Museu, um lugar (também) para as crianças

Zoe Williams acha que sim. Hoje, no jornal The Guardian, conta as suas (atribuladas?) idas ao museu com os filhos, sobrinhos e amigos, respondendo, desta forma, ao aviso irritado de Jake Chapman para que os pais deixassem as crianças em casa, acusando-os de “arrogant” por terem a pretensão de que elas poderiam compreender a complexidade da obra de artistas como Jackson Pollock e Mark Rothko. A verdade é que isto me faz lembrar um comentário muito semelhante por parte do conservador de um dos nossos museus (!), desabafando que se dependesse dele só lá entravam adultos. Há uma semana, era Tiffany Jenkins (Vd. Para ir ao museu, todas as razões são boas) quem contestava a presença das crianças nos museus… A questão, portanto, além de pertinente, parece assumir-se como relevante.

Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.

Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

Afinal, levar as crianças ao museu é tempo perdido ou tempo ganho?

Continuar a ler

Para ir ao museu, todas as razões são boas

A propósito de um artigo de Tiffany Jenkins acerca do acesso das crianças aos museus.

F. e a obra Interior (Papillon Gallery Project) de Michael Craig-Martin (1993-2012) Paris, Centre Pompidou Foto: MIR, 2013.

F. e a obra Interior (Papillon Gallery Project) de Michael Craig-Martin (1993-2012)
Paris, Centre Pompidou
Foto: MIR, 2013.

Tiffany Jenkins apresenta-se no blogue homónimo como “cultural sociologist, writer and commentator” onde aborda temas nos domínios da cultura, da arte e do património. É considerada sobretudo pela investigação desenvolvida em torno do sentido simbólico e do uso de restos humanos, cuja análise, que abrange aspetos políticos, sociais e éticos, sintetizou na obra Contesting human remains in museum collections: The crisis of cultural authority, publicada em 2011, pela Routledge, onde acaba de publicar, em julho passado, a Political culture, soft interventions and nation building.

No debate Battle of ideias, promovido pelo Institute of Ideas at the Barbican e que irá decorrer nos próximos dias 18 e 19 de outubro, em Londres, Tiffany Jenkins integra o painel de oradores na sessão “Are museums turning into playgrounds?” (19 de out.). Se falar dos restos humanos expostos no museu, apesar de ser um tema sensível, é relativamente consensual, com uma linha de ação definida já pelo Conselho Internacional dos Museus (ICOM), falar do acesso das crianças ao museu já anuncia uma maior polémica e contestação.

Continuar a ler