Pão por Deus

No dia de Todos-os-Santos, é costume, grupos de crianças saírem à rua e andarem de porta em porta, a pedir o “Pão por Deus”. O pedido era acompanhado por cantilenas variadas: desde “Ó tia, dá Pão-por-Deus? Se o não tem Dê-lho Deus!” a outras bem mais elaboradas, como “Pão por Deus, Fiel de Deus, Bolinho no saco, Andai com Deus”. E, em resposta, agradecendo a esmola: “Esta casa cheira a broa, Aqui mora gente boa. Esta casa cheira a vinho, Aqui mora algum santinho.” Ou, se lhes fosse negado o pedido: “Esta casa cheira a alho, Aqui mora um espantalho. Esta casa cheira a unto, Aqui mora algum defunto.” Subjacente a todas as cantilenas, há um agradecimento se o pedido for satisfeito com uma oferta e ditos jocosos ou a promessa de travessuras se o pedido for negado.

Bolsa para a recolha do pão de Deus Foto: BurroVille, 2012

Bolsa para a recolha do pão de Deus
Foto: BurroVille, 2012

Continuar a ler

A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei

‘If my art has nothing to do with people’s pain and sorrow, what is ‘art’ for?’ (Ai Weiwei)

Ao longo da semana, assistimos ao desmantelamento da selva de Calais, esse enorme campo onde a crua fragilidade da nossa (des)humanidade era posta a nu: começou com o desmantelamento organizado e oficial das barracas, continuou através do enorme incêndio que as autoridades denunciam como fogo posto e manteve um incessante ritmo de transferência dos refugiados, levados de autocarro para centros de acolhimento dispersos em território francês.

Campo de refugiados em Calais Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Campo de refugiados em Calais
Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Continuar a ler

As obras da Ajuda: o futuro que sai da ferida

a geometria abre a linha para deixar passar a Imaginação.
O FUTURO sai da FENDA e da FERIDA.
[…]
Porque todo o vazio tem por INIMIGO a Imaginação.
Porque todo o vazio tem o Inimigo.

Tavares, 20121

Em novembro de 2014, foi noticiado que estava em desenvolvimento um projeto para remate da fachada ocidental do Palácio Nacional da Ajuda (PNA), segundo determinação do, então, Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier (vd. Roque, 2014, 22 nov.). As obras incluiriam um espaço museológico destinado à exposição permanente das joias do Tesouro Real, pelo que lhe seria alocado parte da indemnização recebida pelo seguro das joias roubadas na Holanda em 20022. Na altura, não foi divulgado o nome do arquiteto responsável pelo projeto, nem sobre o modelo de adjudicação ou prazo previsto para as obras. No entanto, a notícia foi suficiente para fazer rebentar a polêmica, ente aqueles que defendiam um projeto contemporâneo e os que preferiam uma linha mais arcaica e dê continuidade em relação ao edificado existente.

Lisbonne : vue du palais d´Ajuda Louis Lebreton, c. 1850. Paris: chez Bulla Fr.es; Lisboa: Manuel Costenla. Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal

Lisbonne : vue du palais d´Ajuda
Louis Lebreton, c. 1850.
Paris: chez Bulla Fr.es; Lisboa: Manuel Costenla.
Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal

Continuar a ler

  1. Poema de Gonçalo M. Tavares, citado pelo Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, no discurso que antecedeu a assinatura do protocolo para as obras do Palácio da Ajuda. Tavares, G. M. (2012). Investigações. Novalis. Lisboa: Difel. []
  2. Em 2 de dezembro de 2002, 50 joias das coras holandesa, francesa, britânica e portuguesa, na altura expostas no Museon, em Haia. O caso foi arquivado pelas autoridades holandesas, depois de uma investigação infrutífera, mas antes disso já Portugal havia recebido do seguro uma indemnização de 6,1 milhões de euros, definindo-se, desde logo, como destino de parte dessa verba, a construção de um espaço museológico para a exposição permanente das joias da coroa no PNA, tendo já sido gastos, em 2007, 1,5 milhões na compra da pintura “A deposição de Cristo no túmulo”, de Giovanni Tiepolo, para o Museu Nacional de Arte Antiga. []

Museu, o novo templo

Quase no final do percurso expositivo, senti o telemóvel a vibrar e saí para atender a chamada; fiquei junto à porta, a falar baixinho, sob o olhar atento do vigilante e, quando acabei, ao tentar regressar à sala, fui imediatamente advertida:
“Tem de voltar a entrar. Aqui é a saída!”
Quantos ordens, advertências, avisos a moldar o comportamento adequado ao espaço museológico!

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

A brincar com coisas sérias

“… andamos a brincar ao património”
A. F. Pimentel

A falta de uma política concertada em torno da cultura e do património provoca, inevitavelmente, fraturas na sua gestão. Ao mesmo tempo que se esbatem as fronteiras entre a cultura erudita e a cultura de massas, a indefinição dos conceitos gera igualmente a indeterminação dos fenómenos e a culturalização e patrimonialização de tudo o que deriva da criação humana ou constitui um vestígio, seja do passado, seja de outras realidades ainda não absorvidas pela globalização (e, por vezes, mesmo estas)1

Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

  1. É curioso observar o registo de publicações no grupo de Facebook “Arte, museus e património” e noutros de âmbito idêntico, para perceber o quanto estes conceitos se tornaram abrangentes e imprecisos: se é antigo ou invulgar, é património; se é produto de um pensamento criativo ou de uma habilidade manual, é arte; e tudo isto é cultura. []

A incrível corrida dos Pokémon

Pokémon, contração dos termos japoneses Poketto Monsutā (Monstros de bolso) começou como por ser um videojogo (Poketto Monsutā Aka e Midori, verde e vermelho), criado por Satoshi Tajiri, lançado no mercado em 1996. Pouco depois, passou para as telas de cinema e para os ecrãs de televisão, Os Pokémon são criaturas monstruosas, geralmente baseadas em animais reais ou em criaturas da mitologia oriental, ou em entes inanimados e lendários.

Galeria de tipos Pokémon

Galeria de tipos Pokémon

Continuar a ler

Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

Ponto de viragem: um novo modelo de gestão para o Museu Nacional de Arte Antiga

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é o nosso museu de referência.
Não sendo o primeiro museu português numa ordem cronológica, o museu abriu ao público a 12 de junho de 1884, com a designação de Museu de Belas Artes e Arqueologia, com a mais relevante coleção pública do património móvel artístico do país:

“No acervo, dominavam as tipologias chamadas de «belas-artes»: a pintura, proveniente do depósito de S. Francisco; a colecção de objectos litúrgicos de ourivesaria, transferida em 1867 da Casa da Moeda para a Academia; as colecções de escultura e artes decorativas vindas dos conventos femininos; e mesmo o acervo de desenhos, gravuras, arte ornamental e arqueologia, que vinha a ser adquirido pelo museu. A incorporação dos bens oriundos dos conventos das freiras, relançada pela Lei de Abril de 1861, conferiu maior homogeneidade à colecção deste museu como repositório da história da arte nacional.” (Roque, 2011, p. 59)

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes <br> O occidente. (21 Jan. 1882). 5(111), 17.

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes
O occidente
Lisboa: Lallement Frères. Ano 5, vol. V, n.º 111 (21 Jan. 1882), p. 17.

Continuar a ler

Res publica ou res privata: questões éticas na atividade museológica

A notícia da detenção do diretor de um museu1 suscitou forte agitação entre os pares da comunidade museológica e na sociedade civil. O alvoroço atingirá maiores proporções pelo facto de estarem em causa crimes de tráfico de influência, falsificação de documento, peculato, peculato de uso, participação económica em negócio e abuso de poder, envolvendo um serviço prestado junto a um órgão de soberania e um museu, onde a expetativa de idoneidade é suprema por tudo aquilo que representa, enquanto memória do nosso passado e repositório daquilo que culturalmente nos define.

Res Publica Wolfgang Weileder, 2012 Washington DC, Public Art Festival

Res Publica
Wolfgang Weileder, 2012
Washington DC, Public Art Festival

Continuar a ler

  1. Tive as maiores dúvidas antes de redigir este post, porque o a-muse-arte não é uma plataforma para expor e discutir casos judiciais. No entanto, o que aqui está subjacente são questões de ética e de deontologia profissional no âmbito de prática museológica. Isso decidiu-me: a ética é (deve ser) um assunto primordial e basilar no âmbito da museologia. []

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler

Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

Questões relacionadas com a gestão e o financiamento dos museus raramente geram consensos. Antes, suscitam discussões marginais em torno do acesso à cultura e ao património, das políticas de mercantilização, da submissão à pressão do mercado turístico e aos padrões da cultura de massa.

Nourishing the soul The Art Museum of WVU Foto: Raymond Thompson Jr.

Nourishing the soul
The Art Museum of WVU
Foto: Raymond Thompson Jr.

O debate, entre nós, tem sido fragmentado em torno de situações específicas. A propósito do plano estratégico cultural para a zona de Belém, houve uma discussão acesa nas redes sociais em torno do modelo de gestão da Monte da Lua, em Sintra (Vd. A quem pertence o nosso património?). Também a ampliação do Museu do Chiado e a abertura do novo Museu dos Coches suscitaram uma ampla discussão que se estendeu à praça pública. Da mesma forma, se hoje parece não haver dúvidas em relação à eficácia do crowdfunding lançado pelo Museu Nacional de Arte Antiga para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, mas as dúvidas acerca do procedimento foram uma constante ao longo de todo o processo.

Continuar a ler

O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

O episódio foi rápido e conta-se de forma igualmente breve: um indivíduo de 24 anos tentou subir à peanha de suporte à escultura do rei D. Sebastião, na entrada da estação do Rossio, a pedra não aguentou o peso e a estátua caiu desfeita no chão. O indivíduo não sofreu quaisquer lesões, mas quis o acaso que estivessem no local dois agentes da PSP que registaram o ato e identificaram o autor, que irá ser processado pela Infraestruturas de Portugal (IP), a empresa que gere o património da estação e pretende ser ressarcida das despesas relacionadas com o restauro, e provavelmente, pelo Ministério Público dado que o edifício está classificado como património nacional.

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião Foto: Rádio Renascença

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião
Foto: Rádio Renascença

Continuar a ler

Museums and digital humanities: from the divide to the bridges

In recent times, many (well, maybe not so many!) projects have been announced, introducing Digital Humanities in museums. Slowly but surely, museums are decreasing the divide that separates them from the digital tools.

F. no Lisboa Story Center Foto: MIR, 2014.

F. no Lisboa Story Center
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Imagens de Cristo esculpidas de dor

Nos primeiros tempos do Cristianismo, o tema da crucificação era representado simbolicamente como o sacrifício do Cordeiro de Deus, validando os termos da corrente docetista monofisita, que anulava a natureza humana de Cristo, ou da doutrina nestoriana, que lhe atribuía uma dupla natureza, enquanto Deus e enquanto homem, pelo que a morte de Cristo ou era apenas aparente ou não incluía a sua dimensão divina. Em oposição a estas doutrinas, o Concílio de Calcedónia, reunido em 451, instaurou o dogma da Encarnação como união hipostática: “o Senhor nosso Jesus Cristo, perfeito na sua divindade e perfeito na sua humanidade, verdadeiro Deus e verdadeiro homem” (Concílio da Calcedónia, 4.º ecuménico, 5.ª sessão. In Denzinger, 2007, p. 113). Foi neste contexto que, ainda no século V, surgiram as primeiras figurações humanas de Cristo crucificado, com os olhos abertos e a cabeça erguida, com um diadema real em substituição da coroa de espinhos, firmando a tradição bizantina da representação de Christus triumphans, vivo e triunfante sobre a morte. O corpo, com os braços abertos horizontalmente sobre a trave da cruz e os pés apoiados no supedâneo, aparenta estar de pé. Estendendo-se a todo o mundo cristão, este modelo dominou a iconografia medieval até ao século XI.

Cristo crucificado, dito de San Damiano Autor desconhecido, c. 1100 Assis, Basílica de Santa Clara

Cristo crucificado, dito de San Damiano
Autor desconhecido, c. 1100
Assis, Basílica de Santa Clara

Continuar a ler

Torre de Matrera: autenticidade ou falsificação?

A torre de Matrera, em Cádis, foi alvo de uma ação de restauro sob a responsabilidade do arquiteto Carlos Quevedo Rojas. O currículo do arquiteto neste domínio é inquestionável, com dois mestrados em arquitetura e património pelas universidades de Sevilha e de Granada, uma especialização em restauro de monumentos pela La Sapienza de Roma, e responsável por outros projetos de restauro importantes, como o da igreja de El Salvador ou de La Maestranza, em Sevilha. Não obstante, a solução de restauro do castelo de Cádis tem sido questionada e, sobretudo, denunciada como um atentado ao património.

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Continuar a ler