Quando o rato não vai à montanha, vai a arte ao Colombo

Exposição “A arte chegou ao Colombo: O mundo fantástico de Paula Rego”
Lisboa, Centro Comercial Colimbo, 27 jun. – 27 set. 2017

“O mundo fantástico de Paula Rêgo” é o título da exposição temporária no átrio principal do Centro Comercial Colombo, em Lisboa. É uma estrutura efémera, feita em blocos de esferovite, ou poliestireno expandido (EPS), branco e linear, em três alas convergentes, com as entradas alinhadas ao eixo dos corredores do centro. No exterior, a superfície, com uma textura em harmónio, é rasgada pela inscrição do nome da artista. A exposição avizinha-se e adivinha-se, para lá do fosso imaginário, substanciado pela estrutura que, sendo simples, é nítida na marcação e na separação, fluída, entre o espaço comercial e o espaço museológico.

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler

Museu parcialmente encerrado: um aviso

“[…] conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta”
Luís de Camões

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é isso mesmo: o museu da nossa identidade artística, um repositório da arte que se fez em Portugal, da que a influenciou ou por ela foi influenciada. É uma das nossas referências culturais, o lugar aonde nos habituámos a ir e é também o lugar aonde vai quem nos visita tornando-se uma das referências da viagem.

Há alguns anos que temos vindo a registar-se uma nova dinâmica: a reabertura do Piso 3, com um novo discurso e uma estratégia de comunicação também renovada; exposições temporárias que consolidam a aposta na internacionalização; algumas incursões noutros domínios, propondo conexões que vitalizam o espólio exposto; campanhas de dinamização com grande impacto junto do público. O MNAA parece renovar-se na crescente abertura aos públicos e na forma como os alicia e, também, na forma como comunica e informa.

Público no piso 3
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler