A reinvenção do museu e as metamorfoses do objeto

Numa sociedade em mudança, face aos novos paradigmas da comunicação e transmissão, ou divulgação, do conhecimento, o museu reavalia os seus próprios conceitos e funções.

The British Museum: the Egyptian Room, with visitors.
Wood e Credit: Wellcome Library, London.

Continuar a ler

Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno

Num texto intitulado “Le problème des musées”1, o poeta Paul Valéry (1871-1945) exprime a melancolia sentida durante a visita às galerias do Museu do Louvre, declarando, à partida: “Je n’aime pas trop les musées. Il y en a beaucoup d’admirables, il n’en est point de délicieux” (p. 2). Compara, ainda, essas galerias, ou “ces solitudes cirées “ (p. 2), às igrejas e aos cemitérios, criando uma analogia entre o museu e o espaço sagrado do templo, num conceito retomado posteriormente para falar do comportamento dos visitantes (Duncan, 1995; Roque, 1990, 2016). Valéry descreve um espaço desconexo e intimador, onde a realidade (as obras de arte) se apresenta fora do contexto do tempo e do espaço e o visitante é obrigado a falar baixo, a manter uma atitude reservada e afastada das obras, apresentada de forma demasiado densa. O ambiente artificial, constrangedor, cansativo e exaustivo do museu influencia negativamente a forma como o visitante aprecia a obra de arte. A grande quantidade de obras expostas, demasiado próximas umas das outras, dificulta a fruição individual de cada uma, o que determina a superficialidade – “Nous devenons superficiels.” (Valéry, 1923, p. 7) – da relação entre o observador e a obra.

Continuar a ler

  1. O texto de Paul Valéry foi publicado em Le Gaulois, a 4 de abril de 1923, e foi posteriormente incluído na antologia Œuvres (t. 2, pp. 1290-1293): Pièces sur l’art, editada por Jean Hytier e publicada em 1960, pela Gallimard, a partir da qual foi feita a versão digital que utilizamos. Existe uma versão em português: Valéry, P. (2008). O problema dos museus. Ars, 6(12), 31-24. []

Museu, o novo templo

Quase no final do percurso expositivo, senti o telemóvel a vibrar e saí para atender a chamada; fiquei junto à porta, a falar baixinho, sob o olhar atento do vigilante e, quando acabei, ao tentar regressar à sala, fui imediatamente advertida:
“Tem de voltar a entrar. Aqui é a saída!”
Quantos ordens, advertências, avisos a moldar o comportamento adequado ao espaço museológico!

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

Ver através das mãos que desenham

O Rijksmuseum, sem acusar a pressão do número de visitantes e sem se atrever a tomar para a inibição da procura, tem vindo a manifestar algum incómodo perante o desconforto e cansaço do público em salas superpovoadas. A missão museológica de “dar a ver” as obras exposta fica comprometida face à multidão que passa ao longo do percurso expositivo, em direção a determinadas obras-primas consideradas essenciais. Nesse sentido, propõe um conjunto de visitas temáticas, que diversificam os percursos, também numa tentativa de descongestionar o acesso às obras mais mediáticas. Não obstante, estudos feitos no museu permitiram concluir que os visitantes não se demoram frente às obras expostas (cfr. Aart Van Harten, guia do museu, cit. in Guillermard , 2016, 5 fev.). Por isso mesmo, tem vindo a apresentar formas alternativas de ver para lá do percurso expositivo em que o visitante se move. Destaca-se a app, com um vasto número de informações complementares e largo espetro de ligações, propostas interpretativas, interativas e lúdicas para aquisição e aplicação de conhecimentos. Estratégias que levem o visitante a fixar o olhar, ao invés de passar sem ver.

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)
Amsterdão, 2015

Continuar a ler

O dilema do museu: permitir, regular ou proibir?

O museu nasceu com o duplo propósito de constituir um repositório da identidade cultural de território – na mesma altura em que também se firmava o conceito de nação e intensificava o desejo imperialista – e de torna-lo acessível a toda a sociedade. O museu tornou-se, assim, um espaço onde as classes mais baixas, pelo menos teoricamente, podiam usufruir de um património que até então tinha sido privilégio exclusivo da aristocracia, do clero ou da alta burguesia. Por conseguinte, o museu instituiu-se como um espaço de prestígio social e cultural, a par do consumo de outros produtos culturais considerados eruditos, como o teatro, a música, o bailado e a ópera.

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

Mérito e demérito entre o museu e o público

(Estas são opiniões incoerentes e politicamente incorretas)

Passar pelo museu não significa ver as obras expostas e, muito menos, compreender o que está exposto. Porque o museu continua a ser um espaço de eleição e de elites; porque o museu continua a ser um espaço sacralizado, cujo percurso se faz com a regularidade de um rito; porque o museu mantém um registo monológico, cumprindo as atribuições enquanto emissor da mensagem sem fundamentar a função comunicativa na relação que estabelece com os públicos-recetores.

Continuar a ler

No museu: da interdição à emoção

“Ne pas toucher, ne pas courir, ne pas parler : les expositions sont souvent le lieu de toutes sortes d’interdits.” (Lequeux, 2014, 28 fev.)

A frase abre um artigo de Emmanuelle Lequeux, publicado no Le Monde, acerca da exposição “Des choses en moins, des choses en plus” (Paris, Palais de Tokyo à Paris, 14 de fevereiro – 2 de março 2014).

Não tocar, não correr, não falar…

Continuar a ler