No rescaldo da #MuseumWeek: a comunicação do museu em ambiente virtual

A #MuseumWeek chegou ao fim.

Durante 7 dias consecutivos, 630 museus e galerias de vinte países europeus abriram virtualmente as portas e puseram-se literalmente à conversa com um público tão vasto quanto diversificado e interpelativo. Alguns prolongaram a experiência digita para o espaço físico e concreto do próprio museu, integrando públicos reais e virtuais na mesma aventura de conhecer o museu para lá do que é vulgar.

#MuseumWeek

#MuseumWeek

Continuar a ler

#MuseumWeek, dia 7

O dia 7 da #museumweek prometia ser o mais criativo com as hashtag #GetCreative e #CreaMW.

Construímos a primeira storify com as publicações que nos pareceram as mais criativas entre as que fomos encontrando ao longo do dia. Aqui, merece especial referência o conjunto de imagens do fotógrafo Leo Caillard ‏@leocaillard publicadas pelo museu do Louvre e cuja obra pode também ser vista em http://www.leocaillard.com/.

Continuar a ler

#MuseumWeek, dia 4

O dia 4 da #MuseumWeek teve, como tema, #BehindtheArt, promovendo o edifício que sustenta a obra exposta. Desfilaram as imagens de edifícios evidenciando um uso anterior à função museológica, historiografias da arquitetura dos museus, salas e vitrinas ainda vazias ou museografias arcaicas… Foi um dia de viagens ao passado, com fragmentos de uma história ignorada ou esquecida.
Continuar a ler

#MuseumWeek, dia 2

O dia 2 da #MuseumWeek teve como tema #MuseumMastermind, um jogo interativo que os museus aproveitaram para conferir os conhecimentos do público. Ou, ligeiramente diferente, uma oportunidade para chamar a atenção para as obras menos conhecidas, perspetivas menos óbvias, detalhes particulares. Se ontem, o dia foi marcado pela curiosidade que nos levou a espreitar o que está para lá do percurso expositivo, hoje o propósito foi essencialmente lúdico.
Continuar a ler

Realidade aumentada no museu do Prado #SecondCanvasPrado

O museu do Prado anunciou a app Second Canvas Museo del Prado, uma nova ferramenta eletrónica desenvolvida em conjunto com a empresa de produtos interativos Madpixel.
A aplicação propõe novas modalidades de partilha da obra de arte em dispositivos móveis, por enquanto, apenas para iPad e iPhone.
Continuar a ler

Selfie no museu

17 de março, Accademia delle Belle Arti di Brera, em Milão.
Um visitante, jovem estudante, em visita ao museu, encontrou a escultura Satiro ubriaco [sátiro adormecido], também conhecido como o Fauno Barberini, atribuída à oficina de Antonio Canova, datada de princípios do século XIX e de óbvia referência neoclássica, feita a partir da cópia de um original grego da época helenística, de cerca de 220 a.C., atualmente na Gliptoteca de Munique (Inv. 218). O jovem deve ter achado alguma graça à figura, ou à atitude, com o corpo estirado sobre uma rocha em evidente estado de embriaguez, a cabeça pendida sobre o ombro, o braço direito erguido a servir-lhe de apoio, as pernas despudoradamente abertas…
Continuar a ler

#MuseumBlogs Day

19 de março, o dia (também) dos blogues de museu

a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day

a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day

Se tudo e todos têm um dia, como podiam os blogues de museus não marcar também um dia? No twitter, ao longo do dia têm sido ininterruptas as conversas sobre museus: notícias, comentários, reflexões, provocações, partilhas…

Continuar a ler

O Tesouro de San Gennaro

Exposição “Le Trésor de Naples:  les joyaux de San Gennaro
Paris, Musée Maillol, 19 março – 20 julho 2014

O Tesouro de San Gennaro é considerado uma das principais coleções de ourivesaria e joalharia existentes no mundo, com um valor patrimonial comparável às joias da coroa de Inglaterra ou de França ou dos czares da Rússia. San Gennaro, bispo e mártir no século III, é o padroeiro da cidade de Nápoles, onde são veneradas as suas relíquias.

Collana di San Gennaro Ouro, prata, gemas e incorporação de joias. Michele Dato, 1679-1879.

Collana di San Gennaro
Ouro, prata, gemas e incorporação de joias. Michele Dato, 1679-1879.

Continuar a ler

Um lugar à margem

J. Paul Getty Museum,  Kempf, D. (n.d.) Monkeys in the margins. Acedido em: http://www.pinterest.com/gettymuseum/monkeys-in-the-margins/

Durante séculos, ficaram à margem. Longe do olhar, nos capitéis, escondidos na talha das molduras, perdidos entre as ramagens luxuriantes dos manuscritos medievais, ficavam à margem dos temas principais. O macaco, ou o homem selvagem, acompanhados por uma multidão de seres pérfidos ou maliciosos – cabras, porcos, javalis, grifos, sereias, centauros – criavam uma antonímia complementar da representação religiosa. Ao macaco, em particular, atribui-se uma função caricatural da humanidade, mas também uma oportunidade catártica de, através dele, se expressar o seu lado inferior e bestial.

Decorated Text Page (detail), Flemish, 1450s.  J. Paul Getty Museum

Decorated Text Page (detail), Flemish, 1450s.
J. Paul Getty Museum

Continuar a ler

Recontextualização da arquitetura de claustros medievais em Nova Iorque

Wu, N. (2014, mar.) “Building Stories: Contextualizing Architecture at the Cloisters“. In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art. http://www.metmuseum.org/toah/hd/buil/hd_buil.htm

Chapter House, 12th century French, Aquitaine; from the Cistercian abbey of Notre-Dame at Pontaut, south of Bordeaux Limestone brick, and plaster; 42 x 33 ft. (1 m 280 cm x 1 m 5 cm) The Cloisters Collection, 1935 (35.50)

Chapter House, 12th century
French, Aquitaine; from the Cistercian abbey of Notre-Dame at Pontaut, south of Bordeaux
The Cloisters Collection, 1935 (35.50)

Continuar a ler