Paulo Varela Gomes

Paulo Varela Gomes (Lisboa, 1952 – Podentes, 2016) morreu hoje.

É a notícia de uma partida anunciada num longo e impressionante texto publicado em maio de 2015 na revista Granta, seguramente, o mais belo e comovente texto sobre a dor, a doença e a imanência da morte.

Paulo Varela Gomes Foto: Granta, s/d.

Paulo Varela Gomes
Foto: Granta, s/d.

Paulo Varela Gomes, licenciado em História, mestre em História da Arte e doutorou-se em História da Arquitetura, foi professor associado no Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade de Coimbra e deixou uma vasta investigação nos domínios da história da arte e da arquitetura. Para lá da comunicação interpares, junto à comunidade científica que o prestigia, aclamando-o unanimemente como elemento de mérito, Varela Gomes manteve um registo de divulgação às massas, como autor e apresentador de documentários de televisão, ou como autor de ensaios e artigos em publicações não científicas, descodificava a história da arte em linguagem comum, sem perder o rigor e a qualidade do discurso erudito. Todos nós fomos seus alunos e gostámos do jeito fácil de aprender com ele.

Morreu hoje, mas dá-se a circunstância de estar a ler Hotel (2014), uma leitura que foi sendo sucessivamente adiada, pelo que fica esta sensação de ver partir alguém que, nos últimos dias, tem estado a contar-me uma história amoral e fascinante. Por isso, marco o encontro: até já, na Torre das Infantas.

Fonte da imagem: http://www.tintadachina.pt/granta/author.php?code=0dbcde8750e478c9e5dc0b20ca79dbb4&tcsid=effoqu5kf6ak4sjheikn8t7991

Leonor d’Orey

Leonor d’Orey foi conservadora de Ourivesaria e de Joalharia do Museu Nacional de Arte Antiga e é a principal referência no estudo das pratas, com um inestimável legado de trabalhos científicos e de divulgação neste domínio.

Leonor d'Orey com pendente em cruz da colecção do MNAA / Jóias Encontradas / Cristina Filipe - C.B.Aragão

Leonor d’Orey com pendente em cruz da colecção do MNAA / Jóias Encontradas / Cristina Filipe – C.B.Aragão

Leonor d’Orey é a memória que fica da sua natureza acolhedora e afetuoso, da delicadeza que se tornava calorosa e – quantas vezes! – protetora. É a lição da luta que hoje terminou. É a saudade que fica.

Requiescat in pace.

Fonte da imagem: http://www.pin.pt/index.php/pt/membros-pin/honorarios/338-leonor-dorey

Memórias de um livro: Thesaurus, vocabulário de objetos do culto católico

Rocca, S. V., & Guedes, N. C. (Eds. lit.), Roque, M. I., Guerreiro, D. (2004). Thesaurus: Vocabulário de objetos do culto católico. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa; Fundação da Casa de Bragança. Disponível em https://drive.google.com/file/d/0B7xgTMCrAWKfWVp3bV9GV3o5TkE/view
thesaurus

Continuar a ler

A estratégia da sauna finlandesa

As fronteiras das Humanidades Digitais: Ensaio de geografia política de uma comunidade científica.

Versão portuguesa do texto La stratégie du Sauna finlandais
Por Marin Dacos, 1 jun. 2013
https://bn.hypotheses.org/11138

Tradução:
Dália Guerreiro
UÉ-CIDEHUS
https://bdh.hypotheses.org/
Maria Isabel Roque
Universidade Europeia / UÉ-CIDEHUS
http://amusearte.hypotheses.org/

Resumo

Fala-se de Humanidades Digitais! Mas será que as Humanidades Digitais existem como comunidade unida e coerente? O governo desta comunidade é equilibrado e democrático? Até agora, ainda não tinha havido um estudo acerca desta comunidade, sustentado por um inquérito que abrangesse todos os seus membros, numa perspetiva multilinguística e geográfica. O inquérito “Who are you, Digital Humanists?” – lançado no THATCamp Luxemburgo (2012), e divulgado durante o DH2012, Hambourg – permitiu juntar uma amostra incompleta, ainda que significativa, de 850 indivíduos que aceitaram responder ao nosso questionário. Constatou-se, por um lado, uma grande diversidade linguística e geográfica, tendo havido um grupo de não participantes, por não terem visto o inquérito ou por não lhe terem prestado atenção, e, por outro lado, a exceção do inglês como primeira língua, a par da sua predominância como segunda língua. Revelou-se que as Humanidades Digitais estavam muito marcadas pela História e pelos estudos clássicos, mas muito pouco, realmente muito pouco, ligadas às disciplinas que se interessam pelo mundo contemporâneo, sejam as ciências da Web, ou as relacionadas com a mineração de dados e de textos. Descobriu-se também um evento de grande importância, o encontro Digital Humanities 2012, cujo tema era a diversidade cultural e que foi presidido pela Europa, América do Norte ou, mais precisamente, pelo Reino Unido e as sua ex-colónias (Irlanda, Canadá, Estados Unidos de América, Austrália). Diríamos que a anglofonia voltou a marcar pontos. A fim de medir os progressos da diversidade no âmago do poder da nossa comunidade, este artigo propõe a criação de um indicador, o Digital Humanities Decision Power (DHDP), para calcular a distância entre os grupos de Humanidades Digitais e medir as suas faculdades na peritagem e nos procedimentos de seleção científica. Com base neste indicador, seria necessário um debate coletivo para tornar a nossa comunidade mais aberta à diversidade linguística e geográfica. A isso, nós chamamos a estratégia da Sauna finlandesa.

Dacos_2013_estrategia-da-sauna-finlandesa

Digital Humanities involving people and museums

Kenderdine, S. (2016). Embodiment, entanglement and immersion in digital cultural heritage. In S. Schreibman, Siemens, & Unsworth (Eds.), A new companion to digital humanities (pp. 22-41). Chichester, West Sussex, UK; Malden, MA, USA: John Wiley & Sons.
new-companion-digital-humanities

Continuar a ler

Museums and digital humanities: from the divide to the bridges

In recent times, many (well, maybe not so many!) projects have been announced, introducing Digital Humanities in museums. Slowly but surely, museums are decreasing the divide that separates them from the digital tools.

F. no Lisboa Story Center Foto: MIR, 2014.

F. no Lisboa Story Center
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler