O espelho da memória, entre objetos de uma exposição

A veces en las tardes una cara
nos mira desde el fondo de un espejo;
el arte debe ser como ese espejo
que nos revela nuestra propia cara.
Jorge Luis Borges, Arte poética

Há objetos que nos interpelam e nos agarram. Entre as coisas que, de melhor, acontece a quem trabalha em exposições ou a quem estuda história de arte, é a descoberta do universo que rodeia alguns objetos, o tempo que lhes dedicamos e o sentimento de pertença que lhes associamos. É desta forma que se constroem relações, se estreitam os laços, seja com pessoas, seja com lugares, seja com objetos.

Depois de passar tempo a observar, a procurar compreender, a conhecer, os objetos fazem parte da nossa vida. Qualquer reencontro é um reencontro entre amigos entre o desabrochar de memórias. Há museu e igrejas onde entro para rever objetos que passaram pela minha vida. Não vou a Roma, sem ir ao Vaticano ver o Paraíso Terrestre de Peter Wenzel. Nem é uma obra extraordinária, mas descobri-a ao virar de um corredor no museu, escolhemo-la para abrir uma exposição, passei por ela todos os dias ao longo de meses. E, por isso, não resisti a um inexplicável sentimento de pura vaidade quando descobri, na loja do museu, as reproduções em sacos, carteiras, marcadores, como se finalmente estivessem a dar valor a algo que me era próximo. Quando fui a Maputo, invadi, literalmente, um local privado até encontrar duas peças, como se não fosse possível ir tão longe sem visitar velhos amigos. Ou como, quando fui a Macau, perdi um tempo precioso a olhar para objetos dos quais conhecia cada detalhe apesar dos longos anos de separação.

Cristo crucificado
Índia, Guzarate, século XVII (1.ª metade)
Lisboa e Vaticano, Exposição “Encontro de culturas” Fotografia: Mário Soares, 1994

Continuar a ler

O que diz uma rua acerca de Lisboa renascentista

Exposição “A cidade global: Lisboa no Renascimento
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 24 fev. – 9 abr. 2017

A exposição baseia-se na obra homónima, The global city: On the streets of Renaissance Lisbon, editada por Annemarie Jordan Gschwend e K.J.P. Lowe, em 2016. A obra recebeu o prémio Almirante Teixeira da Mota, atribuído pela Academia Naval de Lisboa. Entre outros elogios da crítica, Theodore K. Rabb, afirmou no Times Literary Supplement:

What may be the most remaskable about this book is the high standard of interdisciplinary scholarship that it maintains. […] This is modern historical inquiry at its best: clear, precise, forthcoming about problems of evidence, and relentlessly focused on its central questions; what does this street tell us about Lisbon, and what does the movement of goods and people was essential to Portuguese Empire tell us about the world Lisbon shaped? (Rabb, 2016, 10 feb.)

A ideia de transformar esta obra numa representação museográfica da Lisboa quinhentista tornou-se realidade no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

A polémica das vistas da Rua Nova

No entanto, a exposição transformou-se em muito mais e do aquilo que era para ser.

Primeiro, porque a inauguração foi sendo sucessivamente atrasada, obrigando a reduzir o prazo de abertura dos quatro meses inicialmente previstos, para cerca de mês e meio, devido aos compromissos com os museus ou colecionadores particulares que cederam cerca de 250 peças. Atendendo a que os custos com empréstimos, seguros, montagem e desmontagem, transporte, se mantêm praticamente inalterados, seria previsível que o investimento tivesse fraco retorno.

Segundo e sobretudo, porque a exposição foi antecedida de acesa polémica entre investigadores, como há muito tempo não víamos, ultrapassando os corredores da academia, para ganhar o campo fértil dos jornais e, de imediato, das redes sociais. Como não há má publicidade, a curiosidade que atingiu o grande público agiu como propaganda eficaz e a exposição tem tido uma inusitada afluência de público, com frequentes filas de espera e o espaço expositivo frequentemente superlotado. Ou seja, esta polémica atenuou os efeitos do atraso e a elevada afluência de público significa receitas de bilheteira e o retorno financeiro que se julgava comprometido.

Vista da Rua Nova dos Mercadores: Rua Nova dos Ferros com a esquina do Largo do Pelourinho Velho
Autor flamengo desconhecido, 1570-1619
Óleo sobre tela
Londres, col. Kelmscott Manor, Society of Antiquaries of London
Imagem: Society of Antiquaries of London

Continuar a ler