Pagar, ou não pagar, o acesso à cultura, eis a questão

A questão não é recente. O debate acerca do pagamento da entrada em espaços de cultura e do preço justo dos ingressos não é de hoje, mas torna-se especialmente premente em tempos de crise. Em 2011, Francisco José Viegas, então Secretário de Estado da Cultura, anunciara a intenção de acabar com as entradas gratuitas nos Museus, o que motivou uma forte oposição, nomeadamente, por parte de Isabel Pires de Lima e de Gabriela Canavilhas, que haviam assumido a mesma tutela em Governos anteriores. Também Luís Raposo, na altura Presidente do ICOM, manifestou o seu desacordo, enquanto João Neto, presidente da Associação Portuguesa de Museologia, se pronunciou a favor da medida, defendendo, em entrevista ao pporto, o princípio do “utilizador pagador” (Pporto, 2011, 16 out.). A polémica prolongou-se e, em 2012, João Neto voltou a inflamou a discussão ao defender que o aumento do preço das entradas em museus e monumentos, então a ser preparado pela Direção-geral do Património para o ano seguinte, era imprescindível para fazer face aos custos inerentes. João Neto, na altura, mostrava-se ainda mais redutor do que a própria tutela, mostrando-se contrário à hipótese da gratuitidade nos museus para os desempregados. Em declarações à Lusa, citadas na comunicação social, afirmava: “Não consigo conceber que se paguem ninharias, como se fossem esmolas, porque os museus têm uma riqueza patrimonial e fundamental em termos de conhecimento e de integração das pessoas na sociedade” (cit. in Diário Digital e Lusa, 2012, 28 set.).

Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém Lisboa, 2014

Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém
Lisboa, 2014

Continuar a ler