Necessidade e engenho: crowdfunding para a cultura

A angariação de fundos através de modelos de financiamento colaborativo – ou, dito de forma mais rápida e atualizada, o crowdfunding – está definitivamente na moda e tem vindo a ser utilizado para financiar projetos em domínios cada vez mais diversificados, desde político-partidários, sociais, a académicos, culturais, artísticos, etc.

Campanha "A hug is promised from Marina Abramović" Imagem: Marina Abramović Institute (MAI), 2013

Campanha ““Fund me! I’ll hug you!”
Imagem: Marina Abramović Institute (MAI), 2013

Num panorama de crescente carência das subvenções do Estado, tornou-se uma estratégia muito interessante para a gestão do património, em particular, para a aquisição e restauro de bens culturais. Não se trata de angariação de fundos feita nos moldes tradicionais, focalizada em grupos específicos de amigos de museus, mecenas ou patrocinadores. Mas também não é uma novidade, dado que se inspira no modelo de subscrição pública que, em 1844, permitiu o financiamento do pedestal da estátua da Liberdade em Nova Iorque.

Continuar a ler

A arte como expressão: os atentados de Paris através da ilustração

“As vozes da pintura são as vozes do silêncio”
Merleau Ponty

A arte é uma linguagem que se torna mais expressiva ao libertar-se do texto. Merleau Ponty distinguiu a «langage parlé» e «langage parlant», para definir esta última como expressão primeira, no sentido em que é a expressão sensorial e intuitiva. O senso comum exprime o mesmo sentido quando afirma que uma imagem vale mais que mil palavras.

Na sequência dos ataques em Paris, para lá das imagens do terror vivido nos sítios, as imagens de arte assumiram uma difusão viral, como uma resposta pacífica e com uma eloquência exponencialmente superior ao texto, sobretudo quando o espanto cala a maior parte das palavras ou estas são insuficientes para traduzir o que vai na alma.

A representação da insurreição popular de 27 a 29 de julho de 1830, em Paris, feita por Eugène Delacroix, foi reapropriada enquanto se configura como representação simbólica dos ideais de liberdade. Ao ser colocada como imagem do grupo “Arte, museus e património” atingiu rapidamente um número extraordinário de gostos (+ 450) e partilhas (+ 170).

Porém, mais relevante do que estas apropriações de imagens preexistentes, foi a produção inédita que surgiu de forma quase imediata, refletindo a espontaneidade das emoções.

Jean Julien foi um dos primeiros a publicar no Twitter, ainda na noite dos atentados, um desenho a tinta preta adaptando a Torre Eiffel ao interior do signo hippie de “peace and love”, o que se tornou a imagem mais difundida e uma espécie de emblema da reação pacífica à violência dos ataques.

Peace for Paris Jean Julien, 2015 @jean_jullien

Peace for Paris
Jean Julien, 2015
Twitter: @jean_jullien

Continuar a ler

Design, a outra ciência dos signos

O termo design deriva do latim signum, signo ou sinal. Por isso, desde logo, se justifica o design como objeto de estudo no âmbito da semiótica, “a ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer fenômeno de produção de significação e de sentido” (Santaella, 1983, p. 13).

No século XVIII, o termo ‘semiótica’ referia-se genericamente à decifração dos sintomas na prática médica, na continuação do sentido de diagnóstico que lhe era atribuído por Galeno de Pérgamo, no século II. Porém, John Locke (1632-1704), no Ensaio sobre o entendimento humano, já apontava para o sentido que lhe viria a ser atribuído por Ferdinand de Saussurre, ao distinguir três ramos do conhecimento: as ciências físicas, as ciências práticas e a semiótica, ou doutrina dos signos, que correspondia à lógica.

Continuar a ler