que esta fosse obrigatória1; ainda em 2014, o empresário luso-angolano Rui Costa Reis fez chegar uma proposta para adquirir a coleção no valor de 44 milhões de euros e garantia a manutenção das obras na cidade do Porto durante 50 anos, mas a oposição conseguiu travar a transação; com a mudança do Governo, o ministro da Cultura João Soares inverteu as tomadas de posição do seu antecessor, e em julho passado o atual ministro, Luís Filipe Castro Mendes, anunciava a vontade de que a coleção ficasse no Porto, o que foi prontamente acolhido pelo autarca da cidade, Rui Pereira.

Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" Porto, Serralves Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”
Porto, Serralves
Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Continuar a ler

  1. Segundo a Lei de Bases do Património Cultural , art. 68.º,  “salvo acordo do proprietário, é vedada a classificação como de interesse nacional ou de interesse público do bem nos dez anos seguintes à importação ou admissão”. []

A brincar com coisas sérias

“… andamos a brincar ao património”
A. F. Pimentel

A falta de uma política concertada em torno da cultura e do património provoca, inevitavelmente, fraturas na sua gestão. Ao mesmo tempo que se esbatem as fronteiras entre a cultura erudita e a cultura de massas, a indefinição dos conceitos gera igualmente a indeterminação dos fenómenos e a culturalização e patrimonialização de tudo o que deriva da criação humana ou constitui um vestígio, seja do passado, seja de outras realidades ainda não absorvidas pela globalização (e, por vezes, mesmo estas)1

Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

  1. É curioso observar o registo de publicações no grupo de Facebook “Arte, museus e património” e noutros de âmbito idêntico, para perceber o quanto estes conceitos se tornaram abrangentes e imprecisos: se é antigo ou invulgar, é património; se é produto de um pensamento criativo ou de uma habilidade manual, é arte; e tudo isto é cultura. []

Ponto de viragem: um novo modelo de gestão para o Museu Nacional de Arte Antiga

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é o nosso museu de referência.
Não sendo o primeiro museu português numa ordem cronológica, o museu abriu ao público a 12 de junho de 1884, com a designação de Museu de Belas Artes e Arqueologia, com a mais relevante coleção pública do património móvel artístico do país:

“No acervo, dominavam as tipologias chamadas de «belas-artes»: a pintura, proveniente do depósito de S. Francisco; a colecção de objectos litúrgicos de ourivesaria, transferida em 1867 da Casa da Moeda para a Academia; as colecções de escultura e artes decorativas vindas dos conventos femininos; e mesmo o acervo de desenhos, gravuras, arte ornamental e arqueologia, que vinha a ser adquirido pelo museu. A incorporação dos bens oriundos dos conventos das freiras, relançada pela Lei de Abril de 1861, conferiu maior homogeneidade à colecção deste museu como repositório da história da arte nacional.” (Roque, 2011, p. 59)

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes <br> O occidente. (21 Jan. 1882). 5(111), 17.

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes
O occidente
Lisboa: Lallement Frères. Ano 5, vol. V, n.º 111 (21 Jan. 1882), p. 17.

Continuar a ler

Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

Questões relacionadas com a gestão e o financiamento dos museus raramente geram consensos. Antes, suscitam discussões marginais em torno do acesso à cultura e ao património, das políticas de mercantilização, da submissão à pressão do mercado turístico e aos padrões da cultura de massa.

Nourishing the soul The Art Museum of WVU Foto: Raymond Thompson Jr.

Nourishing the soul
The Art Museum of WVU
Foto: Raymond Thompson Jr.

O debate, entre nós, tem sido fragmentado em torno de situações específicas. A propósito do plano estratégico cultural para a zona de Belém, houve uma discussão acesa nas redes sociais em torno do modelo de gestão da Monte da Lua, em Sintra (Vd. A quem pertence o nosso património?). Também a ampliação do Museu do Chiado e a abertura do novo Museu dos Coches suscitaram uma ampla discussão que se estendeu à praça pública. Da mesma forma, se hoje parece não haver dúvidas em relação à eficácia do crowdfunding lançado pelo Museu Nacional de Arte Antiga para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, mas as dúvidas acerca do procedimento foram uma constante ao longo de todo o processo.

Continuar a ler

Necessidade e engenho: crowdfunding para a cultura

A angariação de fundos através de modelos de financiamento colaborativo – ou, dito de forma mais rápida e atualizada, o crowdfunding – está definitivamente na moda e tem vindo a ser utilizado para financiar projetos em domínios cada vez mais diversificados, desde político-partidários, sociais, a académicos, culturais, artísticos, etc.

Campanha "A hug is promised from Marina Abramović" Imagem: Marina Abramović Institute (MAI), 2013

Campanha ““Fund me! I’ll hug you!”
Imagem: Marina Abramović Institute (MAI), 2013

Num panorama de crescente carência das subvenções do Estado, tornou-se uma estratégia muito interessante para a gestão do património, em particular, para a aquisição e restauro de bens culturais. Não se trata de angariação de fundos feita nos moldes tradicionais, focalizada em grupos específicos de amigos de museus, mecenas ou patrocinadores. Mas também não é uma novidade, dado que se inspira no modelo de subscrição pública que, em 1844, permitiu o financiamento do pedestal da estátua da Liberdade em Nova Iorque.

Continuar a ler