Olhares sobre Almada Negreiros, o “ser moderno” em exposição na Gulbenkian

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (MCG), 3 fev. – 5 jun. 2017

“Reparem bem nos meus olhos, não são meus, são os olhos do nosso século! Os olhos que furam para detrás de tudo.”
Almada Negreiros (1921). A Invenção do Dia Claro

Foi anunciada uma “exposição antológica mostra a obra de um artista que catalisa a vanguarda nos anos 1910 e atravessa todo o século XX” (Museu Calouste Gulbenkian, 2017). Foi prevista como uma das grandes exposições do ano e o afluxo de público nas primeiras semanas parecem confirmá-lo. Adivinhava-se, portanto, um prolongado e aprofundado olhar sobre a obra de Almada Negreiros (1893-1970), nas suas múltiplas linguagens e expressões, estendendo-se pela pintura, desenho, teatro, pintura mural, ilustração e artes gráficas, mas também pela dança, teatro, ou pelo romance, contos, conferências, ensaios, poesia… Esperava-se, também, que mostrasse, interpretasse e relacionasse a obra de um “autor profuso e diversificado”, com “uma conceção heteróclita do artista moderno” (Id., ibid.), reavaliando as suas conexões no contexto dos modernismos e das suas expressões híbridas e complexas.

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler