A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei

‘If my art has nothing to do with people’s pain and sorrow, what is ‘art’ for?’ (Ai Weiwei)

Ao longo da semana, assistimos ao desmantelamento da selva de Calais, esse enorme campo onde a crua fragilidade da nossa (des)humanidade era posta a nu: começou com o desmantelamento organizado e oficial das barracas, continuou através do enorme incêndio que as autoridades denunciam como fogo posto e manteve um incessante ritmo de transferência dos refugiados, levados de autocarro para centros de acolhimento dispersos em território francês.

Campo de refugiados em Calais Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Campo de refugiados em Calais
Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Continuar a ler

O museu que vamos deixar de ver

Exposição “Obras em reserva: O museu que não se vê”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 18 maio 2016 – 23 out. 2016

Há um irresistível fascínio na visita às reservas. É a possibilidade de espreitar aquilo a que só alguns têm acesso, o inacessível que escapa à norma do exposto, aquilo que está vedado e se torna, por isso mesmo, mais apetecível à nossa curiosidade e a um inevitável impulso voyeurista. O horizonte onírico de quem se cinge ao espaço definido da cena expositiva, na expetativa do que se encontra em bastidores.

Exposição "O museu que vamos deixar de ver": núcleo 1 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 2
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

MAAT, a montanha e o rato

“Big, general audiences, with less specific traditions of modern and contemporary art and architecture are drawn by big, spectacular art and architecture.”
(Fraser, 2006, p. 156)

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia Lisboa Foto: MIR, 2016

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
Lisboa
Foto: MIR, 2016

A intenção era criar uma nova ligação entre a cidade e o rio. E surgiu um miradouro, amplo e aberto, virado para a foz, mas isolado da cidade. A intenção era criar um novo ponto de referência da arquitetura contemporânea. E surgiu um edifício extenso, ainda inacabado, mas que se inaugurou para coincidir com a Trienal de Lisboa. A intenção era criar um novo museu para a arte contemporânea, arquitetura e tecnologia. E surgiu um espaço museológico à espera de confirmar como museu.

Continuar a ler

Coleção Miró, uma história interminável

Exposição “Joan Miró: materialidade e metamorfose”
Porto, Serralves, 1 out. 2016 – 28 jan. 2017

Uma série de operações duvidosas levou à nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN); a nacionalização do BPN fez transitar um conjunto de 85 obras (pintura, desenho, colagem, escultura e tapeçaria) de Juan Miró, avaliada entre 35 e 54 milhões de euros, para a Caixa Geral de Depósitos; a fim de amortizar as dívidas do BPN, o Governo quis vendê-las em leilão organizado pela Christie’s de Londres, agendado para fevereiro de 2014, estimando um encaixe mínimo de 36 milhões de euros,  contra os pareceres pedidos pela então diretora-geral do Património, Isabel Cordeiro, a David Santos, diretor do Museu do Chiado, e a Pedro Lapa, do Museu Coleção Berard, que se pronunciaram pela permanência das obras em Portugal; defendendo que a venda constituiria uma perda irreparável, o Ministério Público, iniciou uma batalha jurídica contra a Parvalorem e a Parups, sociedades criadas para abater a dívida do BPN, a qual se prolongou, mantendo acesa a discussão pública e levou ao cancelamento do leilão; entretanto, as sociedades conseguiram impugnar o processo de classificação das obras, sob o pretexto de que as obras estavam em Portugal havia menos tempo do que o necessário para que esta fosse obrigatória1; ainda em 2014, o empresário luso-angolano Rui Costa Reis fez chegar uma proposta para adquirir a coleção no valor de 44 milhões de euros e garantia a manutenção das obras na cidade do Porto durante 50 anos, mas a oposição conseguiu travar a transação; com a mudança do Governo, o ministro da Cultura João Soares inverteu as tomadas de posição do seu antecessor, e em julho passado o atual ministro, Luís Filipe Castro Mendes, anunciava a vontade de que a coleção ficasse no Porto, o que foi prontamente acolhido pelo autarca da cidade, Rui Pereira.

Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" Porto, Serralves Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”
Porto, Serralves
Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Continuar a ler

  1. Segundo a Lei de Bases do Património Cultural , art. 68.º,  “salvo acordo do proprietário, é vedada a classificação como de interesse nacional ou de interesse público do bem nos dez anos seguintes à importação ou admissão”. []