A incrível corrida dos Pokémon

Pokémon, contração dos termos japoneses Poketto Monsutā (Monstros de bolso) começou como por ser um videojogo (Poketto Monsutā Aka e Midori, verde e vermelho), criado por Satoshi Tajiri, lançado no mercado em 1996. Pouco depois, passou para as telas de cinema e para os ecrãs de televisão, Os Pokémon são criaturas monstruosas, geralmente baseadas em animais reais ou em criaturas da mitologia oriental, ou em entes inanimados e lendários.

Galeria de tipos Pokémon

Galeria de tipos Pokémon

Continuar a ler

Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

Ponto de viragem: um novo modelo de gestão para o Museu Nacional de Arte Antiga

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é o nosso museu de referência.
Não sendo o primeiro museu português numa ordem cronológica, o museu abriu ao público a 12 de junho de 1884, com a designação de Museu de Belas Artes e Arqueologia, com a mais relevante coleção pública do património móvel artístico do país:

“No acervo, dominavam as tipologias chamadas de «belas-artes»: a pintura, proveniente do depósito de S. Francisco; a colecção de objectos litúrgicos de ourivesaria, transferida em 1867 da Casa da Moeda para a Academia; as colecções de escultura e artes decorativas vindas dos conventos femininos; e mesmo o acervo de desenhos, gravuras, arte ornamental e arqueologia, que vinha a ser adquirido pelo museu. A incorporação dos bens oriundos dos conventos das freiras, relançada pela Lei de Abril de 1861, conferiu maior homogeneidade à colecção deste museu como repositório da história da arte nacional.” (Roque, 2011, p. 59)

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes <br> O occidente. (21 Jan. 1882). 5(111), 17.

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes
O occidente
Lisboa: Lallement Frères. Ano 5, vol. V, n.º 111 (21 Jan. 1882), p. 17.

Continuar a ler

Portugal no Conselho Internacional dos Museus (ICOM)

Na 24.ª Conferência Geral do Conselho Internacional dos Museus ICOM, em Milão, sob o tema “Museums and Cultural Landscapes”, estiveram presentes 3.500 profissionais de museus, em representação de 130 países. A relação entre museus e paisagens culturais (que foi também o tema da Dia Internacional dos Museus 2016) confirma a atualização do ICOM numa perspetiva de abertura à diversidade de culturas e aos contextos plurais em que o museu se insere. As mudanças rápidas e constantes que marcam a contemporaneidade exigem essa renovação contínua, mas também uma reflexão sobre os fenómenos que o ICOM se propõe prosseguir.

Continuar a ler

Luís Raposo, presidente do ICOM Europa

Luís Raposo foi eleito presidente do ICOM Europa, durante a Assembleia Geral do ICOM, em atividade paralela à 24.ª Conferência Trienal Mundial do ICOM, a decorrer em Milão, entre 3 e 9 de julho.

LuisRaposo

Arqueólogo e museólogo, Luís Raposo, ocupou, entre 1996 e janeiro de 2012, o cargo de diretor do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, onde trabalha há mais de três décadas e dirige atualmente o departamento de investigação. Entre 2008 e 2014, foi presidente da Direção do ICOM Portugal e, desde 2010, fazia parte da Direção do ICOM Europa.

Eleito por pares, com 15 votos contra os 5 obtidos por Bernard Blache, do ICOM-França, é gratificante, para a comunidade museológica portuguesa, ver reconhecido o mérito de um dos seus membros. Juntemo-nos a quem o felicita, desejando-lhe o maior sucesso no cumprimento dos propósitos que o conduziram a este cargo.

Fonte da imagem:
http://doc-orlandoribeiro.blogspot.pt/2010_09_01_archive.html

Res publica ou res privata: questões éticas na atividade museológica

A notícia da detenção do diretor de um museu1 suscitou forte agitação entre os pares da comunidade museológica e na sociedade civil. O alvoroço atingirá maiores proporções pelo facto de estarem em causa crimes de tráfico de influência, falsificação de documento, peculato, peculato de uso, participação económica em negócio e abuso de poder, envolvendo um serviço prestado junto a um órgão de soberania e um museu, onde a expetativa de idoneidade é suprema por tudo aquilo que representa, enquanto memória do nosso passado e repositório daquilo que culturalmente nos define.

Res Publica Wolfgang Weileder, 2012 Washington DC, Public Art Festival

Res Publica
Wolfgang Weileder, 2012
Washington DC, Public Art Festival

Continuar a ler

  1. Tive as maiores dúvidas antes de redigir este post, porque o a-muse-arte não é uma plataforma para expor e discutir casos judiciais. No entanto, o que aqui está subjacente são questões de ética e de deontologia profissional no âmbito de prática museológica. Isso decidiu-me: a ética é (deve ser) um assunto primordial e basilar no âmbito da museologia. []