Imagens de Cristo esculpidas de dor

Nos primeiros tempos do Cristianismo, o tema da crucificação era representado simbolicamente como o sacrifício do Cordeiro de Deus, validando os termos da corrente docetista monofisita, que anulava a natureza humana de Cristo, ou da doutrina nestoriana, que lhe atribuía uma dupla natureza, enquanto Deus e enquanto homem, pelo que a morte de Cristo ou era apenas aparente ou não incluía a sua dimensão divina. Em oposição a estas doutrinas, o Concílio de Calcedónia, reunido em 451, instaurou o dogma da Encarnação como união hipostática: “o Senhor nosso Jesus Cristo, perfeito na sua divindade e perfeito na sua humanidade, verdadeiro Deus e verdadeiro homem” (Concílio da Calcedónia, 4.º ecuménico, 5.ª sessão. In Denzinger, 2007, p. 113). Foi neste contexto que, ainda no século V, surgiram as primeiras figurações humanas de Cristo crucificado, com os olhos abertos e a cabeça erguida, com um diadema real em substituição da coroa de espinhos, firmando a tradição bizantina da representação de Christus triumphans, vivo e triunfante sobre a morte. O corpo, com os braços abertos horizontalmente sobre a trave da cruz e os pés apoiados no supedâneo, aparenta estar de pé. Estendendo-se a todo o mundo cristão, este modelo dominou a iconografia medieval até ao século XI.

Cristo crucificado, dito de San Damiano Autor desconhecido, c. 1100 Assis, Basílica de Santa Clara

Cristo crucificado, dito de San Damiano
Autor desconhecido, c. 1100
Assis, Basílica de Santa Clara

Continuar a ler

Torre de Matrera: autenticidade ou falsificação?

A torre de Matrera, em Cádis, foi alvo de uma ação de restauro sob a responsabilidade do arquiteto Carlos Quevedo Rojas. O currículo do arquiteto neste domínio é inquestionável, com dois mestrados em arquitetura e património pelas universidades de Sevilha e de Granada, uma especialização em restauro de monumentos pela La Sapienza de Roma, e responsável por outros projetos de restauro importantes, como o da igreja de El Salvador ou de La Maestranza, em Sevilha. Não obstante, a solução de restauro do castelo de Cádis tem sido questionada e, sobretudo, denunciada como um atentado ao património.

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Continuar a ler

Um retrato para o Presidente

Barahona Possolo nasceu em 1967, em Lisboa, onde se licenciou em pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa Encontra-se representado nas coleções do Banco de Portugal, dos museus de Setúbal e das Comunicações. A última exposição ocorreu em dezembro passado no Espaço Cultural das Mercês.

Vénus entre o pudor e a luxúria Barahona Possolo, 2010

Vénus entre o pudor e a luxúria
Barahona Possolo, 2010

Pintor de expressão hiper-realista, inscrito numa nova figuração erótica que, em certa medida, permite evocar algumas obras de Jeff Koons, ambos com uma iconografia erótica de grande detalhe, em particular, na representação explícita da anatomia genital – na página oficial, adverte-se acerca dos conteúdos para adultos –, exprimindo-se Barahona em temas clássicos e cenários que oscilam entre o minimalismo, o exotismo dos gabinetes de curiosidades e a exuberância dos adereços barrocos.

Em 2013, a propósito da exposição “All you can eat: Uma interpretação dos sete sabores”, afirmava à Time Out Lisboa (3013, 27 nov.): “Quase tudo o que faço tem algum erotismo de forma explícita ou subtil” (cit. in Horta, 2015). Além disso, justificava:

“Pelo realismo das imagens, talvez se possa dizer que sou retratista. Interessa-me um retrato da emoção do momento, mas não o retrato-imitação, de porcelana, isso não me interessa nada, até porque os temas que escolho partem qualquer loiça”. (Id., ibid.)

Barahona Possolo foi o escolhido para o retrato oficial do Presidente Cavaco Silva. Foram pintados dois retratos e um grupo restrito de 40 pessoas votou no melhor, sem conhecer o nome dos respetivos autores. De resto, continua sem ser conhecido o nome do preterido.

Retrato do Presidente Cavaco Silva Barahona Possolo, 2016

Retrato do Presidente Cavaco Silva
Barahona Possolo, 2016

Continuar a ler

A quem pertence o nosso património?

Num grupo de amigos, discutíamos a quem pertence o património que é de todos nós. A quem cabe decidir quem lhe tem acesso, quem deve pagar a manutenção e a conservação e restauro, quem determina o que é visto e de que forma deve ser acedido, quem decide as regras a que está sujeito? A discussão surgiu a propósito do preço dos ingressos: uma família, ou um grupo de dois adultos e duas crianças, paga mais de cem euros para, numa ida a Sintra, visitar o Palácio da Vila, o Castelo dos Mouros e o Palácio da Pena; se a isto juntar o Palácio de Monserrate, o Convento dos Capuchos e o Chalet da Condessa d’Edla, paga quase cento e oitenta euros. As visitas guiadas não estão incluídas.

Sintra

Sintra; Palácio da Vila

Palácio da Pena Foto: PSML

Palácio da Pena
Foto: PSML

Continuar a ler