Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma

O Metropolitan Museum of Art (Met), de Nova Iorque, anunciou a disponibilização em linha das imagens da maior parte do acervo, num total de cerca de 400.000 ficheiros de alta qualidade, os quais podem ser automaticamente transferidos sem que seja necessário pedir autorização ou pagar taxas de utilização. A notícia correu pelas redes sociais e provocou um inesperado número de acessos que obrigaram ao fecho temporário do sítio eletrónico do museu.

The Metropolitan Museum of Art: The Collection Online 2014

The Metropolitan Museum of Art: The Collection Online
2014

Continuar a ler

A era digital e as narrativas na nova museologia

A nova doutrina museológica trouxe a narrativa, a capacidade de “contar uma história” para um plano central da experiência no museu. Os guiões expositivos, como o do Museu de Quay-Branly ou o do Louvre Lens, tendem a abandonar a lógicas das sequências espácio-temporais ou estilísticas, para tentar uma dialética mais fluida e abrangente, na qual o visitante possa seguir diferentes perspetivas e cruzar vários registos culturais. Outra estratégia passa pela utilização de equipamentos museográficos complementares, como os audio-guias ou os vídeos e, agora, os dispositivos interativos com jogos de realidade aumentada e virtual.

Museu virtual Europeana

Museu virtual Europeana

Continuar a ler

Glasgow School of Art, entre a tragédia e a esperança

Ontem, foram muitos os que ficaram estarrecidos face às imagens do incêndio na Glasgow School of Art, às chamas e ao fumo que saía pelo telhado, fazendo com que se receasse o pior.

Incêndio na Glasgow School of Art. 23 maio 2014

O edifício, projetado por Mackintosh entre 1899 e 1909, era considerado um dos principais edifícios do início do século XX, precursor de uma nova mentalidade arquitetónica, fazendo a ligação entre a complexidade da Arte Nova e o despojamento do Modernismo.

Continuar a ler

“As coleções criam conexões”: o papel dos museus na sociedade contemporânea

18 de maio, Dia Internacional dos Museus 2014 | ‘Museus: coleções criam conexões

O ICOM (Conselho Internacional de Museus) é uma organização internacional não-governamental criada em 1946, associada à UNESCO e com a missão de promover e proteger o património cultural e natural, tangível e intangível. Atualmente com mais de 30.000 membros em 137 países, o ICOM assume-se como uma rede de profissionais ligados aos museus e ao património, tendo como propósito a cooperação e troca de conhecimentos e metodologias.

Em 1977, o ICOM criou o Dia Internacional dos Museus, a 18 de maio, tendo em vista a sensibilização do público para o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade. Com uma adesão crescente desde essa altura, em 2013, cerca de 35.000 museus em 143 países participaram nesta iniciativa.

Este ano, o tema é “As coleções criam conexões” propondo uma reflexão sobre o papel dinâmico do museu na relação que o museu cria com a comunidade, alargada e fluída, dos seus públicos.

ICOM, Dia Internacional dos Museus 2014 Museus: coleções criam conexões

ICOM
Dia Internacional dos Museus
18 maio 2014

Torna-se cada vez mais premente a reflexão acerca do perímetro da função patrimonial do museu no contexto da cultura contemporânea, cada vez mais globalizada, e em vertiginosa mutação de referências, num fenómeno de encurtamento das coordenadas espaço-tempo. É nesse contexto que o museu reivindica a competência de “criar conexões” através das coleções.

Continuar a ler

A pintura de Rothko reposta na Tate Modern, um museu desadequado à obra de Rothko?

A obra Black on Maroon, de Mark Rothko, que tinha sido vandalizado em outubro de 2012, voltou a ser exposta na Tate Modern, depois de 12 meses de restauro.

Recolocação da obra «Black on Maroon, 1958», de Mark Rothko, na Tate Modern de Londres

Recolocação da obra «Black on Maroon, 1958», de Mark Rothko, na Tate Modern de Londres Foto: Reuters

Continuar a ler

Aleijadinho, virtuoso e virtual

(2014). Aleijadinho 3D [sítio eletrónico]. São Paulo: da Universidade de São Paulo (USP); Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC).

Aleijadinho, é alcunha de Antonio Francisco Lisboa (1730-1814), aludindo à deficiência física do mulato nascido no Brasil colonial, de cuja vida pouco se sabe. A mais antiga notabiográfica é póstuma, uma biografia escrita por Rodrigo José Ferreira Bretas cerca de 40 anos depois da morte supostamente apoiada em documentos e depoimentos contemporâneos, o que secundariza a cronologia dos factos para um registo secundário ao estudo da obra daquele que é unanimemente reconhecido como um dos artistas matriciais brasileiros e um dos maiores expoentes do Barroco e Rococó brasileiros. É consensual a filiação do arquiteto português Manuel Francisco Lisboa e de uma das suas escravas africanas, tal como parece certo que a doença o desfigurou, deteriorou o humor e o obrigou a trabalhar com as ferramentas presas às mãos enfermas.

Aleijadinho 3D [sítio eletrónico]. página de acolhimento.

Aleijadinho 3D [sítio eletrónico]. página de acolhimento.

Continuar a ler