Joyeuse Entrée entre outras pompas e circunstâncias

O Museu Nacional de Arte Antiga expõe, pela primeira vez em Portugal, aquela que é considerada uma das mais antigas e rara perspetiva de Lisboa, pertencente à coleção do Castelo de Weilburg, na Alemanha. A vista da cidade, que se apresenta engalanada, serviria de projeto à entrada triunfal de Filipe II em Lisboa, no ano de 1619.

Joyeuse Entrée Autor desconhecido, 1613 Castelo de Weilburg Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Joyeuse Entrée
Autor desconhecido, 1613
Castelo de Weilburg
Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Sabe-se muito pouco acerca do historial desta obra: não se conhece o autor; na pintura, está explícita a data “1613”, ano em que esteve planeada uma vinda do rei a Portugal, a qual acabou por só acontecer cerca de seis anos mais tarde; não se sabe em que circunstâncias foi pintada; tampouco se percebe como ingressou no castelo de Weilburg onde foi localizada recentemente por Andreas Gehlert.

Gehlert desvendou a pintura em outubro de 2008, no Gabinete de Estudos Olisiponenses, numa conferência intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, inserida no âmbito do programa comemorativo do centenário do nascimento do Padre António Vieira, seguido da notícia intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, publicada na revista Monumentos (2008, dez.). Descrevia-a como um quadro panorâmico de grande formato e considerava-a como a mais importante fonte iconográfica de Lisboa durante a era filipina, avançando tratar-se de um pedido do vice-rei Cristóvão de Moura e por ocasião da visita do rei Filipe III de Espanha. Mais recentemente, em 2014, A. Gehlert publicou o estudo “The Weilburg painting showing the Lisbon entry of 1619 in its historical and pictorial context”, na Revista de História da Arte, 11, número temático sobre Estudos de Lisboa, da responsabilidade do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa.

A Joyeuse Entrée de Filipe II em Lisboa e outras “Pompas e circunstâncias”[1]

Na Europa medieval, há notícia de palanques ornamentados com tecidos e tapeçarias ou de armações com arcos e festões de flores por ocasião de festas populares, cortesãs ou religiosas. “Os pórticos das igrejas são o cenário das plataformas, dos palcos de todo o teatro festivo.” (Atanásio, 1984: 55) Uma pintura datada de cerca de 1522, representando a chegada das relíquias de Santa Auta à Igreja da Madre de Deus, mostra o aparato do cortejo religioso, junto à entrada do templo onde se ergue um altar e um púlpito revestidos a tecidos de estofo rico e adamascado, cobrindo parte do pórtico, já de feição manuelina e cuja ornamentação se terá inspirado nos “arcos e demais arranjos efémeros das festas” (Atanásio, 1984: 55).

Continuar a ler

#HDPT2015 Humanidades Digitais num relance

No rescaldo do “Congresso de Humanidades Digitais em Portugal” (Universidade Nova de Lisboa, 8-9 out. 2015), firma-se a ideia de que a investigação em Humanidades alterou os parâmetros em função da tecnologia digital. Neste, que foi o primeiro congresso sobre o assunto em Portugal e com dimensão internacional, assistimos a múltiplas reflexões sobre o impacto do digital e à apresentação de projetos neste domínio, que geraram debates, umas vezes, convergentes, outras, em acesa controvérsia, confirmando a atualidade do tema e a oportunidade do congresso.

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, UNL, 2015 Foto: Daniel Alves, 2015

Congresso de Humanidades Digitais em Portugal, UNL, 2015: conferência de abertura por Maria Clara Paixão de Sousa
Foto: Daniel Alves, 2015

Continuar a ler

#HDPT2015 Simplesmente Humanidades

Digital Humanities is just the humanities of the present day.
Alex Raid

Maria Clara Paixão de Sousa, Professora da Universidade de São Paulo, apresentou esta epígrafe na conferência de abertura do Congresso das Humanidades Digitais em Portugal. Depois, Manuel Portela observou que, tal como não se falou de “humanidades tipográficas” no século XV, também é provável que o termo “digitais” venha a cair porque, naturalmente, toda a investigação em Humanidades se apoia na tecnologia digital, de forma mais ou menos essencial.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas Foto: MIR, 2015.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas
Foto: MIR, 2015.

Continuar a ler