O mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial

Brandão, I. F. (2016, 23 Nov.). ‘What’s in Lisbon?’: Portuguese sources in Nazi-era provenance research. Journal of Contemporary History (Ahead of print), 1-22. DOI: 10.1177/0022009416658699

Inês Fialho Brandão, licenciada em História e História da Arte (University of Edinburgh, 2000) e mestre em Estudos do Próximo Oriente, especialização em Estudos de Museu (New York University, 2002), prepara o doutoramento em História (National University of Ireland) com tese sobre o mercado português da arte entre 1933 e 1945, sob a orientação de Filipe Ribeiro de Meneses e com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia a (2012–15). Com experiência profissional no âmbito da museologia, é, atualmente, a responsável pelo Farol-Museu de Santa Marta, tutelado pela Câmara Municipal de Cascais.

O presente artigo, que se integra no âmbito mais alargado da investigação em curso para o doutoramento, propõe-se analisar os contextos do mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial e compreender a falta de envolvimento da comunidade académica e dos profissionais (e investigadores) dos museus no estudo da proveniência das obras de arte que ingressaram nas respetivas coleções entre 1933 e 1945. Nesse sentido, propõe-se identificar as fontes com informação acerca das atividades de compradores e vendedores de obras de arte em Portugal durante este período, a fim de estabelecer até que ponto o país, durante a Segunda Guerra Mundial, integrava as redes de transação internacionais e constituía uma plataforma de circulação da arte para outros destinos. A confirmar estas hipóteses, na segunda parte do artigo, estuda o caso de Karl Buchholz, com atividade registada em Portugal entre 1943-5, e que fazia parte do grupo restrito de negociantes alemães autorizados pelo Terceiro Reich a negociar a denominada “arte degenerada”.

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis. Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943 Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis.
Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Continuar a ler

Portugal no Conselho Internacional dos Museus (ICOM)

Na 24.ª Conferência Geral do Conselho Internacional dos Museus ICOM, em Milão, sob o tema “Museums and Cultural Landscapes”, estiveram presentes 3.500 profissionais de museus, em representação de 130 países. A relação entre museus e paisagens culturais (que foi também o tema da Dia Internacional dos Museus 2016) confirma a atualização do ICOM numa perspetiva de abertura à diversidade de culturas e aos contextos plurais em que o museu se insere. As mudanças rápidas e constantes que marcam a contemporaneidade exigem essa renovação contínua, mas também uma reflexão sobre os fenómenos que o ICOM se propõe prosseguir.

Continuar a ler

Luís Raposo, presidente do ICOM Europa

Luís Raposo foi eleito presidente do ICOM Europa, durante a Assembleia Geral do ICOM, em atividade paralela à 24.ª Conferência Trienal Mundial do ICOM, a decorrer em Milão, entre 3 e 9 de julho.

LuisRaposo

Arqueólogo e museólogo, Luís Raposo, ocupou, entre 1996 e janeiro de 2012, o cargo de diretor do Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, onde trabalha há mais de três décadas e dirige atualmente o departamento de investigação. Entre 2008 e 2014, foi presidente da Direção do ICOM Portugal e, desde 2010, fazia parte da Direção do ICOM Europa.

Eleito por pares, com 15 votos contra os 5 obtidos por Bernard Blache, do ICOM-França, é gratificante, para a comunidade museológica portuguesa, ver reconhecido o mérito de um dos seus membros. Juntemo-nos a quem o felicita, desejando-lhe o maior sucesso no cumprimento dos propósitos que o conduziram a este cargo.

Fonte da imagem:
http://doc-orlandoribeiro.blogspot.pt/2010_09_01_archive.html

Memórias de um livro: Thesaurus, vocabulário de objetos do culto católico

Rocca, S. V., & Guedes, N. C. (Eds. lit.), Roque, M. I., Guerreiro, D. (2004). Thesaurus: Vocabulário de objetos do culto católico. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa; Fundação da Casa de Bragança. Disponível em https://drive.google.com/file/d/0B7xgTMCrAWKfWVp3bV9GV3o5TkE/view
thesaurus

Continuar a ler

A estratégia da sauna finlandesa

As fronteiras das Humanidades Digitais: Ensaio de geografia política de uma comunidade científica.

Versão portuguesa do texto La stratégie du Sauna finlandais
Por Marin Dacos, 1 jun. 2013
https://bn.hypotheses.org/11138

Tradução:
Dália Guerreiro
UÉ-CIDEHUS
https://bdh.hypotheses.org/
Maria Isabel Roque
Universidade Europeia / UÉ-CIDEHUS
http://amusearte.hypotheses.org/

Resumo

Fala-se de Humanidades Digitais! Mas será que as Humanidades Digitais existem como comunidade unida e coerente? O governo desta comunidade é equilibrado e democrático? Até agora, ainda não tinha havido um estudo acerca desta comunidade, sustentado por um inquérito que abrangesse todos os seus membros, numa perspetiva multilinguística e geográfica. O inquérito “Who are you, Digital Humanists?” – lançado no THATCamp Luxemburgo (2012), e divulgado durante o DH2012, Hambourg – permitiu juntar uma amostra incompleta, ainda que significativa, de 850 indivíduos que aceitaram responder ao nosso questionário. Constatou-se, por um lado, uma grande diversidade linguística e geográfica, tendo havido um grupo de não participantes, por não terem visto o inquérito ou por não lhe terem prestado atenção, e, por outro lado, a exceção do inglês como primeira língua, a par da sua predominância como segunda língua. Revelou-se que as Humanidades Digitais estavam muito marcadas pela História e pelos estudos clássicos, mas muito pouco, realmente muito pouco, ligadas às disciplinas que se interessam pelo mundo contemporâneo, sejam as ciências da Web, ou as relacionadas com a mineração de dados e de textos. Descobriu-se também um evento de grande importância, o encontro Digital Humanities 2012, cujo tema era a diversidade cultural e que foi presidido pela Europa, América do Norte ou, mais precisamente, pelo Reino Unido e as sua ex-colónias (Irlanda, Canadá, Estados Unidos de América, Austrália). Diríamos que a anglofonia voltou a marcar pontos. A fim de medir os progressos da diversidade no âmago do poder da nossa comunidade, este artigo propõe a criação de um indicador, o Digital Humanities Decision Power (DHDP), para calcular a distância entre os grupos de Humanidades Digitais e medir as suas faculdades na peritagem e nos procedimentos de seleção científica. Com base neste indicador, seria necessário um debate coletivo para tornar a nossa comunidade mais aberta à diversidade linguística e geográfica. A isso, nós chamamos a estratégia da Sauna finlandesa.

Dacos_2013_estrategia-da-sauna-finlandesa

Digital Humanities involving people and museums

Kenderdine, S. (2016). Embodiment, entanglement and immersion in digital cultural heritage. In S. Schreibman, Siemens, & Unsworth (Eds.), A new companion to digital humanities (pp. 22-41). Chichester, West Sussex, UK; Malden, MA, USA: John Wiley & Sons.
new-companion-digital-humanities

Continuar a ler

Musealizar o sagrado

“Conversas sobre arte: Musealizar o sagrado”, Museu Diocesano de Santarém, 25 abr. 2015.

A pretexto da apresentação do último número (n.º 10) da revista Invenire, o Secretariado para os Bens Culturais da Igreja promoveu uma sessão de “Conversas sobre Arte”, no Museu Diocesano de Santarém.

Invenire (10), jan.-jun. 2015.

Invenire (10), jan.-jun. 2015.

Continuar a ler

Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: O diálogo possível.

Araújo, C. A. A. (2014). Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: O diálogo possível. São Paulo: ABRAINFO.

Fonte: Briquet de Lemos.

Fonte: Briquet de Lemos.

Carlos Alberto Ávila Araújo é professor na Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais, com um percurso académico entre o jornalismo e a comunicação social, acabando por convergir para a epistemologia da ciência da informação e para a articulação desta com as ciências patrimoniais (arquivística, biblioteconomia e museologia). Nos últimos anos, tem vindo a publicar artigos que, de alguma forma, anunciavam ou prenunciavam a obra de fundo que acaba de ser publicada pela Associação Brasileira de Profissionais da Informação (ABRAINFO), com o título Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: O diálogo possível.

Continuar a ler

Aleijadinho, virtuoso e virtual

(2014). Aleijadinho 3D [sítio eletrónico]. São Paulo: da Universidade de São Paulo (USP); Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC).

Aleijadinho, é alcunha de Antonio Francisco Lisboa (1730-1814), aludindo à deficiência física do mulato nascido no Brasil colonial, de cuja vida pouco se sabe. A mais antiga notabiográfica é póstuma, uma biografia escrita por Rodrigo José Ferreira Bretas cerca de 40 anos depois da morte supostamente apoiada em documentos e depoimentos contemporâneos, o que secundariza a cronologia dos factos para um registo secundário ao estudo da obra daquele que é unanimemente reconhecido como um dos artistas matriciais brasileiros e um dos maiores expoentes do Barroco e Rococó brasileiros. É consensual a filiação do arquiteto português Manuel Francisco Lisboa e de uma das suas escravas africanas, tal como parece certo que a doença o desfigurou, deteriorou o humor e o obrigou a trabalhar com as ferramentas presas às mãos enfermas.

Aleijadinho 3D [sítio eletrónico]. página de acolhimento.

Aleijadinho 3D [sítio eletrónico]. página de acolhimento.

Continuar a ler

Um blogue para “Coleccionar design”

Galeria Bessa Pereira, em Lisboa, tem vindo a superar o objetivo meramente comercial, levando a cabo uma série de iniciativas de divulgação do design português. Ao longo do primeiro ano de existência – inaugurou em abril de 2013 – sucederam-se exposições que resgataram a memória de designers portugueses colocando-os a par de criadores internacionais e articularam expressões de outras épocas com a linguagem da contemporaneidade. Ao mesmo tempo, conseguiu afirmar-se com mais de 600 Gostos no Facebook, através de uma comunicação centrada na divulgação do conhecimento, sem pretensiosismos, mas com correção.

Blogue Coleccionar Design

Blogue Coleccionar Design, 2014

Continuar a ler

Recontextualização da arquitetura de claustros medievais em Nova Iorque

Wu, N. (2014, mar.) “Building Stories: Contextualizing Architecture at the Cloisters“. In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art. http://www.metmuseum.org/toah/hd/buil/hd_buil.htm

Chapter House, 12th century French, Aquitaine; from the Cistercian abbey of Notre-Dame at Pontaut, south of Bordeaux Limestone brick, and plaster; 42 x 33 ft. (1 m 280 cm x 1 m 5 cm) The Cloisters Collection, 1935 (35.50)

Chapter House, 12th century
French, Aquitaine; from the Cistercian abbey of Notre-Dame at Pontaut, south of Bordeaux
The Cloisters Collection, 1935 (35.50)

Continuar a ler