Memórias de Umberto Eco

Sinto um sopro de frio, levanto os olhos.
Porque é que o Sol se está a tornar negro?
Umberto Eco1

A noite surpreendeu-nos com a notícia da morte de Umberto Eco, envolta na brevidade crua das referências biográficas que o definem como “o escritor, filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo italiano” e “autor de O nome da Rosa”, mas são incapazes de descrever uma vida feita de tantos mundos.

Umberto Eco (1932 -2016)

Umberto Eco (1932 -2016)

Conheci Umberto Eco através da mais enfadonha das obras, Como se faz uma tese, em ciências humanas, mas foi com a orientação dela que fiz os trabalhos na licenciatura e que continuei a utilizar como manual. Quase ao mesmo tempo, fui surpreendida pelo fascínio de O nome da rosa, que me dava uma visão do tempo medieval, simultaneamente afim e alternativa, à que tinha na faculdade, incapaz de parar antes de chegar ao fim, presa às deduções do frade Willian de Baskerville e deslumbrada com a descrição da biblioteca. Depois, O pêndulo de Foulcauld, novamente presa a partir do momento em que Casaubon se escondeu no Musée des Artes et Métiers, no início de longa espera, descortinando a vida oculta dos bastidores do museu, numa nova procura do Santo Graal, e tendo, uma vez mais, como pano de fundo, o mundo maravilhoso dos livros. Depois, foram os outros, num crescendo de gosto: A ilha do dia antes e uma extraordinária evocação da vida e das memórias que se prende às coisas, quando o náufrago encontra o navio deserto; Baudolino, com a história do maior mentiroso, que deambula à procura de mundos exóticos, povoados de eunucos, unicórnios e outras estranhas figuras, a busca de Preste João, e chega a forjar o Santo Graal, a partir da tigela de madeira que pertencera ao pai; o Cemitério de Praga, de que o Jorge Vaz de Carvalho me falou longamente, antes de o poder ler talvez a ficção mais verídica de Umberto Eco, onde a falsificação conhecida como “Os protocolos dos sábios de Sião” se propaga como se fosse verídica e com cruéis consequências para a história presente. Entre eles, A misteriosa chama da rainha Loana, com a história de Giambattista Bodoni, Yambo, um vendedor de livros antigos que perde a memória episódica, e é pretexto para um extraordinário elenco de referências da vida e da cultura contemporânea. É neste livro que centro as minhas memórias de Umberto Eco, o autor que não morreu, porque tenho aqui na estante, à espera do tempo que não tenho tido, o Número Zero.

Foi, porém, a Obra aberta que, juntamente com os textos Roland Barthes, determinou a forma como estudo, da história da arte à museologia. Foi a partir de Eco que a semiótica se tornou pansemiótica, enquadrando a investigação polissémica e transversal da comunicação visual. Lido e relido, Umberto Eco tornou-se a referência, em obras como Arte e beleza na estética medieval, A definição da arte, História da beleza, História do feio, A vertigem das listas.

Referência inevitável, relembro as últimas aulas do último semestre e a forma como os meus alunos descobriram, leram e interpretaram o texto de “O hábito fala pelo monge”, a confirmar a atualidade e a vivacidade do pensamento de Eco, capaz de dar sentido às coisas mais ínfimas da vida e mais óbvias do nosso quotidiano.

Foi a partir de um texto de Eco, que comecei a ler no ipad, sem trair o gosto pelo livro, pelo cheiro do papel e da tinta, pela voluptuosidade de virar a página.

Sempre acalentei a secreta esperança de o vir a conhecer. Percorri a universidade de Bolonha com a íntima expetativa de encontrar o Mestre. E acabo de descobrir agora que isso já não será possível. Resta-me a certeza de ainda ter ali, à minha espera, o Número zero e todos os outros textos, lidos, alguns ainda não lidos, outros cuja releitura é sempre renovada e inesperada.

Fontes das imagens:
http://static.prsa.pl/images/877b8ea9-6177-4b53-8718-8ca8d3c3e11f.jpg
http://www.fanpop.com/clubs/poets-and-writers/images/35867431/title/umberto-eco-photo

  1. Eco, U. (2005). A misteriosa chama da rainha Luana. Lisboa: Difel, p. 414. []

O amanhã do museu começa hoje

“[…] eles ignoravam que hoje era ontem e haveria amanhã”
Clarice Lispector1

Após séculos e séculos de colecionismo privado, a idade dos museus implantou-se no século XIX como um espaço para a preservação do património a transmitir às gerações futuras. O museu surgiu sob um signo de sacralidade – no momento em que a sociedade se tornava laica, o sentimento religioso impregnava-se na glorificação do passado e dos seus testemunhos materiais – constituindo-se como um reduto separado da vida quotidiana, um santuário adequado à mitificação das coleções de pintura e escultura, ourivesaria, joalharia, mobiliário, manuscritos iluminados e códices.

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

  1. Lispector, C. (1974). Onde estivestes de noite? Rio de Janeiro: Artenova. []

Cultural tourism and digital humanities

Co-author: Dália Guerreiro

Tourism sector has been reformulated in the post-modern society and, over the past six decades, has experienced continued expansion and diversification, but it faces challenges demanding it to develop innovative solutions for the consumption of the cultural heritage. Meanwhile, advances in technologies for aggregating and searching collections data had open the debate about how museums and heritage sites may use digital data to promote their collections knowledge and to react to the visitors’ diversified expectations.

We are like vapours: Pacifying the South China Sea Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

We are like vapours: Pacifying the South China Sea
Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

Continuar a ler

Nudez, arte e linguagem

O corpo e a nudez são objeto recorrente da criação artística, refletindo os modelos conceptuais e estéticos de cada época. A representação do corpo nu transforma-o numa ficção iconográfica artificial que lhe atenua a carga de erotismo subjacente à maioria dos contextos civilizacionais. A nudez na arte é apreendida através do significado da representação, onde o sentido prevalece sobre a forma: as Vénus paleolíticas são vinculadas aos ritos de fertilidade; nas civilizações pré-clássicas do Próximo Oriente, a representação do corpo obedece a padrões convencionais; a arte clássica aborda o corpo com crescente naturalismo, até aos limites da harmonia, perfeição e equilíbrio como ideal de beleza; durante a Idade Média, a moralidade cristã impôs uma maior contenção na representação da nudez e uma deliberada deformação do corpo, separando os modelos da criação humana do arquétipo de perfeição exclusivo da criação divina; o Renascimento recupera os modelos da arte clássica, atualizados por um interesse crescente pelos estudos anatómicos; a partir do Maneirismo, ao mesmo tempo que as prescrições tridentinas impunham restrições à representação das figuras religiosas, os artistas conquistaram uma maior liberdade de expressão e na utilização do nu, conferindo-lhe uma materialidade e expressividade que se tornam quase excessivas no Barroco, onde a espiritualidade, por vezes, se confunde com emoção física e o corpo ganha voluptuosidade e textura, abrindo caminho ao erotismo.

Olympia Edouard Manet, 1863 Paris, Musée d'Orsay

Olympia
Edouard Manet, 1863
Paris, Musée d’Orsay

A pintura “Olympia”, pintada por Edouard Manet em 1863, foi motivo de escândalo ao ser apresentada no Salon de Paris, em 1865:

Continuar a ler

Luz e cor sobre o templo de Dendur

O Templo de Dendur tinha sido erguido em honra da deusa Isis no tempo do imperador romano Augusto, por volta do ano 13 a.C., na Núbia, no sul do Egipto, na margem ocidental do Nilo.

Templo de Dendur, c. 1960. Brooklyn Museum Archives, Goodyear Archival Collection William Henry Goodyear, Brooklyn Museum

Templo de Dendur, c. 1960.
Brooklyn Museum Archives, Goodyear Archival Collection

Continuar a ler