Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

Questões relacionadas com a gestão e o financiamento dos museus raramente geram consensos. Antes, suscitam discussões marginais em torno do acesso à cultura e ao património, das políticas de mercantilização, da submissão à pressão do mercado turístico e aos padrões da cultura de massa.

Nourishing the soul The Art Museum of WVU Foto: Raymond Thompson Jr.

Nourishing the soul
The Art Museum of WVU
Foto: Raymond Thompson Jr.

O debate, entre nós, tem sido fragmentado em torno de situações específicas. A propósito do plano estratégico cultural para a zona de Belém, houve uma discussão acesa nas redes sociais em torno do modelo de gestão da Monte da Lua, em Sintra (Vd. A quem pertence o nosso património?). Também a ampliação do Museu do Chiado e a abertura do novo Museu dos Coches suscitaram uma ampla discussão que se estendeu à praça pública. Da mesma forma, se hoje parece não haver dúvidas em relação à eficácia do crowdfunding lançado pelo Museu Nacional de Arte Antiga para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, mas as dúvidas acerca do procedimento foram uma constante ao longo de todo o processo.

Continuar a ler

Ser ou não ser museu, eis a questão

Um dos desafios mais prementes que o museu enfrenta diz respeito à forma como se posiciona na contemporaneidade e à forma como se adequa ao ritmo vertiginoso da mudança. As coisas não eram assim há vinte, trinta anos: não tínhamos telemóveis, a televisão tinha dois ou quatro canais e não havia comandos à distância, usávamos computadores pessoais como um substituto da máquina de escrever, não havia internet, as máquinas fotográficas eram analógicas… Nessa altura, o museu era expositivo e ninguém lhe exigia que fosse algo mais.

Berlim, Gemäldegalerie, julho 2012.

Berlim, Gemäldegalerie, julho 2012.

Continuar a ler