La religion comme culture

Conferência apresentada no colóquio « Patrimoines religieux, cultures nationales et pratiques touristiques », Universidade de Évora, 11-12 dez. 2014.

À l’Ancien Testament, Dieu a averti Moïse qu’Il va descendre sur le Mont Sinaï et lui demande de pas laisser l’approximation du peuple: « Tu fixeras au peuple des limites tout à l’entour, et tu diras: Gardez-vous de monter sur la montagne, ou d’en toucher le bord. Quiconque touchera la montagne sera puni de mort.» (Ex 19, 12). Le concept d’interdit s’étend à tout ce qui prend part au rituel de liaison au divin.

Moïse recevant les Tables de la Loi Schedel, Hartmann (1440-1514) - Liber Chronicarum. Miguel Wohlgemuth, Guillermo Pleydenwurff, Albert Durer (?), il. et grav. Nuremberg: Anton Koberger, 1493, fl. 75v.

Moïse recevant les Tables de la Loi
Schedel, Hartmann (1440-1514) – Liber Chronicarum. Miguel Wohlgemuth, Guillermo Pleydenwurff, Albert Durer (?), il. et grav. Nuremberg: Anton Koberger, 1493, fl. 75v.

Continuar a ler

“A pintura que vem até mim”: a imagem e a comunicação do museu Van Gogh

O museu Van Gogh, em Amsterdão, possui a maior coleção mundial da obra do pintor, com mais de 200 pinturas, cerca de meio milhar de desenhos e 800 cartas, e de outros pintores do século XIX, além de uma vasta biblioteca temática.

Museu van Gogh, Amsterdão.

Museu van Gogh, Amsterdão.

Continuar a ler

Tanto esplendor e glória para tão pouco contar

Exposição “Splendor et gloria: Cinco joias setecentistas de exceção
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 24 set 2014 – 4 jan. 2015

O título da exposição Splendor et gloria: Cinco joias setecentistas de exceção, no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) sugere e sublinha que esta é uma oportunidade rara. As notas oficiais confirmam o estatuto de singularidade – quer do procedimento museológico, quer da qualidade das peças expostas – através de uma adjetivação superlativada: “Um dos mais ambiciosos projetos do MNAA”, “o esplendor artístico”, “obra-prima”, “dois artistas excecionais”, “peças de exceção”, “um acervo a todos os títulos excecional” (MNAA, 2014a). Nuno Vassallo e Silva, Diretor Geral do Património Cultural, concorre a este discurso laudatório, afirmando que “as peças de assinalável importância artística e patrimonial, são de incontestável primeira água […], fazendo desta exposição uma das mais importantes alguma vez realizada pelo Museu das Janelas Verdes, sob a direção de António Filipe Pimentel” (MNAA, 2014b, p. 9).

Exposição Splendor et gloria Foto: MIR, set. 2014

Exposição Splendor et gloria
Foto: MIR, set. 2014

Continuar a ler

Ser ou não ser museu, eis a questão

Um dos desafios mais prementes que o museu enfrenta diz respeito à forma como se posiciona na contemporaneidade e à forma como se adequa ao ritmo vertiginoso da mudança. As coisas não eram assim há vinte, trinta anos: não tínhamos telemóveis, a televisão tinha dois ou quatro canais e não havia comandos à distância, usávamos computadores pessoais como um substituto da máquina de escrever, não havia internet, as máquinas fotográficas eram analógicas… Nessa altura, o museu era expositivo e ninguém lhe exigia que fosse algo mais.

Berlim, Gemäldegalerie, julho 2012.

Berlim, Gemäldegalerie, julho 2012.

Continuar a ler

Persistência e mudança: a difícil adesão dos museus às Humanidades Digitais

[Publicado, em simultâneo, no sítio do Dia das Humanidades Digitais #diahd14]

As novas tecnologias, além de criarem profundas transformações no espaço do nosso quotidiano, alteraram o paradigma epistemológico e metodológico das últimas décadas. Não será possível, ainda, avaliar objetivamente o impacto das novas tecnologias na cultura e na sociedade, mas é inevitável reconhecer as implicações do acesso hipermediático à informação. Hoje, somos detentores, quase involuntários, de grandes quantidades de dados, passando o investigador de “descobridor” a “selecionador-processador- redutor-organizador” da informação obtida, antes de efetuar a respetiva análise. É neste contexto que se formula uma questão de partida: como se reorienta a missão do museu na era digital? A partir desta, perfilam-se novas questões: de que forma se incorporam as Humanidades Digitais no museu? Em que consiste, agora, a função do curador, assumindo a coexistência do mediador-comunicador com a do conservador, após a longa tradição da prevalência das tarefas de conservação e preservação do património sobre a sua divulgação? Os conservadores e restantes profissionais dos museus estão dispostos a encarar a mudança? As tutelas estão, elas próprias, interessadas nessa mudança?

Utilização de recursos de Humanidades Digitais no Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.

Utilização de recursos de Humanidades Digitais no Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Museu, um lugar (também) para as crianças

Zoe Williams acha que sim. Hoje, no jornal The Guardian, conta as suas (atribuladas?) idas ao museu com os filhos, sobrinhos e amigos, respondendo, desta forma, ao aviso irritado de Jake Chapman para que os pais deixassem as crianças em casa, acusando-os de “arrogant” por terem a pretensão de que elas poderiam compreender a complexidade da obra de artistas como Jackson Pollock e Mark Rothko. A verdade é que isto me faz lembrar um comentário muito semelhante por parte do conservador de um dos nossos museus (!), desabafando que se dependesse dele só lá entravam adultos. Há uma semana, era Tiffany Jenkins (Vd. Para ir ao museu, todas as razões são boas) quem contestava a presença das crianças nos museus… A questão, portanto, além de pertinente, parece assumir-se como relevante.

Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.

Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

Afinal, levar as crianças ao museu é tempo perdido ou tempo ganho?

Continuar a ler

Para ir ao museu, todas as razões são boas

A propósito de um artigo de Tiffany Jenkins acerca do acesso das crianças aos museus.

F. e a obra Interior (Papillon Gallery Project) de Michael Craig-Martin (1993-2012) Paris, Centre Pompidou Foto: MIR, 2013.

F. e a obra Interior (Papillon Gallery Project) de Michael Craig-Martin (1993-2012)
Paris, Centre Pompidou
Foto: MIR, 2013.

Tiffany Jenkins apresenta-se no blogue homónimo como “cultural sociologist, writer and commentator” onde aborda temas nos domínios da cultura, da arte e do património. É considerada sobretudo pela investigação desenvolvida em torno do sentido simbólico e do uso de restos humanos, cuja análise, que abrange aspetos políticos, sociais e éticos, sintetizou na obra Contesting human remains in museum collections: The crisis of cultural authority, publicada em 2011, pela Routledge, onde acaba de publicar, em julho passado, a Political culture, soft interventions and nation building.

No debate Battle of ideias, promovido pelo Institute of Ideas at the Barbican e que irá decorrer nos próximos dias 18 e 19 de outubro, em Londres, Tiffany Jenkins integra o painel de oradores na sessão “Are museums turning into playgrounds?” (19 de out.). Se falar dos restos humanos expostos no museu, apesar de ser um tema sensível, é relativamente consensual, com uma linha de ação definida já pelo Conselho Internacional dos Museus (ICOM), falar do acesso das crianças ao museu já anuncia uma maior polémica e contestação.

Continuar a ler

Viajar no tempo de Lisboa

Lisboa Story Center, Praça do Comércio, Lisboa
Museu da Cidade, Campo Grande, Lisboa

“Viajar no tempo” não é expressão minha: fui com o F. e a B., 10 e 13 anos respetivamente, e foi assim que o mais novo comentou a ida ao Lisboa Story Center. Há algum tempo tínhamos ido ao Museu da Cidade e aquilo que os dois melhor recordam é que havia lá pavões e que andaram a apanhar penas espalhadas pelo jardim. Do museu? Bem, esse foi um bocado “seca”.

F. no Lisboa Story Center

F. no Lisboa Story Center
Lisboa, 2014

Para que fique assente: estão os dois acostumados a ir a museus e gostam de lá ir, constroem histórias à sua maneira, veem, observam o que lhes chama a atenção, interrogam acerca do que não percebem. Do Lisboa Story Center (será um museu?), gostaram e muito; do Museu da Cidade (será o que se espera, hoje, de um museu?), não gostaram, nem lhes deixou memórias. Se em ambos os sítios, é contada a história de Lisboa, é a forma de comunicar que diverge.

Continuar a ler

A arte ainda existe?

Exposição “Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours
Paris, Centre Pompidou, 2 julho – 7 mar. 2016

O Centre Pompidou apresenta a exposição “Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours”, comissariada por Christine Macel, com o ambicioso objetivo de contar a recente história da arte através de mais de quatrocentas peças consideradas “des clefs de lecture sur la création la plus contemporaine” (Macel, 2014). São obras de artistas, arquitetos e designers, de cinquenta e cinco países, algumas delas, obviamente, acabadas de entrar na coleção do museu. Como refere Philippe Dagen, num artigo do Le monde, onde anuncia a contra-história da arte:

“L’exercice est difficile. Il impose de composer avec des données générales et d’autres particulières. Les générales, c’est tout ce qui s’est passé durant la période considérée : la création plastique et architecturale dans son ensemble, en premier lieu, les débats théoriques et critiques, mais aussi, déterminantes, les situations historiques, économiques, religieuses, sociales.” (Dagen, 2014, 17 jul.)

Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours [cartaz da exposição] 2014

Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours [cartaz da exposição]
2014

Continuar a ler

Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma

O Metropolitan Museum of Art (Met), de Nova Iorque, anunciou a disponibilização em linha das imagens da maior parte do acervo, num total de cerca de 400.000 ficheiros de alta qualidade, os quais podem ser automaticamente transferidos sem que seja necessário pedir autorização ou pagar taxas de utilização. A notícia correu pelas redes sociais e provocou um inesperado número de acessos que obrigaram ao fecho temporário do sítio eletrónico do museu.

The Metropolitan Museum of Art: The Collection Online 2014

The Metropolitan Museum of Art: The Collection Online
2014

Continuar a ler

“As coleções criam conexões”: o papel dos museus na sociedade contemporânea

18 de maio, Dia Internacional dos Museus 2014 | ‘Museus: coleções criam conexões

O ICOM (Conselho Internacional de Museus) é uma organização internacional não-governamental criada em 1946, associada à UNESCO e com a missão de promover e proteger o património cultural e natural, tangível e intangível. Atualmente com mais de 30.000 membros em 137 países, o ICOM assume-se como uma rede de profissionais ligados aos museus e ao património, tendo como propósito a cooperação e troca de conhecimentos e metodologias.

Em 1977, o ICOM criou o Dia Internacional dos Museus, a 18 de maio, tendo em vista a sensibilização do público para o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade. Com uma adesão crescente desde essa altura, em 2013, cerca de 35.000 museus em 143 países participaram nesta iniciativa.

Este ano, o tema é “As coleções criam conexões” propondo uma reflexão sobre o papel dinâmico do museu na relação que o museu cria com a comunidade, alargada e fluída, dos seus públicos.

ICOM, Dia Internacional dos Museus 2014 Museus: coleções criam conexões

ICOM
Dia Internacional dos Museus
18 maio 2014

Torna-se cada vez mais premente a reflexão acerca do perímetro da função patrimonial do museu no contexto da cultura contemporânea, cada vez mais globalizada, e em vertiginosa mutação de referências, num fenómeno de encurtamento das coordenadas espaço-tempo. É nesse contexto que o museu reivindica a competência de “criar conexões” através das coleções.

Continuar a ler

A pintura de Rothko reposta na Tate Modern, um museu desadequado à obra de Rothko?

A obra Black on Maroon, de Mark Rothko, que tinha sido vandalizado em outubro de 2012, voltou a ser exposta na Tate Modern, depois de 12 meses de restauro.

Recolocação da obra «Black on Maroon, 1958», de Mark Rothko, na Tate Modern de Londres

Recolocação da obra «Black on Maroon, 1958», de Mark Rothko, na Tate Modern de Londres Foto: Reuters

Continuar a ler

No rescaldo da #MuseumWeek: a comunicação do museu em ambiente virtual

A #MuseumWeek chegou ao fim.

Durante 7 dias consecutivos, 630 museus e galerias de vinte países europeus abriram virtualmente as portas e puseram-se literalmente à conversa com um público tão vasto quanto diversificado e interpelativo. Alguns prolongaram a experiência digita para o espaço físico e concreto do próprio museu, integrando públicos reais e virtuais na mesma aventura de conhecer o museu para lá do que é vulgar.

#MuseumWeek

#MuseumWeek

Continuar a ler

#MuseumBlogs Day

19 de março, o dia (também) dos blogues de museu

a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day

a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day

Se tudo e todos têm um dia, como podiam os blogues de museus não marcar também um dia? No twitter, ao longo do dia têm sido ininterruptas as conversas sobre museus: notícias, comentários, reflexões, provocações, partilhas…

Continuar a ler

Mérito e demérito entre o museu e o público

(Estas são opiniões incoerentes e politicamente incorretas)

Passar pelo museu não significa ver as obras expostas e, muito menos, compreender o que está exposto. Porque o museu continua a ser um espaço de eleição e de elites; porque o museu continua a ser um espaço sacralizado, cujo percurso se faz com a regularidade de um rito; porque o museu mantém um registo monológico, cumprindo as atribuições enquanto emissor da mensagem sem fundamentar a função comunicativa na relação que estabelece com os públicos-recetores.

Continuar a ler