Iconografia dos santos Jacinta e Francisco

Jacinta e Francisco Marto, irmãos, eram dois pequenos pastores na zona de Aljustrel, onde haviam nascido. Francisco, o mais velho, nasceu em 11 de junho de 1908 e Jacinta a 11 de março de 1910. Os dois e a prima Lúcia, mais velha, vivenciaram aparições ou visões místicas, precedidas e seguidas por outros fenómenos extraordinários: as visões preparatórias do anjo, entre 1915 e 1916; as aparições da Virgem, entre 13 de maio e 13 de outubro de 1917. Os dois irmãos morreram vítimas da gripe pneumónica: Francisco, com 10 anos, a 4 de abril de 1919, em Ourém; Jacinta, com 9 anos, a 20 de fevereiro de 1920, no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa. Encontram-se sepultados na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Foram beatificados a 13 de maio de 2000 e santificados a 13 de maio de 2017, altura em que se comemora o centenário das aparições.

Francisco e Jacinta Marto
Aljustrel, outubro de 1917

Continuar a ler

Imagens de maternidade

As mais antigas representações da figura humana são as chamadas Vénus paleolíticas, provavelmente associadas a rituais de fertilidade, com um exagerado arredondamento das formas, com os seios, o ventre e a anca muito volumosos e a vulva saliente que André Leroi-Gouhran (1968, p. 90) apresentava num esquema circular inserido na configuração losangular do corpo, numa óbvia referência à progressiva transformação do corpo para a maternidade (Alvarez González, 2010, p. 8).

Vénus, dita de Kostenki
C. 23.000-21.000 a.C.
S. Petersburgo, Museu Hermitage

No advento da história, a arte egípcia associa a representação da maternidade e da fertilidade à figura de Ísis a amamentar o filho Hórus. A crescente popularidade da deusa no Último Período (712-332 a.C.) motivou a proliferação de estatuetas de Ísis antropomórfica, com os cornos recuperados de Hathor, e em lactans pose, isto é, no ato de amamentação, com o duplo sentido de protetora e transmissora da vida, tornando-se um poderoso símbolo do renascimento na época ptolomaica, onde surge “faite de sensibilité et mue l’hiératique épouse d’Osiris en une deéesse pleine de feminité” (Malaise, 2000, p. 1), denunciando a influência da arte helenística.

Esta iconografia da mãe a amamentar o filho foi, posteriormente, assimilada pela arte da antiguidade clássica, nomeadamente, nos ex-votos oferecidos às divindades Kourotrophos (Atena, Deméter, Afrodite, Artemisa, entre outras), protetoras da infância e da fertilidade, representando a própria deusa, sendo particularmente frequentes as figuras de Deméter com Perséfone ou de Afrodite com Eros. As afinidades entre a courotrofia e a maternidade, de resto, encontram-se já patentes nos hinos homéricos, onde a função biológica da mãe-nutridora se associa ao poder de mediadora e protetora na passagem da infância à idade adulta (Dalmon. 2015).

Mulher sentada a amamentar (kourotrophos)
Myrina, Aeolis, período romano imperial, c. 20-70
Boston, Museum of Fine Arts

Numa provável transferência da arte romana, a representação da Virgem com o Menino surgiu nas catacumbas nos temas iconográficos da Anunciação e da Epifania, enquanto na arte bizantina prevalece a representação da Theotokos (Mãe de Deus, ou a portadora de Deus). Nos primeiros tempos do cristianismo, “the representation of Mary in Egypt benefited from the prevalence and familiarity of this mother-goddess [Isis] with the powerful attributes of physical prowess and lifegiving energy” (Rubin, 2010, p. 42).

A representação da Virgem com o Menino em posição hierática, sentada sobre o trono, com o Menino ao colo foi adotada pela arte otaniana no contexto da propaganda dos atributos simbólicos do poder real, ao mesmo tempo que assimila o sentido bíblico e salomónico de Trono da Sabedoria (Roque, 2010). Porém, nestas representações, a alusão à maternidade era surgia como marginal ao tema da realeza.

Virgem e o Menino
Seguidor de Hans Memling, c. 1487
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Foi apenas no contexto da religiosidade renovada pelas mudanças políticas, culturais e sociais entre os séculos XI e XII, e do desenvolvimento do culto mariano, fundamentado pelo discurso teológico de São Bernardo e, depois, pelas pregações das ordens mendicantes incindindo na imagem humana e maternal da Virgem que surgiram os primeiros modelos da maternidade afetuosa, patentes nas Virgens do Leite e da Ternura e que irão determinar a representação da maternidade na arte ocidental.

Referências bibliográficas:
Alvarez González, M. (2010). The art of motherhood. Los Angeles: J. Paul Getty Museum.
Dalmon, S. (2015). Les Nymphes entre maternité et courotrophie dans les Hymnes homériques. Cahiers «Mondes anciens», (6). DOI : 10.4000/mondesanciens.1471
Leroi-Gourhan, A. (1968). The art of prehistoric man in Western Europe. London: Thames.
Malaise, M. (2000). Le problème de l’hellénisation d’Isis. In L. Bricault (Ed.), De Memphis à Rome: Actes du Ier Colloque International sur les Études Isiaques, Poitiers, Futuroscope, 8-10 avril 1999 (pp. 1-19). Leiden: Brill.
Roque, M.I. (2010). Obras de arte na UCP: Nossa Senhora da Sabedoria (Virgem da Sapiência). Lumen Veritatis: Boletim da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, 16(1), 12. Acedido em https://www.academia.edu/4060773/Obras_de_arte_na_UCP_Nossa_Senhora_da_Sabedoria_Virgem_da_Sapi%C3%AAncia_

O espelho da memória, entre objetos de uma exposição

A veces en las tardes una cara
nos mira desde el fondo de un espejo;
el arte debe ser como ese espejo
que nos revela nuestra propia cara.
Jorge Luis Borges, Arte poética

Há objetos que nos interpelam e nos agarram. Entre as coisas que, de melhor, acontece a quem trabalha em exposições ou a quem estuda história de arte, é a descoberta do universo que rodeia alguns objetos, o tempo que lhes dedicamos e o sentimento de pertença que lhes associamos. É desta forma que se constroem relações, se estreitam os laços, seja com pessoas, seja com lugares, seja com objetos.

Depois de passar tempo a observar, a procurar compreender, a conhecer, os objetos fazem parte da nossa vida. Qualquer reencontro é um reencontro entre amigos entre o desabrochar de memórias. Há museu e igrejas onde entro para rever objetos que passaram pela minha vida. Não vou a Roma, sem ir ao Vaticano ver o Paraíso Terrestre de Peter Wenzel. Nem é uma obra extraordinária, mas descobri-a ao virar de um corredor no museu, escolhemo-la para abrir uma exposição, passei por ela todos os dias ao longo de meses. E, por isso, não resisti a um inexplicável sentimento de pura vaidade quando descobri, na loja do museu, as reproduções em sacos, carteiras, marcadores, como se finalmente estivessem a dar valor a algo que me era próximo. Quando fui a Maputo, invadi, literalmente, um local privado até encontrar duas peças, como se não fosse possível ir tão longe sem visitar velhos amigos. Ou como, quando fui a Macau, perdi um tempo precioso a olhar para objetos dos quais conhecia cada detalhe apesar dos longos anos de separação.

Cristo crucificado
Índia, Guzarate, século XVII (1.ª metade)
Lisboa e Vaticano, Exposição “Encontro de culturas” Fotografia: Mário Soares, 1994

Continuar a ler

O que diz uma rua acerca de Lisboa renascentista

Exposição “A cidade global: Lisboa no Renascimento
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 24 fev. – 9 abr. 2017

A exposição baseia-se na obra homónima, The global city: On the streets of Renaissance Lisbon, editada por Annemarie Jordan Gschwend e K.J.P. Lowe, em 2016. A obra recebeu o prémio Almirante Teixeira da Mota, atribuído pela Academia Naval de Lisboa. Entre outros elogios da crítica, Theodore K. Rabb, afirmou no Times Literary Supplement:

What may be the most remaskable about this book is the high standard of interdisciplinary scholarship that it maintains. […] This is modern historical inquiry at its best: clear, precise, forthcoming about problems of evidence, and relentlessly focused on its central questions; what does this street tell us about Lisbon, and what does the movement of goods and people was essential to Portuguese Empire tell us about the world Lisbon shaped? (Rabb, 2016, 10 feb.)

A ideia de transformar esta obra numa representação museográfica da Lisboa quinhentista tornou-se realidade no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

A polémica das vistas da Rua Nova

No entanto, a exposição transformou-se em muito mais e do aquilo que era para ser.

Primeiro, porque a inauguração foi sendo sucessivamente atrasada, obrigando a reduzir o prazo de abertura dos quatro meses inicialmente previstos, para cerca de mês e meio, devido aos compromissos com os museus ou colecionadores particulares que cederam cerca de 250 peças. Atendendo a que os custos com empréstimos, seguros, montagem e desmontagem, transporte, se mantêm praticamente inalterados, seria previsível que o investimento tivesse fraco retorno.

Segundo e sobretudo, porque a exposição foi antecedida de acesa polémica entre investigadores, como há muito tempo não víamos, ultrapassando os corredores da academia, para ganhar o campo fértil dos jornais e, de imediato, das redes sociais. Como não há má publicidade, a curiosidade que atingiu o grande público agiu como propaganda eficaz e a exposição tem tido uma inusitada afluência de público, com frequentes filas de espera e o espaço expositivo frequentemente superlotado. Ou seja, esta polémica atenuou os efeitos do atraso e a elevada afluência de público significa receitas de bilheteira e o retorno financeiro que se julgava comprometido.

Vista da Rua Nova dos Mercadores: Rua Nova dos Ferros com a esquina do Largo do Pelourinho Velho
Autor flamengo desconhecido, 1570-1619
Óleo sobre tela
Londres, col. Kelmscott Manor, Society of Antiquaries of London
Imagem: Society of Antiquaries of London

Continuar a ler

Novas vias da peregrinação: turismo, turismo cultural e turismo religioso

Turismo religioso é, em certa medida, um conceito contraditório: enquanto “turismo” se refere a uma atividade de lazer, superficial e consumista, a qualidade de “religioso” implica uma atitude de fé, profunda e comprometida com a espiritualidade do lugar. Ainda que assumindo que o sagrado e o profano constituem categoriais opostas, que mutuamente se excluem, a sua coexistência parece inevitável em fenómenos como este.

Santuário de Fátima
Foto: O Mirante, 2016

Continuar a ler

Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno

Num texto intitulado “Le problème des musées”1, o poeta Paul Valéry (1871-1945) exprime a melancolia sentida durante a visita às galerias do Museu do Louvre, declarando, à partida: “Je n’aime pas trop les musées. Il y en a beaucoup d’admirables, il n’en est point de délicieux” (p. 2). Compara, ainda, essas galerias, ou “ces solitudes cirées “ (p. 2), às igrejas e aos cemitérios, criando uma analogia entre o museu e o espaço sagrado do templo, num conceito retomado posteriormente para falar do comportamento dos visitantes (Duncan, 1995; Roque, 1990, 2016). Valéry descreve um espaço desconexo e intimador, onde a realidade (as obras de arte) se apresenta fora do contexto do tempo e do espaço e o visitante é obrigado a falar baixo, a manter uma atitude reservada e afastada das obras, apresentada de forma demasiado densa. O ambiente artificial, constrangedor, cansativo e exaustivo do museu influencia negativamente a forma como o visitante aprecia a obra de arte. A grande quantidade de obras expostas, demasiado próximas umas das outras, dificulta a fruição individual de cada uma, o que determina a superficialidade – “Nous devenons superficiels.” (Valéry, 1923, p. 7) – da relação entre o observador e a obra.

Continuar a ler

  1. O texto de Paul Valéry foi publicado em Le Gaulois, a 4 de abril de 1923, e foi posteriormente incluído na antologia Œuvres (t. 2, pp. 1290-1293): Pièces sur l’art, editada por Jean Hytier e publicada em 1960, pela Gallimard, a partir da qual foi feita a versão digital que utilizamos. Existe uma versão em português: Valéry, P. (2008). O problema dos museus. Ars, 6(12), 31-24. []

Olhares sobre Almada Negreiros, o “ser moderno” em exposição na Gulbenkian

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (MCG), 3 fev. – 5 jun. 2017

“Reparem bem nos meus olhos, não são meus, são os olhos do nosso século! Os olhos que furam para detrás de tudo.”
Almada Negreiros (1921). A Invenção do Dia Claro

Foi anunciada uma “exposição antológica mostra a obra de um artista que catalisa a vanguarda nos anos 1910 e atravessa todo o século XX” (Museu Calouste Gulbenkian, 2017). Foi prevista como uma das grandes exposições do ano e o afluxo de público nas primeiras semanas parecem confirmá-lo. Adivinhava-se, portanto, um prolongado e aprofundado olhar sobre a obra de Almada Negreiros (1893-1970), nas suas múltiplas linguagens e expressões, estendendo-se pela pintura, desenho, teatro, pintura mural, ilustração e artes gráficas, mas também pela dança, teatro, ou pelo romance, contos, conferências, ensaios, poesia… Esperava-se, também, que mostrasse, interpretasse e relacionasse a obra de um “autor profuso e diversificado”, com “uma conceção heteróclita do artista moderno” (Id., ibid.), reavaliando as suas conexões no contexto dos modernismos e das suas expressões híbridas e complexas.

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

MoMA: um novo discurso museológico em resposta a Trump

Lembro que, há umas décadas (quando tirei o curso de Museologia), o postulado maior era que o museu devia ser isento, sem esclarecer as dúvidas daí decorrentes acerca do que isso significaria. O que é um museu isento? Ou, em sentido mais lato, o que é discurso isento?

Visitantes junto à obra do pintor iraniano Charles Hossein Zenderoudi, em exposição no Museum of Modern Art (MoMA, Nova Iorque
Foto: Angela Weiss / Getty Images | Univision

Continuar a ler

O mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial

Brandão, I. F. (2016, 23 Nov.). ‘What’s in Lisbon?’: Portuguese sources in Nazi-era provenance research. Journal of Contemporary History (Ahead of print), 1-22. DOI: 10.1177/0022009416658699

Inês Fialho Brandão, licenciada em História e História da Arte (University of Edinburgh, 2000) e mestre em Estudos do Próximo Oriente, especialização em Estudos de Museu (New York University, 2002), prepara o doutoramento em História (National University of Ireland) com tese sobre o mercado português da arte entre 1933 e 1945, sob a orientação de Filipe Ribeiro de Meneses e com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia a (2012–15). Com experiência profissional no âmbito da museologia, é, atualmente, a responsável pelo Farol-Museu de Santa Marta, tutelado pela Câmara Municipal de Cascais.

O presente artigo, que se integra no âmbito mais alargado da investigação em curso para o doutoramento, propõe-se analisar os contextos do mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial e compreender a falta de envolvimento da comunidade académica e dos profissionais (e investigadores) dos museus no estudo da proveniência das obras de arte que ingressaram nas respetivas coleções entre 1933 e 1945. Nesse sentido, propõe-se identificar as fontes com informação acerca das atividades de compradores e vendedores de obras de arte em Portugal durante este período, a fim de estabelecer até que ponto o país, durante a Segunda Guerra Mundial, integrava as redes de transação internacionais e constituía uma plataforma de circulação da arte para outros destinos. A confirmar estas hipóteses, na segunda parte do artigo, estuda o caso de Karl Buchholz, com atividade registada em Portugal entre 1943-5, e que fazia parte do grupo restrito de negociantes alemães autorizados pelo Terceiro Reich a negociar a denominada “arte degenerada”.

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis. Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943 Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis.
Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Continuar a ler

Património recuperado para o turismo

A notícia de que o Estado irá concessionar 30 imóveis com valor patrimonial veio desencadear novo debate público acerca do destino de edifícios históricos e da difícil articulação entre a preservação e a utilização dos locais para funções extrínsecas ao uso primacial. Há uma linha subtil e frágil a separar a autenticidade do património, cujo valor é intangível, e a sua exploração turística e comercial, cuja expressão material se concretiza através do lucro financeiro do projeto.

Projeto Revive: mapa de imóveis

Projeto Revive: mapa de imóveis

Os 30 edifícios escolhidos no âmbito do Projeto Revive – Reabilitação, Património e Turismo são maioritariamente edifícios comunitários, como mosteiros, conventos ou quartéis, o que os habilita a uma futura ocupação hoteleira. Todos perderam a sua função inicial e a difícil manutenção, sem um objetivo concreto de uso, votou-os ao abandono e, alguns, à ruína. A autenticidade do lugar está definitivamente truncada pelo facto de, a priori, ter perdido aquilo que Umberto Eco (1985) designa por função-signo. Nenhum destes edifícios voltará a assumir as funções para as quais foram pensados e nos moldes em que foram projetados.

Continuar a ler

Tradições de Natal

O início do inverno é tempo de exaltação e de festa em ação de graças pela luz revigoradora que sucede às trevas, quando, após o solstício, os dias se tornam cada vez maiores. As festas associadas ao Natal têm início no dia de Santo André e incluem os dias de São Nicolau e de Santa Lúcia, respetivamente, a 6 e a 13 de dezembro.

Many Happy Returns of the Day William Powell Frith (1819-1909), 1856 North Yorkshire, Harrogate Museums and Art Gallery

Many happy returns of the day
William Powell Frith (1819-1909), 1856
North Yorkshire, Harrogate Museums and Art Gallery

Continuar a ler

Imaculada Conceição: dogma e imagem

Na religião católica, o pecado original, cometido por Adão e Eva ao provar o fruto proibido, desobedecendo à explícita ordem divina, condenou a humanidade ao sofrimento, à vergonha, à incompletude e à culpa. A humanidade ficou individualmente marcada pelo pecado original, inerente à sua conceção, anulado pelo sacramento do batismo. O dogma do catolicismo abre uma exceção à mãe de Cristo, atribuindo-lhe uma imaculada conceição. A Virgem Maria foi preservada do pecado original no momento da conceção. Ela é a “cheia de graça”. Esta condição excecional acompanhou toda a sua existência e perdurou mesmo após a conceção espiritual, pelo Espírito Santo e veiculada pelo Verbo, e o nascimento de Cristo.

Imaculada Conceição Mateo Cerezo, c. 1660 Madrid, Museo del Prado

Imaculada Conceição
Mateo Cerezo, c. 1660
Madrid, Museo del Prado

Continuar a ler

Os desenhos de Van Gogh: verdade, mentira e “pós-verdade” no mundo da arte

“Post-truth” (qualquer coisa como pós-verdade, ou depois da arte) é a palavra do ano, segundo o Oxford Dictionaries (s.d.), esclarecendo que, embora tenha surgido na última década, ganhou grande pertinência no contexto do Brexit e das eleições presidenciais nos Estados Unidos. Vale o que vale, mas não deixa de ser significativo que a sua utilização tenha registado um aumento de cerca de 2000% em relação ao último anterior. O dicionário classifica o termo como adjetivo, “relating to or denoting circumstances in which objective facts are less influential in shaping public opinion than appeals to emotion and personal belief” (id.). É uma forma de dizer as coisas; mas parece ser, sobretudo, a desculpabilização e viabilização da mentira, quando não da sua promoção. Ou a indiferença perante a manipulação intencional, a informação forjada. Ou a incapacidade em distinguir o verdadeiro do falso e o desprendimento com que aceitamos esta realidade. Há poucos dias, Jonathan Jones retomava o conceito, aplicando-o ao domínio da arte, ao interrogar “does anyone care in a post-truth art world?” (Jones, 2016, 16 nov.), a propósito da recente polémica em torno dos desenhos de Van Gogh.

Auto-retrato (?) com chapéu de palha Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888 Foto: Édition du Seuil

Auto-retrato (?) com chapéu de palha
Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888
Foto: Édition du Seuil

Continuar a ler

Elefante de Bernini vandalizado

É “apenas” mais uma notícia de vandalismo: alguém vandalizou o elefante obeliscoforo da escultura de Bernini instalada na pequena Piazza della Minerva, junto ao Panteão, em Roma. O ato de vandalismo, aparentemente, não teve testemunhas, e foi denunciado às autoridades por um grupo de turistas espanhóis que encontraram o fragmento quebrado, a presa esquerda do animal, no chão, ao lado da estátua, a qual foi igualmente riscada. Se a presa truncada poderia ter sido acidentalmente provocada por um ato tresloucado, os riscos que cobrem a escultura denunciam a sua intencionalidade destruidora.

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Continuar a ler