Museu parcialmente encerrado: um aviso

“[…] conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta”
Luís de Camões

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é isso mesmo: o museu da nossa identidade artística, um repositório da arte que se fez em Portugal, da que a influenciou ou por ela foi influenciada. É uma das nossas referências culturais, o lugar aonde nos habituámos a ir e é também o lugar aonde vai quem nos visita tornando-se uma das referências da viagem.

Há alguns anos que temos vindo a registar-se uma nova dinâmica: a reabertura do Piso 3, com um novo discurso e uma estratégia de comunicação também renovada; exposições temporárias que consolidam a aposta na internacionalização; algumas incursões noutros domínios, propondo conexões que vitalizam o espólio exposto; campanhas de dinamização com grande impacto junto do público. O MNAA parece renovar-se na crescente abertura aos públicos e na forma como os alicia e, também, na forma como comunica e informa.

Público no piso 3
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento

As imagens falam por si: dezenas de botijas de gaz, árvores cortadas, tocos tapados com brita, floreiras sem flores, pedras danificadas e com arestas fraturadas, uma fogueira de 20 metros de altura no claustro. Foram vistas numa reportagem da jornalista Soraia Ramos, no programa “Sexta às 9” da RTP1, no passado dia 2 de Junho, acerca da utilização do Convento de Cristo, em Tomar, da rodagem do filme “O Homem que matou D. Quixote” do realizador Terry Gilliam e que terão envolvido a realização de uma fogueira de cerca de 20 metros de altura no espaço de um dos claustros. Na reportagem, são mostradas imagens da fogueira.

Imagens editadas a partir de fotogramas do vídeo do programa Sexta às Nove RTP 1, 2 jun. 2017

Continuar a ler

Património recuperado para o turismo

A notícia de que o Estado irá concessionar 30 imóveis com valor patrimonial veio desencadear novo debate público acerca do destino de edifícios históricos e da difícil articulação entre a preservação e a utilização dos locais para funções extrínsecas ao uso primacial. Há uma linha subtil e frágil a separar a autenticidade do património, cujo valor é intangível, e a sua exploração turística e comercial, cuja expressão material se concretiza através do lucro financeiro do projeto.

Projeto Revive: mapa de imóveis

Projeto Revive: mapa de imóveis

Os 30 edifícios escolhidos no âmbito do Projeto Revive – Reabilitação, Património e Turismo são maioritariamente edifícios comunitários, como mosteiros, conventos ou quartéis, o que os habilita a uma futura ocupação hoteleira. Todos perderam a sua função inicial e a difícil manutenção, sem um objetivo concreto de uso, votou-os ao abandono e, alguns, à ruína. A autenticidade do lugar está definitivamente truncada pelo facto de, a priori, ter perdido aquilo que Umberto Eco (1985) designa por função-signo. Nenhum destes edifícios voltará a assumir as funções para as quais foram pensados e nos moldes em que foram projetados.

Continuar a ler

Coleção Miró, uma história interminável

Exposição “Joan Miró: materialidade e metamorfose”
Porto, Serralves, 1 out. 2016 – 28 jan. 2017

Uma série de operações duvidosas levou à nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN); a nacionalização do BPN fez transitar um conjunto de 85 obras (pintura, desenho, colagem, escultura e tapeçaria) de Juan Miró, avaliada entre 35 e 54 milhões de euros, para a Caixa Geral de Depósitos; a fim de amortizar as dívidas do BPN, o Governo quis vendê-las em leilão organizado pela Christie’s de Londres, agendado para fevereiro de 2014, estimando um encaixe mínimo de 36 milhões de euros,  contra os pareceres pedidos pela então diretora-geral do Património, Isabel Cordeiro, a David Santos, diretor do Museu do Chiado, e a Pedro Lapa, do Museu Coleção Berard, que se pronunciaram pela permanência das obras em Portugal; defendendo que a venda constituiria uma perda irreparável, o Ministério Público, iniciou uma batalha jurídica contra a Parvalorem e a Parups, sociedades criadas para abater a dívida do BPN, a qual se prolongou, mantendo acesa a discussão pública e levou ao cancelamento do leilão; entretanto, as sociedades conseguiram impugnar o processo de classificação das obras, sob o pretexto de que as obras estavam em Portugal havia menos tempo do que o necessário para que esta fosse obrigatória1; ainda em 2014, o empresário luso-angolano Rui Costa Reis fez chegar uma proposta para adquirir a coleção no valor de 44 milhões de euros e garantia a manutenção das obras na cidade do Porto durante 50 anos, mas a oposição conseguiu travar a transação; com a mudança do Governo, o ministro da Cultura João Soares inverteu as tomadas de posição do seu antecessor, e em julho passado o atual ministro, Luís Filipe Castro Mendes, anunciava a vontade de que a coleção ficasse no Porto, o que foi prontamente acolhido pelo autarca da cidade, Rui Pereira.

Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" Porto, Serralves Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”
Porto, Serralves
Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Continuar a ler

  1. Segundo a Lei de Bases do Património Cultural , art. 68.º,  “salvo acordo do proprietário, é vedada a classificação como de interesse nacional ou de interesse público do bem nos dez anos seguintes à importação ou admissão”. []

As obras da Ajuda: o futuro que sai da ferida

a geometria abre a linha para deixar passar a Imaginação.
O FUTURO sai da FENDA e da FERIDA.
[…]
Porque todo o vazio tem por INIMIGO a Imaginação.
Porque todo o vazio tem o Inimigo.

Tavares, 20121

Em novembro de 2014, foi noticiado que estava em desenvolvimento um projeto para remate da fachada ocidental do Palácio Nacional da Ajuda (PNA), segundo determinação do, então, Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier (vd. Roque, 2014, 22 nov.). As obras incluiriam um espaço museológico destinado à exposição permanente das joias do Tesouro Real, pelo que lhe seria alocado parte da indemnização recebida pelo seguro das joias roubadas na Holanda em 20022. Na altura, não foi divulgado o nome do arquiteto responsável pelo projeto, nem sobre o modelo de adjudicação ou prazo previsto para as obras. No entanto, a notícia foi suficiente para fazer rebentar a polêmica, ente aqueles que defendiam um projeto contemporâneo e os que preferiam uma linha mais arcaica e dê continuidade em relação ao edificado existente.

Lisbonne : vue du palais d´Ajuda Louis Lebreton, c. 1850. Paris: chez Bulla Fr.es; Lisboa: Manuel Costenla. Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal

Lisbonne : vue du palais d´Ajuda
Louis Lebreton, c. 1850.
Paris: chez Bulla Fr.es; Lisboa: Manuel Costenla.
Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal

Continuar a ler

  1. Poema de Gonçalo M. Tavares, citado pelo Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, no discurso que antecedeu a assinatura do protocolo para as obras do Palácio da Ajuda. Tavares, G. M. (2012). Investigações. Novalis. Lisboa: Difel. []
  2. Em 2 de dezembro de 2002, 50 joias das coras holandesa, francesa, britânica e portuguesa, na altura expostas no Museon, em Haia. O caso foi arquivado pelas autoridades holandesas, depois de uma investigação infrutífera, mas antes disso já Portugal havia recebido do seguro uma indemnização de 6,1 milhões de euros, definindo-se, desde logo, como destino de parte dessa verba, a construção de um espaço museológico para a exposição permanente das joias da coroa no PNA, tendo já sido gastos, em 2007, 1,5 milhões na compra da pintura “A deposição de Cristo no túmulo”, de Giovanni Tiepolo, para o Museu Nacional de Arte Antiga. []

A brincar com coisas sérias

“… andamos a brincar ao património”
A. F. Pimentel

A falta de uma política concertada em torno da cultura e do património provoca, inevitavelmente, fraturas na sua gestão. Ao mesmo tempo que se esbatem as fronteiras entre a cultura erudita e a cultura de massas, a indefinição dos conceitos gera igualmente a indeterminação dos fenómenos e a culturalização e patrimonialização de tudo o que deriva da criação humana ou constitui um vestígio, seja do passado, seja de outras realidades ainda não absorvidas pela globalização (e, por vezes, mesmo estas)1

Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

  1. É curioso observar o registo de publicações no grupo de Facebook “Arte, museus e património” e noutros de âmbito idêntico, para perceber o quanto estes conceitos se tornaram abrangentes e imprecisos: se é antigo ou invulgar, é património; se é produto de um pensamento criativo ou de uma habilidade manual, é arte; e tudo isto é cultura. []

Ponto de viragem: um novo modelo de gestão para o Museu Nacional de Arte Antiga

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é o nosso museu de referência.
Não sendo o primeiro museu português numa ordem cronológica, o museu abriu ao público a 12 de junho de 1884, com a designação de Museu de Belas Artes e Arqueologia, com a mais relevante coleção pública do património móvel artístico do país:

“No acervo, dominavam as tipologias chamadas de «belas-artes»: a pintura, proveniente do depósito de S. Francisco; a colecção de objectos litúrgicos de ourivesaria, transferida em 1867 da Casa da Moeda para a Academia; as colecções de escultura e artes decorativas vindas dos conventos femininos; e mesmo o acervo de desenhos, gravuras, arte ornamental e arqueologia, que vinha a ser adquirido pelo museu. A incorporação dos bens oriundos dos conventos das freiras, relançada pela Lei de Abril de 1861, conferiu maior homogeneidade à colecção deste museu como repositório da história da arte nacional.” (Roque, 2011, p. 59)

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes <br> O occidente. (21 Jan. 1882). 5(111), 17.

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes
O occidente
Lisboa: Lallement Frères. Ano 5, vol. V, n.º 111 (21 Jan. 1882), p. 17.

Continuar a ler

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas  c - friso d - estátua da deusa

Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []

Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

Questões relacionadas com a gestão e o financiamento dos museus raramente geram consensos. Antes, suscitam discussões marginais em torno do acesso à cultura e ao património, das políticas de mercantilização, da submissão à pressão do mercado turístico e aos padrões da cultura de massa.

Nourishing the soul The Art Museum of WVU Foto: Raymond Thompson Jr.

Nourishing the soul
The Art Museum of WVU
Foto: Raymond Thompson Jr.

O debate, entre nós, tem sido fragmentado em torno de situações específicas. A propósito do plano estratégico cultural para a zona de Belém, houve uma discussão acesa nas redes sociais em torno do modelo de gestão da Monte da Lua, em Sintra (Vd. A quem pertence o nosso património?). Também a ampliação do Museu do Chiado e a abertura do novo Museu dos Coches suscitaram uma ampla discussão que se estendeu à praça pública. Da mesma forma, se hoje parece não haver dúvidas em relação à eficácia do crowdfunding lançado pelo Museu Nacional de Arte Antiga para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, mas as dúvidas acerca do procedimento foram uma constante ao longo de todo o processo.

Continuar a ler

A quem pertence o nosso património?

Num grupo de amigos, discutíamos a quem pertence o património que é de todos nós. A quem cabe decidir quem lhe tem acesso, quem deve pagar a manutenção e a conservação e restauro, quem determina o que é visto e de que forma deve ser acedido, quem decide as regras a que está sujeito? A discussão surgiu a propósito do preço dos ingressos: uma família, ou um grupo de dois adultos e duas crianças, paga mais de cem euros para, numa ida a Sintra, visitar o Palácio da Vila, o Castelo dos Mouros e o Palácio da Pena; se a isto juntar o Palácio de Monserrate, o Convento dos Capuchos e o Chalet da Condessa d’Edla, paga quase cento e oitenta euros. As visitas guiadas não estão incluídas.

Sintra

Sintra; Palácio da Vila

Palácio da Pena Foto: PSML

Palácio da Pena
Foto: PSML

Continuar a ler

Em torno da questão dos mármores do Partenon

Ao fim de tantos anos em exposição permanente no Museu Britânico, um fragmento do frontão ocidental do Partenon de Atenas, a figura alegórica do rio Ilisso  encontra-se atualmente no Museu Hermitage, que comemora 250 anos. Como refere Neil MacGregor, diretor do museu Britânico, num artigo intitulado “Loan of a Parthenon sculpture to the Hermitage: a marble ambassador of a European ideal”, publicado no blogue institucional do museu: “The British Museum is a museum of the world, for the world and nothing demonstrates this more than the loan of a Parthenon sculpture to the State Hermitage Museum in St Petersburg to celebrate its 250th anniversary.” (MacGregor, 2014, 5 dez.)

A figura alegórica do rio Ilisso no Museu Britânico. Foto: Yair Haklai, 2009.

A figura alegórica do rio Ilisso no Museu Britânico.
Foto: Yair Haklai, 2009.

Continuar a ler

A ilha do património entre Belém e Ajuda

António Lamas assumiu, em finais de outubro, a presidência do Centro Cultural de Belém (CCB). Mais do que ocupar o pelouro deixado vago por Vasco Graça Moura, falecido em abril, Lamas tem a missão bem mais vasta de reformular e dinamizar o eixo patrimonial-monumental-museológico das zonas contíguas de Belém e da Ajuda, integrando no projeto o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém, o Palácio da Ajuda, o Padrão dos Descobrimentos, os museus dos Coches, de Arqueologia, de Etnologia e de Arte Popular, os jardins Tropical e Botânico, o Planetário.

Mosteiro dos Jerónimos e praça do Império Foto: MIR, 2013.

Mosteiro dos Jerónimos e praça do Império
Foto: MIR, 2013.

Continuar a ler

Fotografar é apropriar-se da coisa fotografada?

“Na realidade, que é senão pó tudo isto
que me cerca em tanta prateleira
acumulado?
[…]
O que o homem herda só o pode chamar
seu quando o utiliza [porque] só no uso
consiste a propriedade.”
Goethe. Fausto, quadro 2, cena 5.

Costumo citar esta frase de Goethe, como uma metáfora da nossa relação com o património, isto é, com aquilo que nos foi legado pelos nossos antepassados: se não o usarmos, não nos pertence, no sentido em que o merecimento da posse, ou a apropriação, deriva da sua utilização (e preservação).

O património guardado no museu continua a ser globalmente “nosso” e não de quem o tutela, englobando aqui as o Estado, as instituições, os curadores. O património guardado no museu é, sobretudo, de quem o usa, de quem o procura, o vê, o usufrui, o aprecia. A missão de quem o tutela é apenas essa – a tutela –, para que o possamos legar às nossas gerações vindouras. A nós, que verdadeiramente o usamos, de cada vez que vamos ao museu, ou que o analisamos, estudamos, divulgamos, compete a posse e o usufruto.

A forma como esta posse se manifesta é dinâmica e mantém-se em constante atualização.  Se compararmos os projetos de Hubert Robert para a grande galeria do Louvre, em finais do século XVIII, com a atualidade, as diferenças são de ordem mais quantitativa do que formal: há gente que observa as obras, há quem passe sem as olhar, há quem reproduza as obras e quem os observe…

Projecto para a grande galeria do Louvre Hubert Robert 1796 Paris, Musée du Louvre  © Musée du Louvre/A. Dequier - M. Bard

Projecto para a grande galeria do Louvre
Hubert Robert
1796
Paris, Musée du Louvre
© Musée du Louvre/A. Dequier – M. Bard

Continuar a ler

Pagar, ou não pagar, o acesso à cultura, eis a questão

A questão não é recente. O debate acerca do pagamento da entrada em espaços de cultura e do preço justo dos ingressos não é de hoje, mas torna-se especialmente premente em tempos de crise. Em 2011, Francisco José Viegas, então Secretário de Estado da Cultura, anunciara a intenção de acabar com as entradas gratuitas nos Museus, o que motivou uma forte oposição, nomeadamente, por parte de Isabel Pires de Lima e de Gabriela Canavilhas, que haviam assumido a mesma tutela em Governos anteriores. Também Luís Raposo, na altura Presidente do ICOM, manifestou o seu desacordo, enquanto João Neto, presidente da Associação Portuguesa de Museologia, se pronunciou a favor da medida, defendendo, em entrevista ao pporto, o princípio do “utilizador pagador” (Pporto, 2011, 16 out.). A polémica prolongou-se e, em 2012, João Neto voltou a inflamou a discussão ao defender que o aumento do preço das entradas em museus e monumentos, então a ser preparado pela Direção-geral do Património para o ano seguinte, era imprescindível para fazer face aos custos inerentes. João Neto, na altura, mostrava-se ainda mais redutor do que a própria tutela, mostrando-se contrário à hipótese da gratuitidade nos museus para os desempregados. Em declarações à Lusa, citadas na comunicação social, afirmava: “Não consigo conceber que se paguem ninharias, como se fossem esmolas, porque os museus têm uma riqueza patrimonial e fundamental em termos de conhecimento e de integração das pessoas na sociedade” (cit. in Diário Digital e Lusa, 2012, 28 set.).

Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém Lisboa, 2014

Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém
Lisboa, 2014

Continuar a ler