O mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial

Brandão, I. F. (2016, 23 Nov.). ‘What’s in Lisbon?’: Portuguese sources in Nazi-era provenance research. Journal of Contemporary History (Ahead of print), 1-22. DOI: 10.1177/0022009416658699

Inês Fialho Brandão, licenciada em História e História da Arte (University of Edinburgh, 2000) e mestre em Estudos do Próximo Oriente, especialização em Estudos de Museu (New York University, 2002), prepara o doutoramento em História (National University of Ireland) com tese sobre o mercado português da arte entre 1933 e 1945, sob a orientação de Filipe Ribeiro de Meneses e com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia a (2012–15). Com experiência profissional no âmbito da museologia, é, atualmente, a responsável pelo Farol-Museu de Santa Marta, tutelado pela Câmara Municipal de Cascais.

O presente artigo, que se integra no âmbito mais alargado da investigação em curso para o doutoramento, propõe-se analisar os contextos do mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial e compreender a falta de envolvimento da comunidade académica e dos profissionais (e investigadores) dos museus no estudo da proveniência das obras de arte que ingressaram nas respetivas coleções entre 1933 e 1945. Nesse sentido, propõe-se identificar as fontes com informação acerca das atividades de compradores e vendedores de obras de arte em Portugal durante este período, a fim de estabelecer até que ponto o país, durante a Segunda Guerra Mundial, integrava as redes de transação internacionais e constituía uma plataforma de circulação da arte para outros destinos. A confirmar estas hipóteses, na segunda parte do artigo, estuda o caso de Karl Buchholz, com atividade registada em Portugal entre 1943-5, e que fazia parte do grupo restrito de negociantes alemães autorizados pelo Terceiro Reich a negociar a denominada “arte degenerada”.

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis. Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943 Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis.
Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Continuar a ler

Património recuperado para o turismo

A notícia de que o Estado irá concessionar 30 imóveis com valor patrimonial veio desencadear novo debate público acerca do destino de edifícios históricos e da difícil articulação entre a preservação e a utilização dos locais para funções extrínsecas ao uso primacial. Há uma linha subtil e frágil a separar a autenticidade do património, cujo valor é intangível, e a sua exploração turística e comercial, cuja expressão material se concretiza através do lucro financeiro do projeto.

Projeto Revive: mapa de imóveis

Projeto Revive: mapa de imóveis

Os 30 edifícios escolhidos no âmbito do Projeto Revive – Reabilitação, Património e Turismo são maioritariamente edifícios comunitários, como mosteiros, conventos ou quartéis, o que os habilita a uma futura ocupação hoteleira. Todos perderam a sua função inicial e a difícil manutenção, sem um objetivo concreto de uso, votou-os ao abandono e, alguns, à ruína. A autenticidade do lugar está definitivamente truncada pelo facto de, a priori, ter perdido aquilo que Umberto Eco (1985) designa por função-signo. Nenhum destes edifícios voltará a assumir as funções para as quais foram pensados e nos moldes em que foram projetados.

Continuar a ler