Uma folha de parra sobre a nudez da (nossa) vergonha

Os Museus Capitolinos, em Roma, optaram por cobrir as esculturas representações de nus por ocasião da visita do presidente do Irão, Hasán Rohaní, obedecendo ao pedido da delegação iraniana. Pelos mesmos, a sala onde o presidente Rohaní e o primeiro ministro italiano Matteo Renzi receberam a imprensa internacional, foi modificada de forma a tornar menos evidente a escultura equestre de Marco Aurelio, uma das raras esculturas de grandes dimensões e em bronze da época clássica que conseguiu ser preservada até aos nossos dias.

Museus Capitolinos Foto: AP Photo/Gregorio Borgia, s.d.

Museus Capitolinos
Foto: AP Photo/Gregorio Borgia, s.d.

Museus Capitolinos Foto: Giuseppe Lami/ANSA via AP, 25 jan. 2016.

Museus Capitolinos
Foto: Giuseppe Lami/ANSA via AP, 25 jan. 2016.

As imagens que nos chegam registam uma estranha instalação de grandes blocos brancos, caixas de contraplacado sob as quais se escondem as esculturas consideradas inapropriadas pelos padrões culturais iranianos.

Segundo fontes diplomáticas italianas, citadas pelo diário espanhol “El Mundo”, esta medida é “uma forma de respeito pela cultura e sensibilidade iraniana”. Por seu turno, os analistas políticos denunciam que, na realidade, esta submissão do governo italiano tem um propósito essencialmente económico: Rohani viaja com uma delegação de empresários e tem vindo a promover uma série de memorandos de entendimento para a cooperação comercial e industrial, bem como a assinatura de contratos avaliados em muitos milhões de euros.

O pedido da delegação iraniana situa-se na lógica da intolerância cultural que tem sido apanágio das últimas décadas do regime religioso que governa o país, apesar da postura moderada de Rohaní, um homem culto, formado na Universidade de Teerão e doutorado em Glasgow, com referenciada atividade de investigador e que defende uma relação mais construtiva com o mundo ocidental.

A aceitação e a reverência do governo italiano, essa, é objeto de escândalo que se tem repercutido por toda a Europa. Roma e, particularmente, os Museus Capitolinos detêm o património histórico-artístico de uma época matricial da nossa cultura. Cobrir as Vénus clássicas, sob o pretexto da sua nudez, confirma a mediocridade (e a cobardia) das forças que nos governam. É uma manifestação de ignorância de quem não consegue alcançar o sentido desta atitude de subserviência e que nos envergonha a todos.

Cobrir as esculturas clássicas – seja por motivos políticos, económicos, diplomáticos – é a negação implícita da cultura, da história e da arte que constituem a matriz da nossa identidade. Essa, sim, é a maior das vergonhas. Assim houvesse uma parra, uma folha de figueira, que pudesse ocultar.

Fonte das imagens: http://www.newscenter1.tv/story/31061009/italy-hides-ancient-museum-nudes-from-iranian-president

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Uma folha de parra sobre a nudez da (nossa) vergonha," in a.muse.arte , 2016/01/27, http://amusearte.hypotheses.org/1175.

A literatura como (pre)texto de viagem

O conceito não é novo: ao longo do século XIX, o relato literário era um pretexto de viagem em alternativa ou em complemento ao propósito de visitar locais de referência, monumentos, museus, ruínas, vestígios do passado ou de outras culturas. James Buzard (1993), a partir da análise de um corpus de textos literários relacionados com a viagem, regista a dualidade do conceito de cultura de elite ou massas na prática Oitocentista da viagem, ao mesmo tempo que se instalava a ideia de que o turismo era uma atividade aberta a todas as classes, sobretudo depois das práticas de simplificação e de divulgação iniciadas por Thomas Cook. Buzard distingue, assim, entre o vulgar “tourist” e o verdadeiro “traveller”, mais erudito, apontanto para o conceito remanescente daquilo que designa como a experiência cultural autêntica, “that which the ‘traveller’ used to seek ‘off the beaten track’“ (Buzard, 1993, 336)  e que, portanto, se encontra em locais de referência extrínsecos aos circuitos populares.

Goethe na Campagna Romana Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787 Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Goethe na Campagna Romana
Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787
Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Continuar a ler

Adoração dos Magos

A Epifania não é um episódio da Natividade, mas é reconhecida como a primeira teofania de Cristo e, por conseguinte, como o acontecimento fundador da Nova Aliança, registando-se como um símbolo da divindade de Cristo. Daí que, nos primeiros tempos do Cristianismo, a festa da Epifania se tenha sobreposto ao tema da Natividade e a representação iconográfica da adoração dos magos remonte aos primeiros tempos do cristianismo.

A vinda dos magos para homenagear o Menino, é referida em Mateus (Mt 2, 1-12), sendo registada de forma quase idêntica nos textos apócrifos (Proto-Evangelho de São Tiago 21, 1-3; Evangelho do Pseudo-Mateus 16, 1-2).

“Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, chegaram a Jerusalém uns magos vindos do Oriente. […] E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até que, chegando ao lugar onde estava o Menino, parou. Ao ver a estrela sentiram, grande alegria, e, entrando em casa, viram o Menino com Maria, Sua mãe. Prostrando-se, adoraram-n’O, e, abrindo os cofres, ofertaram-Lhe presentes: Ouro, incenso e mirra.” (Mt 2, 1-11)

Nos evangelhos são genericamente referidos como homens sábios ou magos, a denominação dada aos sacerdotes persas de Zoroastro que, além das funções religiosas, se dedicavam ao estudo da astronomia e da astrologia, atribuindo-se-lhes poderes ocultos.

Inicialmente, os Magos, em número indefinido e sem se lhes atribuírem nomes, eram representados de maneira indiferenciada, com o traje persa dos sacerdotes de Mitra: barrete frígio e manto sobre as costas. Desfilam em cortejo na direção da Virgem, trono vivo de Deus menino, a quem levam presentes em bandejas ou em ricos recetáculos de ourivesaria.

A partir do elenco de presentes, o número dos magos acaba por se fixar em três. Nos Excerpta latina barbari, uma cronologia composta em grego, no século V, e traduzida para latim, surge a mais antiga referência conhecida aos nomes dos três magos: “In his diebus sub Augusto Kalendas Ianuarias magi obtulerunt ei munera et adoravunt eum: magi autem vocabantur Bithisarea Melchior Gathaspa”[1] (Auctores antiquissimi 1892, 278)

Epifania Autor desconhecido, século VI, 1.º quartel Ravena, Igreja de Santo Apolinário o Novo

Epifania
Autor desconhecido, século VI, 1.º quartel
Ravena, Igreja de Santo Apolinário o Novo

Continuar a ler

O que é a arte (de) hoje?

No grupo de Facebook “Arte, museus e património” costuma haver uma publicação marcada com a indicação das publicações consideradas adequadas: “O objetivo deste grupo é ser uma plataforma de informação, exclusivamente, nos domínios das artes visuais, dos museus e do património cultural: notícias, análises, artigos de opinião, estudos…“
facebook-04

Continuar a ler