Portugal no Conselho Internacional dos Museus (ICOM)

Na 24.ª Conferência Geral do Conselho Internacional dos Museus ICOM, em Milão, sob o tema “Museums and Cultural Landscapes”, estiveram presentes 3.500 profissionais de museus, em representação de 130 países. A relação entre museus e paisagens culturais (que foi também o tema da Dia Internacional dos Museus 2016) confirma a atualização do ICOM numa perspetiva de abertura à diversidade de culturas e aos contextos plurais em que o museu se insere. As mudanças rápidas e constantes que marcam a contemporaneidade exigem essa renovação contínua, mas também uma reflexão sobre os fenómenos que o ICOM se propõe prosseguir.

Continuar a ler

Luís Raposo, presidente do ICOM Europa

Luís Raposo foi eleito presidente do ICOM Europa, durante a Assembleia Geral do ICOM, em atividade paralela à 24.ª Conferência Trienal Mundial do ICOM, a decorrer em Milão, entre 3 e 9 de julho.

LuisRaposo

Arqueólogo e museólogo, Luís Raposo, ocupou, entre 1996 e janeiro de 2012, o cargo de diretor do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, onde trabalha há mais de três décadas e dirige atualmente o departamento de investigação. Entre 2008 e 2014, foi presidente da Direção do ICOM Portugal e, desde 2010, fazia parte da Direção do ICOM Europa.

Eleito por pares, com 15 votos contra os 5 obtidos por Bernard Blache, do ICOM-França, é gratificante, para a comunidade museológica portuguesa, ver reconhecido o mérito de um dos seus membros. Juntemo-nos a quem o felicita, desejando-lhe o maior sucesso no cumprimento dos propósitos que o conduziram a este cargo.

Fonte da imagem:
http://doc-orlandoribeiro.blogspot.pt/2010_09_01_archive.html

Res publica ou res privata: questões éticas na atividade museológica

A notícia da detenção do diretor de um museu1 suscitou forte agitação entre os pares da comunidade museológica e na sociedade civil. O alvoroço atingirá maiores proporções pelo facto de estarem em causa crimes de tráfico de influência, falsificação de documento, peculato, peculato de uso, participação económica em negócio e abuso de poder, envolvendo um serviço prestado junto a um órgão de soberania e um museu, onde a expetativa de idoneidade é suprema por tudo aquilo que representa, enquanto memória do nosso passado e repositório daquilo que culturalmente nos define.

Res Publica Wolfgang Weileder, 2012 Washington DC, Public Art Festival

Res Publica
Wolfgang Weileder, 2012
Washington DC, Public Art Festival

Continuar a ler

  1. Tive as maiores dúvidas antes de redigir este post, porque o a-muse-arte não é uma plataforma para expor e discutir casos judiciais. No entanto, o que aqui está subjacente são questões de ética e de deontologia profissional no âmbito de prática museológica. Isso decidiu-me: a ética é (deve ser) um assunto primordial e basilar no âmbito da museologia. []

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler

Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso. Continuar a ler

Ver através das mãos que desenham

O Rijksmuseum, sem acusar a pressão do número de visitantes e sem se atrever a tomar para a inibição da procura, tem vindo a manifestar algum incómodo perante o desconforto e cansaço do público em salas superpovoadas. A missão museológica de “dar a ver” as obras exposta fica comprometida face à multidão que passa ao longo do percurso expositivo, em direção a determinadas obras-primas consideradas essenciais. Nesse sentido, propõe um conjunto de visitas temáticas, que diversificam os percursos, também numa tentativa de descongestionar o acesso às obras mais mediáticas. Não obstante, estudos feitos no museu permitiram concluir que os visitantes não se demoram frente às obras expostas (cfr. Aart Van Harten, guia do museu, cit. in Guillermard , 2016, 5 fev.). Por isso mesmo, tem vindo a apresentar formas alternativas de ver para lá do percurso expositivo em que o visitante se move. Destaca-se a app, com um vasto número de informações complementares e largo espetro de ligações, propostas interpretativas, interativas e lúdicas para aquisição e aplicação de conhecimentos. Estratégias que levem o visitante a fixar o olhar, ao invés de passar sem ver.

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)
Amsterdão, 2015

Continuar a ler

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas  c - friso d - estátua da deusa

Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []

Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

Questões relacionadas com a gestão e o financiamento dos museus raramente geram consensos. Antes, suscitam discussões marginais em torno do acesso à cultura e ao património, das políticas de mercantilização, da submissão à pressão do mercado turístico e aos padrões da cultura de massa.

Nourishing the soul The Art Museum of WVU Foto: Raymond Thompson Jr.

Nourishing the soul
The Art Museum of WVU
Foto: Raymond Thompson Jr.

O debate, entre nós, tem sido fragmentado em torno de situações específicas. A propósito do plano estratégico cultural para a zona de Belém, houve uma discussão acesa nas redes sociais em torno do modelo de gestão da Monte da Lua, em Sintra (Vd. A quem pertence o nosso património?). Também a ampliação do Museu do Chiado e a abertura do novo Museu dos Coches suscitaram uma ampla discussão que se estendeu à praça pública. Da mesma forma, se hoje parece não haver dúvidas em relação à eficácia do crowdfunding lançado pelo Museu Nacional de Arte Antiga para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, mas as dúvidas acerca do procedimento foram uma constante ao longo de todo o processo.

Continuar a ler

O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

O episódio foi rápido e conta-se de forma igualmente breve: um indivíduo de 24 anos tentou subir à peanha de suporte à escultura do rei D. Sebastião, na entrada da estação do Rossio, a pedra não aguentou o peso e a estátua caiu desfeita no chão. O indivíduo não sofreu quaisquer lesões, mas quis o acaso que estivessem no local dois agentes da PSP que registaram o ato e identificaram o autor, que irá ser processado pela Infraestruturas de Portugal (IP), a empresa que gere o património da estação e pretende ser ressarcida das despesas relacionadas com o restauro, e provavelmente, pelo Ministério Público dado que o edifício está classificado como património nacional.

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião Foto: Rádio Renascença

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião
Foto: Rádio Renascença

Continuar a ler

Paulo Varela Gomes

Paulo Varela Gomes (Lisboa, 1952 – Podentes, 2016) morreu hoje.

É a notícia de uma partida anunciada num longo e impressionante texto publicado em maio de 2015 na revista Granta, seguramente, o mais belo e comovente texto sobre a dor, a doença e a imanência da morte.

Paulo Varela Gomes Foto: Granta, s/d.

Paulo Varela Gomes
Foto: Granta, s/d.

Paulo Varela Gomes, licenciado em História, mestre em História da Arte e doutorou-se em História da Arquitetura, foi professor associado no Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade de Coimbra e deixou uma vasta investigação nos domínios da história da arte e da arquitetura. Para lá da comunicação interpares, junto à comunidade científica que o prestigia, aclamando-o unanimemente como elemento de mérito, Varela Gomes manteve um registo de divulgação às massas, como autor e apresentador de documentários de televisão, ou como autor de ensaios e artigos em publicações não científicas, descodificava a história da arte em linguagem comum, sem perder o rigor e a qualidade do discurso erudito. Todos nós fomos seus alunos e gostámos do jeito fácil de aprender com ele.

Morreu hoje, mas dá-se a circunstância de estar a ler Hotel (2014), uma leitura que foi sendo sucessivamente adiada, pelo que fica esta sensação de ver partir alguém que, nos últimos dias, tem estado a contar-me uma história amoral e fascinante. Por isso, marco o encontro: até já, na Torre das Infantas.

Fonte da imagem: http://www.tintadachina.pt/granta/author.php?code=0dbcde8750e478c9e5dc0b20ca79dbb4&tcsid=effoqu5kf6ak4sjheikn8t7991

Leonor d’Orey

Leonor d’Orey foi conservadora de Ourivesaria e de Joalharia do Museu Nacional de Arte Antiga e é a principal referência no estudo das pratas, com um inestimável legado de trabalhos científicos e de divulgação neste domínio.

Leonor d'Orey com pendente em cruz da colecção do MNAA / Jóias Encontradas / Cristina Filipe - C.B.Aragão

Leonor d’Orey com pendente em cruz da colecção do MNAA / Jóias Encontradas / Cristina Filipe – C.B.Aragão

Leonor d’Orey é a memória que fica da sua natureza acolhedora e afetuoso, da delicadeza que se tornava calorosa e – quantas vezes! – protetora. É a lição da luta que hoje terminou. É a saudade que fica.

Requiescat in pace.

Fonte da imagem: http://www.pin.pt/index.php/pt/membros-pin/honorarios/338-leonor-dorey

Memórias de um livro: Thesaurus, vocabulário de objetos do culto católico

Rocca, S. V., & Guedes, N. C. (Eds. lit.), Roque, M. I., Guerreiro, D. (2004). Thesaurus: Vocabulário de objetos do culto católico. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa; Fundação da Casa de Bragança. Disponível em https://drive.google.com/file/d/0B7xgTMCrAWKfWVp3bV9GV3o5TkE/view
thesaurus

Continuar a ler

A estratégia da sauna finlandesa

As fronteiras das Humanidades Digitais: Ensaio de geografia política de uma comunidade científica.

Versão portuguesa do texto La stratégie du Sauna finlandais
Por Marin Dacos, 1 jun. 2013
https://bn.hypotheses.org/11138

Tradução:
Dália Guerreiro
UÉ-CIDEHUS
https://bdh.hypotheses.org/
Maria Isabel Roque
Universidade Europeia / UÉ-CIDEHUS
http://amusearte.hypotheses.org/

Resumo

Fala-se de Humanidades Digitais! Mas será que as Humanidades Digitais existem como comunidade unida e coerente? O governo desta comunidade é equilibrado e democrático? Até agora, ainda não tinha havido um estudo acerca desta comunidade, sustentado por um inquérito que abrangesse todos os seus membros, numa perspetiva multilinguística e geográfica. O inquérito “Who are you, Digital Humanists?” – lançado no THATCamp Luxemburgo (2012), e divulgado durante o DH2012, Hambourg – permitiu juntar uma amostra incompleta, ainda que significativa, de 850 indivíduos que aceitaram responder ao nosso questionário. Constatou-se, por um lado, uma grande diversidade linguística e geográfica, tendo havido um grupo de não participantes, por não terem visto o inquérito ou por não lhe terem prestado atenção, e, por outro lado, a exceção do inglês como primeira língua, a par da sua predominância como segunda língua. Revelou-se que as Humanidades Digitais estavam muito marcadas pela História e pelos estudos clássicos, mas muito pouco, realmente muito pouco, ligadas às disciplinas que se interessam pelo mundo contemporâneo, sejam as ciências da Web, ou as relacionadas com a mineração de dados e de textos. Descobriu-se também um evento de grande importância, o encontro Digital Humanities 2012, cujo tema era a diversidade cultural e que foi presidido pela Europa, América do Norte ou, mais precisamente, pelo Reino Unido e as sua ex-colónias (Irlanda, Canadá, Estados Unidos de América, Austrália). Diríamos que a anglofonia voltou a marcar pontos. A fim de medir os progressos da diversidade no âmago do poder da nossa comunidade, este artigo propõe a criação de um indicador, o Digital Humanities Decision Power (DHDP), para calcular a distância entre os grupos de Humanidades Digitais e medir as suas faculdades na peritagem e nos procedimentos de seleção científica. Com base neste indicador, seria necessário um debate coletivo para tornar a nossa comunidade mais aberta à diversidade linguística e geográfica. A isso, nós chamamos a estratégia da Sauna finlandesa.

Dacos_2013_estrategia-da-sauna-finlandesa

Digital Humanities involving people and museums

Kenderdine, S. (2016). Embodiment, entanglement and immersion in digital cultural heritage. In S. Schreibman, Siemens, & Unsworth (Eds.), A new companion to digital humanities (pp. 22-41). Chichester, West Sussex, UK; Malden, MA, USA: John Wiley & Sons.
new-companion-digital-humanities

Continuar a ler