O Real Edifício de Mafra: memória da fundação

“Amanheceo o dia 17 de Novembro, determinado para a bênção da pedra, e se vio no terreiro da nova Igreja da parte do Norte, em proporcionada distancia, formada, e curiosamente adornada huma debaixo de huma grande de campanha, para nella se revestir em vestes Pontificaes o Illustrissimo Patriarcha, e se paramentarem os seus Conegos, e Cappellães, quando fosse tempo oportuno.” (Conceição, 1820, p. 101)

Palácio Nacional de Mafra: fachada da igreja Foto: MIR, 2016

Palácio Nacional de Mafra
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

Turistas no Museu

Parecem acabrunhados
Estarrecidos lêem na parede o número dos séculos
O seu olhar fica baço
Com as estátuas – como por engano –
Às vezes se cruzam

(Onde o antigo cismar demorado da viagem?)

Cá fora tiram fotografias muito depressa
Como quem se desobriga daquilo tudo
Caminham em rebanho como animais

(Andresen, 1997, 19)

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto a 6 de novembro de 1919 e morreu em Lisboa a 2 de julho de 2004.

No dia em que se comemora o seu nascimento, a homenagem regista-se aqui através de um poema publicado em O búzio de Cós e outros poemas, publicado pela primeira vez pela Editorial Caminho, em 1997.

sophia_01

Ver mais em: http://purl.pt/19841/1/index.html

O grande galo da arte contemporânea

Em 1974, Arnold Hauser publicou a Sociologia da arte, um trabalho de síntese da investigação académica realizada ao longo de três décadas, onde argumentava acerca da relação direta entre desenvolvimento cultural e as circunstâncias materiais da sociedade, defendendo que a forma e o conteúdo da obra de arte refletem as circunstâncias concretas da sua produção, isto é, é determinada pelos fatores sociais e económicos em que se insere (vd. Hauser, 1988). Segundo esta perspetiva sociológica, a arte é, simultaneamente, determinante na sociedade e determinada por ela. É determinante, uma vez que é questionada, promovida, avaliada, utilizada e fruída por um grupo social, integrando-se na superstrutura ideológica que determina e influencia o gosto vigente. Por outro lado, é determinada pela sociedade, no sentido em que é regulada pelos mecanismos de encomenda, avaliação e remuneração, que promovem determinados produtos em detrimento de outros.

Pop galo Joana Vasconcelos, 2016 Lisboa, Ribeira das Naus Foto: MIR, 2016

Pop galo
Joana Vasconcelos, 2016
Lisboa, Ribeira das Naus
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

Terramotos sobre o património

O sismo que, na manhã de 30 de outubro, atingiu o centro de Itália, sobretudo em Marche e Umbria, mas sentindo-se também nas regiões de Abruzzo e Lazio, atingindo as cidades de Castelsantangelo sul Nera, Núrcia e Preci, com uma magnitude de 6.6 na escala de Ritcher, e as sucessivas réplicas, trouxeram-nos imagens de devastação e um sentimento de perda face aos monumentos caídos por terra. Este foi o mais forte sismo sentido em Itália desde 1980, mas a região já tinha sido violentamente atingida em 24 de agosto por um outro com a magnitude de 6.2, que matou cerca de 300 pessoas, para lá dos imensos danos materiais. Agora, não há notícia de mortos e esta é, definitivamente, uma imensa graça no meio de toda a tragédia. “Buildings are note people” (Jones, 2016, 30 out.), dizia, a propósito, o cronista de The Guardian. E isto deve ser a epígrafe de qualquer comentário acerca do património irremediavelmente perdido, quaisquer que sejam as ações de restauro que venham a acontecer.

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Foto: Corriere della Sera

Continuar a ler

Pão por Deus

No dia de Todos-os-Santos, é costume, grupos de crianças saírem à rua e andarem de porta em porta, a pedir o “Pão por Deus”. O pedido era acompanhado por cantilenas variadas: desde “Ó tia, dá Pão-por-Deus? Se o não tem Dê-lho Deus!” a outras bem mais elaboradas, como “Pão por Deus, Fiel de Deus, Bolinho no saco, Andai com Deus”. E, em resposta, agradecendo a esmola: “Esta casa cheira a broa, Aqui mora gente boa. Esta casa cheira a vinho, Aqui mora algum santinho.” Ou, se lhes fosse negado o pedido: “Esta casa cheira a alho, Aqui mora um espantalho. Esta casa cheira a unto, Aqui mora algum defunto.” Subjacente a todas as cantilenas, há um agradecimento se o pedido for satisfeito com uma oferta e ditos jocosos ou a promessa de travessuras se o pedido for negado.

Bolsa para a recolha do pão de Deus Foto: BurroVille, 2012

Bolsa para a recolha do pão de Deus
Foto: BurroVille, 2012

Continuar a ler

A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei

‘If my art has nothing to do with people’s pain and sorrow, what is ‘art’ for?’ (Ai Weiwei)

Ao longo da semana, assistimos ao desmantelamento da selva de Calais, esse enorme campo onde a crua fragilidade da nossa (des)humanidade era posta a nu: começou com o desmantelamento organizado e oficial das barracas, continuou através do enorme incêndio que as autoridades denunciam como fogo posto e manteve um incessante ritmo de transferência dos refugiados, levados de autocarro para centros de acolhimento dispersos em território francês.

Campo de refugiados em Calais Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Campo de refugiados em Calais
Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Continuar a ler

O museu que vamos deixar de ver

Exposição “Obras em reserva: O museu que não se vê”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 18 maio 2016 – 23 out. 2016

Há um irresistível fascínio na visita às reservas. É a possibilidade de espreitar aquilo a que só alguns têm acesso, o inacessível que escapa à norma do exposto, aquilo que está vedado e se torna, por isso mesmo, mais apetecível à nossa curiosidade e a um inevitável impulso voyeurista. O horizonte onírico de quem se cinge ao espaço definido da cena expositiva, na expetativa do que se encontra em bastidores.

Exposição "O museu que vamos deixar de ver": núcleo 1 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 2
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

MAAT, a montanha e o rato

“Big, general audiences, with less specific traditions of modern and contemporary art and architecture are drawn by big, spectacular art and architecture.”
(Fraser, 2006, p. 156)

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia Lisboa Foto: MIR, 2016

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
Lisboa
Foto: MIR, 2016

A intenção era criar uma nova ligação entre a cidade e o rio. E surgiu um miradouro, amplo e aberto, virado para a foz, mas isolado da cidade. A intenção era criar um novo ponto de referência da arquitetura contemporânea. E surgiu um edifício extenso, ainda inacabado, mas que se inaugurou para coincidir com a Trienal de Lisboa. A intenção era criar um novo museu para a arte contemporânea, arquitetura e tecnologia. E surgiu um espaço museológico à espera de confirmar como museu.

Continuar a ler

Coleção Miró, uma história interminável

Exposição “Joan Miró: materialidade e metamorfose”
Porto, Serralves, 1 out. 2016 – 28 jan. 2017

Uma série de operações duvidosas levou à nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN); a nacionalização do BPN fez transitar um conjunto de 85 obras (pintura, desenho, colagem, escultura e tapeçaria) de Juan Miró, avaliada entre 35 e 54 milhões de euros, para a Caixa Geral de Depósitos; a fim de amortizar as dívidas do BPN, o Governo quis vendê-las em leilão organizado pela Christie’s de Londres, agendado para fevereiro de 2014, estimando um encaixe mínimo de 36 milhões de euros,  contra os pareceres pedidos pela então diretora-geral do Património, Isabel Cordeiro, a David Santos, diretor do Museu do Chiado, e a Pedro Lapa, do Museu Coleção Berard, que se pronunciaram pela permanência das obras em Portugal; defendendo que a venda constituiria uma perda irreparável, o Ministério Público, iniciou uma batalha jurídica contra a Parvalorem e a Parups, sociedades criadas para abater a dívida do BPN, a qual se prolongou, mantendo acesa a discussão pública e levou ao cancelamento do leilão; entretanto, as sociedades conseguiram impugnar o processo de classificação das obras, sob o pretexto de que as obras estavam em Portugal havia menos tempo do que o necessário para que esta fosse obrigatória1; ainda em 2014, o empresário luso-angolano Rui Costa Reis fez chegar uma proposta para adquirir a coleção no valor de 44 milhões de euros e garantia a manutenção das obras na cidade do Porto durante 50 anos, mas a oposição conseguiu travar a transação; com a mudança do Governo, o ministro da Cultura João Soares inverteu as tomadas de posição do seu antecessor, e em julho passado o atual ministro, Luís Filipe Castro Mendes, anunciava a vontade de que a coleção ficasse no Porto, o que foi prontamente acolhido pelo autarca da cidade, Rui Pereira.

Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" Porto, Serralves Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”
Porto, Serralves
Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Continuar a ler

  1. Segundo a Lei de Bases do Património Cultural , art. 68.º,  “salvo acordo do proprietário, é vedada a classificação como de interesse nacional ou de interesse público do bem nos dez anos seguintes à importação ou admissão”. []

As obras da Ajuda: o futuro que sai da ferida

a geometria abre a linha para deixar passar a Imaginação.
O FUTURO sai da FENDA e da FERIDA.
[…]
Porque todo o vazio tem por INIMIGO a Imaginação.
Porque todo o vazio tem o Inimigo.

Tavares, 20121

Em novembro de 2014, foi noticiado que estava em desenvolvimento um projeto para remate da fachada ocidental do Palácio Nacional da Ajuda (PNA), segundo determinação do, então, Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier (vd. Roque, 2014, 22 nov.). As obras incluiriam um espaço museológico destinado à exposição permanente das joias do Tesouro Real, pelo que lhe seria alocado parte da indemnização recebida pelo seguro das joias roubadas na Holanda em 20022. Na altura, não foi divulgado o nome do arquiteto responsável pelo projeto, nem sobre o modelo de adjudicação ou prazo previsto para as obras. No entanto, a notícia foi suficiente para fazer rebentar a polêmica, ente aqueles que defendiam um projeto contemporâneo e os que preferiam uma linha mais arcaica e dê continuidade em relação ao edificado existente.

Lisbonne : vue du palais d´Ajuda Louis Lebreton, c. 1850. Paris: chez Bulla Fr.es; Lisboa: Manuel Costenla. Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal

Lisbonne : vue du palais d´Ajuda
Louis Lebreton, c. 1850.
Paris: chez Bulla Fr.es; Lisboa: Manuel Costenla.
Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal

Continuar a ler

  1. Poema de Gonçalo M. Tavares, citado pelo Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, no discurso que antecedeu a assinatura do protocolo para as obras do Palácio da Ajuda. Tavares, G. M. (2012). Investigações. Novalis. Lisboa: Difel. []
  2. Em 2 de dezembro de 2002, 50 joias das coras holandesa, francesa, britânica e portuguesa, na altura expostas no Museon, em Haia. O caso foi arquivado pelas autoridades holandesas, depois de uma investigação infrutífera, mas antes disso já Portugal havia recebido do seguro uma indemnização de 6,1 milhões de euros, definindo-se, desde logo, como destino de parte dessa verba, a construção de um espaço museológico para a exposição permanente das joias da coroa no PNA, tendo já sido gastos, em 2007, 1,5 milhões na compra da pintura “A deposição de Cristo no túmulo”, de Giovanni Tiepolo, para o Museu Nacional de Arte Antiga. []

Museu, o novo templo

Quase no final do percurso expositivo, senti o telemóvel a vibrar e saí para atender a chamada; fiquei junto à porta, a falar baixinho, sob o olhar atento do vigilante e, quando acabei, ao tentar regressar à sala, fui imediatamente advertida:
“Tem de voltar a entrar. Aqui é a saída!”
Quantos ordens, advertências, avisos a moldar o comportamento adequado ao espaço museológico!

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

A brincar com coisas sérias

“… andamos a brincar ao património”
A. F. Pimentel

A falta de uma política concertada em torno da cultura e do património provoca, inevitavelmente, fraturas na sua gestão. Ao mesmo tempo que se esbatem as fronteiras entre a cultura erudita e a cultura de massas, a indefinição dos conceitos gera igualmente a indeterminação dos fenómenos e a culturalização e patrimonialização de tudo o que deriva da criação humana ou constitui um vestígio, seja do passado, seja de outras realidades ainda não absorvidas pela globalização (e, por vezes, mesmo estas)1

Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

  1. É curioso observar o registo de publicações no grupo de Facebook “Arte, museus e património” e noutros de âmbito idêntico, para perceber o quanto estes conceitos se tornaram abrangentes e imprecisos: se é antigo ou invulgar, é património; se é produto de um pensamento criativo ou de uma habilidade manual, é arte; e tudo isto é cultura. []

Amália: Saudades do Brasil

Exposição “Amália: Saudades do Brasil
Consulado-Geral de Portugal em São Paulo (BR), 6-27 ago. 2016
Cidade das Artes, Rio de Janeiro (BR), 5 nov.-4 dez 2016

“O sal das minhas lágrimas de amor criou o mar
Que existe entre nós dois p’ra nos unir e separar”
Vinicius de Moraes

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

Continuar a ler

A incrível corrida dos Pokémon

Pokémon, contração dos termos japoneses Poketto Monsutā (Monstros de bolso) começou como por ser um videojogo (Poketto Monsutā Aka e Midori, verde e vermelho), criado por Satoshi Tajiri, lançado no mercado em 1996. Pouco depois, passou para as telas de cinema e para os ecrãs de televisão, Os Pokémon são criaturas monstruosas, geralmente baseadas em animais reais ou em criaturas da mitologia oriental, ou em entes inanimados e lendários.

Galeria de tipos Pokémon

Galeria de tipos Pokémon

Continuar a ler