História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler

A incrível corrida dos Pokémon

Pokémon, contração dos termos japoneses Poketto Monsutā (Monstros de bolso) começou como por ser um videojogo (Poketto Monsutā Aka e Midori, verde e vermelho), criado por Satoshi Tajiri, lançado no mercado em 1996. Pouco depois, passou para as telas de cinema e para os ecrãs de televisão, Os Pokémon são criaturas monstruosas, geralmente baseadas em animais reais ou em criaturas da mitologia oriental, ou em entes inanimados e lendários.

Galeria de tipos Pokémon

Galeria de tipos Pokémon

Continuar a ler

Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso. Continuar a ler

A estratégia da sauna finlandesa

As fronteiras das Humanidades Digitais: Ensaio de geografia política de uma comunidade científica.

Versão portuguesa do texto La stratégie du Sauna finlandais
Por Marin Dacos, 1 jun. 2013
https://bn.hypotheses.org/11138

Tradução:
Dália Guerreiro
UÉ-CIDEHUS
https://bdh.hypotheses.org/
Maria Isabel Roque
Universidade Europeia / UÉ-CIDEHUS
http://amusearte.hypotheses.org/

Resumo

Fala-se de Humanidades Digitais! Mas será que as Humanidades Digitais existem como comunidade unida e coerente? O governo desta comunidade é equilibrado e democrático? Até agora, ainda não tinha havido um estudo acerca desta comunidade, sustentado por um inquérito que abrangesse todos os seus membros, numa perspetiva multilinguística e geográfica. O inquérito “Who are you, Digital Humanists?” – lançado no THATCamp Luxemburgo (2012), e divulgado durante o DH2012, Hambourg – permitiu juntar uma amostra incompleta, ainda que significativa, de 850 indivíduos que aceitaram responder ao nosso questionário. Constatou-se, por um lado, uma grande diversidade linguística e geográfica, tendo havido um grupo de não participantes, por não terem visto o inquérito ou por não lhe terem prestado atenção, e, por outro lado, a exceção do inglês como primeira língua, a par da sua predominância como segunda língua. Revelou-se que as Humanidades Digitais estavam muito marcadas pela História e pelos estudos clássicos, mas muito pouco, realmente muito pouco, ligadas às disciplinas que se interessam pelo mundo contemporâneo, sejam as ciências da Web, ou as relacionadas com a mineração de dados e de textos. Descobriu-se também um evento de grande importância, o encontro Digital Humanities 2012, cujo tema era a diversidade cultural e que foi presidido pela Europa, América do Norte ou, mais precisamente, pelo Reino Unido e as sua ex-colónias (Irlanda, Canadá, Estados Unidos de América, Austrália). Diríamos que a anglofonia voltou a marcar pontos. A fim de medir os progressos da diversidade no âmago do poder da nossa comunidade, este artigo propõe a criação de um indicador, o Digital Humanities Decision Power (DHDP), para calcular a distância entre os grupos de Humanidades Digitais e medir as suas faculdades na peritagem e nos procedimentos de seleção científica. Com base neste indicador, seria necessário um debate coletivo para tornar a nossa comunidade mais aberta à diversidade linguística e geográfica. A isso, nós chamamos a estratégia da Sauna finlandesa.

Dacos_2013_estrategia-da-sauna-finlandesa

Digital Humanities involving people and museums

Kenderdine, S. (2016). Embodiment, entanglement and immersion in digital cultural heritage. In S. Schreibman, Siemens, & Unsworth (Eds.), A new companion to digital humanities (pp. 22-41). Chichester, West Sussex, UK; Malden, MA, USA: John Wiley & Sons.
new-companion-digital-humanities

Continuar a ler

Museums and digital humanities: from the divide to the bridges

In recent times, many (well, maybe not so many!) projects have been announced, introducing Digital Humanities in museums. Slowly but surely, museums are decreasing the divide that separates them from the digital tools.

F. no Lisboa Story Center Foto: MIR, 2014.

F. no Lisboa Story Center
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

O amanhã do museu começa hoje

“[…] eles ignoravam que hoje era ontem e haveria amanhã”
Clarice Lispector1

Após séculos e séculos de colecionismo privado, a idade dos museus implantou-se no século XIX como um espaço para a preservação do património a transmitir às gerações futuras. O museu surgiu sob um signo de sacralidade – no momento em que a sociedade se tornava laica, o sentimento religioso impregnava-se na glorificação do passado e dos seus testemunhos materiais – constituindo-se como um reduto separado da vida quotidiana, um santuário adequado à mitificação das coleções de pintura e escultura, ourivesaria, joalharia, mobiliário, manuscritos iluminados e códices.

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

  1. Lispector, C. (1974). Onde estivestes de noite? Rio de Janeiro: Artenova. []

Cultural tourism and digital humanities

Co-author: Dália Guerreiro

Tourism sector has been reformulated in the post-modern society and, over the past six decades, has experienced continued expansion and diversification, but it faces challenges demanding it to develop innovative solutions for the consumption of the cultural heritage. Meanwhile, advances in technologies for aggregating and searching collections data had open the debate about how museums and heritage sites may use digital data to promote their collections knowledge and to react to the visitors’ diversified expectations.

We are like vapours: Pacifying the South China Sea Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

We are like vapours: Pacifying the South China Sea
Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

Continuar a ler

Luz e cor sobre o templo de Dendur

O Templo de Dendur tinha sido erguido em honra da deusa Isis no tempo do imperador romano Augusto, por volta do ano 13 a.C., na Núbia, no sul do Egipto, na margem ocidental do Nilo.

Templo de Dendur, c. 1960. Brooklyn Museum Archives, Goodyear Archival Collection William Henry Goodyear, Brooklyn Museum

Templo de Dendur, c. 1960.
Brooklyn Museum Archives, Goodyear Archival Collection

Continuar a ler

A literatura como (pre)texto de viagem

O conceito não é novo: ao longo do século XIX, o relato literário era um pretexto de viagem em alternativa ou em complemento ao propósito de visitar locais de referência, monumentos, museus, ruínas, vestígios do passado ou de outras culturas. James Buzard (1993), a partir da análise de um corpus de textos literários relacionados com a viagem, regista a dualidade do conceito de cultura de elite ou massas na prática Oitocentista da viagem, ao mesmo tempo que se instalava a ideia de que o turismo era uma atividade aberta a todas as classes, sobretudo depois das práticas de simplificação e de divulgação iniciadas por Thomas Cook. Buzard distingue, assim, entre o vulgar “tourist” e o verdadeiro “traveller”, mais erudito, apontanto para o conceito remanescente daquilo que designa como a experiência cultural autêntica, “that which the ‘traveller’ used to seek ‘off the beaten track’“ (Buzard, 1993, 336)  e que, portanto, se encontra em locais de referência extrínsecos aos circuitos populares.

Goethe na Campagna Romana Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787 Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Goethe na Campagna Romana
Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787
Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Continuar a ler

Museu e património no destino da viagem

A Grand Tour nos primórdios do turismo cultural

As circunstâncias do aparecimento simultâneo dos atuais conceitos de ‘turismo’ e de ‘museu’, no contexto da Europa iluminista, sustentam um percurso feito de conexões e mútuas influências. Ao longo do século XVIII, no contexto do Iluminismo europeu, desenvolveram-se as práticas de viagem e de colecionismo que constituem a proto-história do turismo e da museologia. O denominador comum era o conhecimento do passado e dos seus vestígios materiais, o que coincidia também com a crescente consciência em torno do património e da necessidade de o conservar no seu ambiente original.

British gentlemen in Rome Katharine Read, ca.  1750 Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

British gentlemen in Rome
Katharine Read, ca. 1750
Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

Continuar a ler

#HDPT2015 Humanidades Digitais num relance

No rescaldo do “Congresso de Humanidades Digitais em Portugal” (Universidade Nova de Lisboa, 8-9 out. 2015), firma-se a ideia de que a investigação em Humanidades alterou os parâmetros em função da tecnologia digital. Neste, que foi o primeiro congresso sobre o assunto em Portugal e com dimensão internacional, assistimos a múltiplas reflexões sobre o impacto do digital e à apresentação de projetos neste domínio, que geraram debates, umas vezes, convergentes, outras, em acesa controvérsia, confirmando a atualidade do tema e a oportunidade do congresso.

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, UNL, 2015 Foto: Daniel Alves, 2015

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, UNL, 2015: conferência de abertura por Maria Clara Paixão de Sousa
Foto: Daniel Alves, 2015

Continuar a ler

#HDPT2015 Simplesmente Humanidades

Digital Humanities is just the humanities of the present day.
Alex Raid

Maria Clara Paixão de Sousa, Professora da Universidade de São Paulo, apresentou esta epígrafe na conferência de abertura do Congresso das Humanidades Digitais em Portugal. Depois, Manuel Portela observou que, tal como não se falou de “humanidades tipográficas” no século XV, também é provável que o termo “digitais” venha a cair porque, naturalmente, toda a investigação em Humanidades se apoia na tecnologia digital, de forma mais ou menos essencial.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas Foto: MIR, 2015.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas
Foto: MIR, 2015.

Continuar a ler

O despertar da era da experiência, segundo Sarah Kenderdine: museus e humanidades digitais

“We are in the midst of a transformation, from a world of screens and devices to a world of immersive experiences”.
Brian Krzanich

Sarah Kenderdine, diretora adjunta do National Institute for Experimental Arts (NIEA) e diretora do Laboratory for Innovation in Galleries, Libraries, Archives and Museums ( iGLAM Lab), na University of New South Wales: Art & Design (Australia), esteve em Portugal para apresentar a palestra The age of experience: cultural heritage in future museums, organizadas por Helena Murteira (CHAIA/UE – Linha de História da Arte), Paula André (DINÂMIA’CET-IUL/ ISCTE-IUL – Linha Cidades e Territórios) e Daniel Alves (IHC/FCSH/UNL – Linha de Humanidades Digitais e Investigação Histórica), no passado dia 1 de junho, no auditório J.J. Laginha no ISCTE-IUL.

Sarah Kenderdine  ISCTE-IUL, 2015.

Sarah Kenderdine
ISCTE-IUL, 2015.

Partindo da epígrafe de Brian Krzanich, CEO da Intel Corporation, Sarah Kenderdine redefine o conceito de museu em função da transformação da nova era digital, no que respeita ao desenvolvimento de novos recursos quer para transmissão do conhecimento, quer para a criação de experiências imersivas centradas no sujeito.

Continuar a ler

#DayofDH Museums and digital technology: concurrence or convergence?

When digital technologies began to invade our lives, museums seemed to be condemned to the past, while people were been increasingly seduced by new forms of entertainment, more dynamic, more interactive, more spectacular and more immediately rewarding. Should it be the end of museum era (as the end of theatre, cinema, or book era)?

In museums, some curators tried to consolidate the institution in its always framework: an erudite, sober and unchangeable, place with a high knowledge content, in contrast to  the “non-places” of our supermodernity, as described by Marc Augé (1992), or to the ever-changing realities of ours network connections with no-time and no-where. By preserving the memory, the authority of the object in custody in the museum would be a final stronghold against the changes of contemporary…

Or museums can update themselves and use technology in their behalf.

Utilização de recursos de Humanidades Digitais no Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.

Digital humanities @ Museum of Modern Art (MoMA)
Photo: MIR, 2014.

Continuar a ler