Nudez, arte e linguagem

O corpo e a nudez são objeto recorrente da criação artística, refletindo os modelos conceptuais e estéticos de cada época. A representação do corpo nu transforma-o numa ficção iconográfica artificial que lhe atenua a carga de erotismo subjacente à maioria dos contextos civilizacionais. A nudez na arte é apreendida através do significado da representação, onde o sentido prevalece sobre a forma: as Vénus paleolíticas são vinculadas aos ritos de fertilidade; nas civilizações pré-clássicas do Próximo Oriente, a representação do corpo obedece a padrões convencionais; a arte clássica aborda o corpo com crescente naturalismo, até aos limites da harmonia, perfeição e equilíbrio como ideal de beleza; durante a Idade Média, a moralidade cristã impôs uma maior contenção na representação da nudez e uma deliberada deformação do corpo, separando os modelos da criação humana do arquétipo de perfeição exclusivo da criação divina; o Renascimento recupera os modelos da arte clássica, atualizados por um interesse crescente pelos estudos anatómicos; a partir do Maneirismo, ao mesmo tempo que as prescrições tridentinas impunham restrições à representação das figuras religiosas, os artistas conquistaram uma maior liberdade de expressão e na utilização do nu, conferindo-lhe uma materialidade e expressividade que se tornam quase excessivas no Barroco, onde a espiritualidade, por vezes, se confunde com emoção física e o corpo ganha voluptuosidade e textura, abrindo caminho ao erotismo.

Olympia Edouard Manet, 1863 Paris, Musée d'Orsay

Olympia
Edouard Manet, 1863
Paris, Musée d’Orsay

A pintura “Olympia”, pintada por Edouard Manet em 1863, foi motivo de escândalo ao ser apresentada no Salon de Paris, em 1865:

Continuar a ler