Os desenhos de Van Gogh: verdade, mentira e “pós-verdade” no mundo da arte

“Post-truth” (qualquer coisa como pós-verdade, ou depois da arte) é a palavra do ano, segundo o Oxford Dictionaries (s.d.), esclarecendo que, embora tenha surgido na última década, ganhou grande pertinência no contexto do Brexit e das eleições presidenciais nos Estados Unidos. Vale o que vale, mas não deixa de ser significativo que a sua utilização tenha registado um aumento de cerca de 2000% em relação ao último anterior. O dicionário classifica o termo como adjetivo, “relating to or denoting circumstances in which objective facts are less influential in shaping public opinion than appeals to emotion and personal belief” (id.). É uma forma de dizer as coisas; mas parece ser, sobretudo, a desculpabilização e viabilização da mentira, quando não da sua promoção. Ou a indiferença perante a manipulação intencional, a informação forjada. Ou a incapacidade em distinguir o verdadeiro do falso e o desprendimento com que aceitamos esta realidade. Há poucos dias, Jonathan Jones retomava o conceito, aplicando-o ao domínio da arte, ao interrogar “does anyone care in a post-truth art world?” (Jones, 2016, 16 nov.), a propósito da recente polémica em torno dos desenhos de Van Gogh.

Auto-retrato (?) com chapéu de palha Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888 Foto: Édition du Seuil

Auto-retrato (?) com chapéu de palha
Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888
Foto: Édition du Seuil

Continuar a ler

Elefante de Bernini vandalizado

É “apenas” mais uma notícia de vandalismo: alguém vandalizou o elefante obeliscoforo da escultura de Bernini instalada na pequena Piazza della Minerva, junto ao Panteão, em Roma. O ato de vandalismo, aparentemente, não teve testemunhas, e foi denunciado às autoridades por um grupo de turistas espanhóis que encontraram o fragmento quebrado, a presa esquerda do animal, no chão, ao lado da estátua, a qual foi igualmente riscada. Se a presa truncada poderia ter sido acidentalmente provocada por um ato tresloucado, os riscos que cobrem a escultura denunciam a sua intencionalidade destruidora.

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Continuar a ler

O Real Edifício de Mafra: memória da fundação

“Amanheceo o dia 17 de Novembro, determinado para a bênção da pedra, e se vio no terreiro da nova Igreja da parte do Norte, em proporcionada distancia, formada, e curiosamente adornada huma debaixo de huma grande de campanha, para nella se revestir em vestes Pontificaes o Illustrissimo Patriarcha, e se paramentarem os seus Conegos, e Cappellães, quando fosse tempo oportuno.” (Conceição, 1820, p. 101)

Palácio Nacional de Mafra: fachada da igreja Foto: MIR, 2016

Palácio Nacional de Mafra
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

Turistas no Museu

Parecem acabrunhados
Estarrecidos lêem na parede o número dos séculos
O seu olhar fica baço
Com as estátuas – como por engano –
Às vezes se cruzam

(Onde o antigo cismar demorado da viagem?)

Cá fora tiram fotografias muito depressa
Como quem se desobriga daquilo tudo
Caminham em rebanho como animais

(Andresen, 1997, 19)

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto a 6 de novembro de 1919 e morreu em Lisboa a 2 de julho de 2004.

No dia em que se comemora o seu nascimento, a homenagem regista-se aqui através de um poema publicado em O búzio de Cós e outros poemas, publicado pela primeira vez pela Editorial Caminho, em 1997.

sophia_01

Ver mais em: http://purl.pt/19841/1/index.html

O grande galo da arte contemporânea

Em 1974, Arnold Hauser publicou a Sociologia da arte, um trabalho de síntese da investigação académica realizada ao longo de três décadas, onde argumentava acerca da relação direta entre desenvolvimento cultural e as circunstâncias materiais da sociedade, defendendo que a forma e o conteúdo da obra de arte refletem as circunstâncias concretas da sua produção, isto é, é determinada pelos fatores sociais e económicos em que se insere (vd. Hauser, 1988). Segundo esta perspetiva sociológica, a arte é, simultaneamente, determinante na sociedade e determinada por ela. É determinante, uma vez que é questionada, promovida, avaliada, utilizada e fruída por um grupo social, integrando-se na superstrutura ideológica que determina e influencia o gosto vigente. Por outro lado, é determinada pela sociedade, no sentido em que é regulada pelos mecanismos de encomenda, avaliação e remuneração, que promovem determinados produtos em detrimento de outros.

Pop galo Joana Vasconcelos, 2016 Lisboa, Ribeira das Naus Foto: MIR, 2016

Pop galo
Joana Vasconcelos, 2016
Lisboa, Ribeira das Naus
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

Terramotos sobre o património

O sismo que, na manhã de 30 de outubro, atingiu o centro de Itália, sobretudo em Marche e Umbria, mas sentindo-se também nas regiões de Abruzzo e Lazio, atingindo as cidades de Castelsantangelo sul Nera, Núrcia e Preci, com uma magnitude de 6.6 na escala de Ritcher, e as sucessivas réplicas, trouxeram-nos imagens de devastação e um sentimento de perda face aos monumentos caídos por terra. Este foi o mais forte sismo sentido em Itália desde 1980, mas a região já tinha sido violentamente atingida em 24 de agosto por um outro com a magnitude de 6.2, que matou cerca de 300 pessoas, para lá dos imensos danos materiais. Agora, não há notícia de mortos e esta é, definitivamente, uma imensa graça no meio de toda a tragédia. “Buildings are note people” (Jones, 2016, 30 out.), dizia, a propósito, o cronista de The Guardian. E isto deve ser a epígrafe de qualquer comentário acerca do património irremediavelmente perdido, quaisquer que sejam as ações de restauro que venham a acontecer.

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Foto: Corriere della Sera

Continuar a ler

Pão por Deus

No dia de Todos-os-Santos, é costume grupos de crianças saírem à rua e andarem de porta em porta a pedir o “Pão por Deus”. O pedido era acompanhado por cantilenas variadas: desde “Ó tia, dá Pão-por-Deus? Se o não tem Dê-lho Deus!” a outras bem mais elaboradas, como “Pão por Deus, Fiel de Deus, Bolinho no saco, Andai com Deus”. E, em resposta, agradecendo a esmola: “Esta casa cheira a broa, Aqui mora gente boa. Esta casa cheira a vinho, Aqui mora algum santinho.” Ou, se lhes fosse negado o pedido: “Esta casa cheira a alho, Aqui mora um espantalho. Esta casa cheira a unto, Aqui mora algum defunto.” Subjacente a todas as cantilenas, há um agradecimento se o pedido for satisfeito com uma oferta e ditos jocosos ou a promessa de travessuras se o pedido for negado.

Bolsa para a recolha do pão de Deus Foto: BurroVille, 2012

Bolsa para a recolha do pão de Deus
Foto: BurroVille, 2012

Continuar a ler