Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

Ponto de viragem: um novo modelo de gestão para o Museu Nacional de Arte Antiga

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é o nosso museu de referência.
Não sendo o primeiro museu português numa ordem cronológica, o museu abriu ao público a 12 de junho de 1884, com a designação de Museu de Belas Artes e Arqueologia, com a mais relevante coleção pública do património móvel artístico do país:

“No acervo, dominavam as tipologias chamadas de «belas-artes»: a pintura, proveniente do depósito de S. Francisco; a colecção de objectos litúrgicos de ourivesaria, transferida em 1867 da Casa da Moeda para a Academia; as colecções de escultura e artes decorativas vindas dos conventos femininos; e mesmo o acervo de desenhos, gravuras, arte ornamental e arqueologia, que vinha a ser adquirido pelo museu. A incorporação dos bens oriundos dos conventos das freiras, relançada pela Lei de Abril de 1861, conferiu maior homogeneidade à colecção deste museu como repositório da história da arte nacional.” (Roque, 2011, p. 59)

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes <br> O occidente. (21 Jan. 1882). 5(111), 17.

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes
O occidente
Lisboa: Lallement Frères. Ano 5, vol. V, n.º 111 (21 Jan. 1882), p. 17.

Continuar a ler

Res publica ou res privata: questões éticas na atividade museológica

A notícia da detenção do diretor de um museu1 suscitou forte agitação entre os pares da comunidade museológica e na sociedade civil. O alvoroço atingirá maiores proporções pelo facto de estarem em causa crimes de tráfico de influência, falsificação de documento, peculato, peculato de uso, participação económica em negócio e abuso de poder, envolvendo um serviço prestado junto a um órgão de soberania e um museu, onde a expetativa de idoneidade é suprema por tudo aquilo que representa, enquanto memória do nosso passado e repositório daquilo que culturalmente nos define.

Res Publica Wolfgang Weileder, 2012 Washington DC, Public Art Festival

Res Publica
Wolfgang Weileder, 2012
Washington DC, Public Art Festival

Continuar a ler

  1. Tive as maiores dúvidas antes de redigir este post, porque o a-muse-arte não é uma plataforma para expor e discutir casos judiciais. No entanto, o que aqui está subjacente são questões de ética e de deontologia profissional no âmbito de prática museológica. Isso decidiu-me: a ética é (deve ser) um assunto primordial e basilar no âmbito da museologia. []

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler

Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

Questões relacionadas com a gestão e o financiamento dos museus raramente geram consensos. Antes, suscitam discussões marginais em torno do acesso à cultura e ao património, das políticas de mercantilização, da submissão à pressão do mercado turístico e aos padrões da cultura de massa.

Nourishing the soul The Art Museum of WVU Foto: Raymond Thompson Jr.

Nourishing the soul
The Art Museum of WVU
Foto: Raymond Thompson Jr.

O debate, entre nós, tem sido fragmentado em torno de situações específicas. A propósito do plano estratégico cultural para a zona de Belém, houve uma discussão acesa nas redes sociais em torno do modelo de gestão da Monte da Lua, em Sintra (Vd. A quem pertence o nosso património?). Também a ampliação do Museu do Chiado e a abertura do novo Museu dos Coches suscitaram uma ampla discussão que se estendeu à praça pública. Da mesma forma, se hoje parece não haver dúvidas em relação à eficácia do crowdfunding lançado pelo Museu Nacional de Arte Antiga para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, mas as dúvidas acerca do procedimento foram uma constante ao longo de todo o processo.

Continuar a ler

O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

O episódio foi rápido e conta-se de forma igualmente breve: um indivíduo de 24 anos tentou subir à peanha de suporte à escultura do rei D. Sebastião, na entrada da estação do Rossio, a pedra não aguentou o peso e a estátua caiu desfeita no chão. O indivíduo não sofreu quaisquer lesões, mas quis o acaso que estivessem no local dois agentes da PSP que registaram o ato e identificaram o autor, que irá ser processado pela Infraestruturas de Portugal (IP), a empresa que gere o património da estação e pretende ser ressarcida das despesas relacionadas com o restauro, e provavelmente, pelo Ministério Público dado que o edifício está classificado como património nacional.

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião Foto: Rádio Renascença

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião
Foto: Rádio Renascença

Continuar a ler

Museums and digital humanities: from the divide to the bridges

In recent times, many (well, maybe not so many!) projects have been announced, introducing Digital Humanities in museums. Slowly but surely, museums are decreasing the divide that separates them from the digital tools.

F. no Lisboa Story Center Foto: MIR, 2014.

F. no Lisboa Story Center
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Imagens de Cristo esculpidas de dor

Nos primeiros tempos do Cristianismo, o tema da crucificação era representado simbolicamente como o sacrifício do Cordeiro de Deus, validando os termos da corrente docetista monofisita, que anulava a natureza humana de Cristo, ou da doutrina nestoriana, que lhe atribuía uma dupla natureza, enquanto Deus e enquanto homem, pelo que a morte de Cristo ou era apenas aparente ou não incluía a sua dimensão divina. Em oposição a estas doutrinas, o Concílio de Calcedónia, reunido em 451, instaurou o dogma da Encarnação como união hipostática: “o Senhor nosso Jesus Cristo, perfeito na sua divindade e perfeito na sua humanidade, verdadeiro Deus e verdadeiro homem” (Concílio da Calcedónia, 4.º ecuménico, 5.ª sessão. In Denzinger, 2007, p. 113). Foi neste contexto que, ainda no século V, surgiram as primeiras figurações humanas de Cristo crucificado, com os olhos abertos e a cabeça erguida, com um diadema real em substituição da coroa de espinhos, firmando a tradição bizantina da representação de Christus triumphans, vivo e triunfante sobre a morte. O corpo, com os braços abertos horizontalmente sobre a trave da cruz e os pés apoiados no supedâneo, aparenta estar de pé. Estendendo-se a todo o mundo cristão, este modelo dominou a iconografia medieval até ao século XI.

Cristo crucificado, dito de San Damiano Autor desconhecido, c. 1100 Assis, Basílica de Santa Clara

Cristo crucificado, dito de San Damiano
Autor desconhecido, c. 1100
Assis, Basílica de Santa Clara

Continuar a ler

Torre de Matrera: autenticidade ou falsificação?

A torre de Matrera, em Cádis, foi alvo de uma ação de restauro sob a responsabilidade do arquiteto Carlos Quevedo Rojas. O currículo do arquiteto neste domínio é inquestionável, com dois mestrados em arquitetura e património pelas universidades de Sevilha e de Granada, uma especialização em restauro de monumentos pela La Sapienza de Roma, e responsável por outros projetos de restauro importantes, como o da igreja de El Salvador ou de La Maestranza, em Sevilha. Não obstante, a solução de restauro do castelo de Cádis tem sido questionada e, sobretudo, denunciada como um atentado ao património.

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Continuar a ler

Um retrato para o Presidente

Barahona Possolo nasceu em 1967, em Lisboa, onde se licenciou em pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa Encontra-se representado nas coleções do Banco de Portugal, dos museus de Setúbal e das Comunicações. A última exposição ocorreu em dezembro passado no Espaço Cultural das Mercês.

Vénus entre o pudor e a luxúria Barahona Possolo, 2010

Vénus entre o pudor e a luxúria
Barahona Possolo, 2010

Pintor de expressão hiper-realista, inscrito numa nova figuração erótica que, em certa medida, permite evocar algumas obras de Jeff Koons, ambos com uma iconografia erótica de grande detalhe, em particular, na representação explícita da anatomia genital – na página oficial, adverte-se acerca dos conteúdos para adultos –, exprimindo-se Barahona em temas clássicos e cenários que oscilam entre o minimalismo, o exotismo dos gabinetes de curiosidades e a exuberância dos adereços barrocos.

Em 2013, a propósito da exposição “All you can eat: Uma interpretação dos sete sabores”, afirmava à Time Out Lisboa (3013, 27 nov.): “Quase tudo o que faço tem algum erotismo de forma explícita ou subtil” (cit. in Horta, 2015). Além disso, justificava:

“Pelo realismo das imagens, talvez se possa dizer que sou retratista. Interessa-me um retrato da emoção do momento, mas não o retrato-imitação, de porcelana, isso não me interessa nada, até porque os temas que escolho partem qualquer loiça”. (Id., ibid.)

Barahona Possolo foi o escolhido para o retrato oficial do Presidente Cavaco Silva. Foram pintados dois retratos e um grupo restrito de 40 pessoas votou no melhor, sem conhecer o nome dos respetivos autores. De resto, continua sem ser conhecido o nome do preterido.

Retrato do Presidente Cavaco Silva Barahona Possolo, 2016

Retrato do Presidente Cavaco Silva
Barahona Possolo, 2016

Continuar a ler

A quem pertence o nosso património?

Num grupo de amigos, discutíamos a quem pertence o património que é de todos nós. A quem cabe decidir quem lhe tem acesso, quem deve pagar a manutenção e a conservação e restauro, quem determina o que é visto e de que forma deve ser acedido, quem decide as regras a que está sujeito? A discussão surgiu a propósito do preço dos ingressos: uma família, ou um grupo de dois adultos e duas crianças, paga mais de cem euros para, numa ida a Sintra, visitar o Palácio da Vila, o Castelo dos Mouros e o Palácio da Pena; se a isto juntar o Palácio de Monserrate, o Convento dos Capuchos e o Chalet da Condessa d’Edla, paga quase cento e oitenta euros. As visitas guiadas não estão incluídas.

Sintra

Sintra; Palácio da Vila

Palácio da Pena Foto: PSML

Palácio da Pena
Foto: PSML

Continuar a ler

Memórias de Umberto Eco

Sinto um sopro de frio, levanto os olhos.
Porque é que o Sol se está a tornar negro?
Umberto Eco1

A noite surpreendeu-nos com a notícia da morte de Umberto Eco, envolta na brevidade crua das referências biográficas que o definem como “o escritor, filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo italiano” e “autor de O nome da Rosa”, mas são incapazes de descrever uma vida feita de tantos mundos.

Umberto Eco (1932 -2016)

Umberto Eco (1932 -2016)

Conheci Umberto Eco através da mais enfadonha das obras, Como se faz uma tese, em ciências humanas, mas foi com a orientação dela que fiz os trabalhos na licenciatura e que continuei a utilizar como manual. Quase ao mesmo tempo, fui surpreendida pelo fascínio de O nome da rosa, que me dava uma visão do tempo medieval, simultaneamente afim e alternativa, à que tinha na faculdade, incapaz de parar antes de chegar ao fim, presa às deduções do frade Willian de Baskerville e deslumbrada com a descrição da biblioteca. Depois, O pêndulo de Foulcauld, novamente presa a partir do momento em que Casaubon se escondeu no Musée des Artes et Métiers, no início de longa espera, descortinando a vida oculta dos bastidores do museu, numa nova procura do Santo Graal, e tendo, uma vez mais, como pano de fundo, o mundo maravilhoso dos livros. Depois, foram os outros, num crescendo de gosto: A ilha do dia antes e uma extraordinária evocação da vida e das memórias que se prende às coisas, quando o náufrago encontra o navio deserto; Baudolino, com a história do maior mentiroso, que deambula à procura de mundos exóticos, povoados de eunucos, unicórnios e outras estranhas figuras, a busca de Preste João, e chega a forjar o Santo Graal, a partir da tigela de madeira que pertencera ao pai; o Cemitério de Praga, de que o Jorge Vaz de Carvalho me falou longamente, antes de o poder ler talvez a ficção mais verídica de Umberto Eco, onde a falsificação conhecida como “Os protocolos dos sábios de Sião” se propaga como se fosse verídica e com cruéis consequências para a história presente. Entre eles, A misteriosa chama da rainha Loana, com a história de Giambattista Bodoni, Yambo, um vendedor de livros antigos que perde a memória episódica, e é pretexto para um extraordinário elenco de referências da vida e da cultura contemporânea. É neste livro que centro as minhas memórias de Umberto Eco, o autor que não morreu, porque tenho aqui na estante, à espera do tempo que não tenho tido, o Número Zero.

Foi, porém, a Obra aberta que, juntamente com os textos Roland Barthes, determinou a forma como estudo, da história da arte à museologia. Foi a partir de Eco que a semiótica se tornou pansemiótica, enquadrando a investigação polissémica e transversal da comunicação visual. Lido e relido, Umberto Eco tornou-se a referência, em obras como Arte e beleza na estética medieval, A definição da arte, História da beleza, História do feio, A vertigem das listas.

Referência inevitável, relembro as últimas aulas do último semestre e a forma como os meus alunos descobriram, leram e interpretaram o texto de “O hábito fala pelo monge”, a confirmar a atualidade e a vivacidade do pensamento de Eco, capaz de dar sentido às coisas mais ínfimas da vida e mais óbvias do nosso quotidiano.

Foi a partir de um texto de Eco, que comecei a ler no ipad, sem trair o gosto pelo livro, pelo cheiro do papel e da tinta, pela voluptuosidade de virar a página.

Sempre acalentei a secreta esperança de o vir a conhecer. Percorri a universidade de Bolonha com a íntima expetativa de encontrar o Mestre. E acabo de descobrir agora que isso já não será possível. Resta-me a certeza de ainda ter ali, à minha espera, o Número zero e todos os outros textos, lidos, alguns ainda não lidos, outros cuja releitura é sempre renovada e inesperada.

Fontes das imagens:
http://static.prsa.pl/images/877b8ea9-6177-4b53-8718-8ca8d3c3e11f.jpg
http://www.fanpop.com/clubs/poets-and-writers/images/35867431/title/umberto-eco-photo

  1. Eco, U. (2005). A misteriosa chama da rainha Luana. Lisboa: Difel, p. 414. []

O amanhã do museu começa hoje

“[…] eles ignoravam que hoje era ontem e haveria amanhã”
Clarice Lispector1

Após séculos e séculos de colecionismo privado, a idade dos museus implantou-se no século XIX como um espaço para a preservação do património a transmitir às gerações futuras. O museu surgiu sob um signo de sacralidade – no momento em que a sociedade se tornava laica, o sentimento religioso impregnava-se na glorificação do passado e dos seus testemunhos materiais – constituindo-se como um reduto separado da vida quotidiana, um santuário adequado à mitificação das coleções de pintura e escultura, ourivesaria, joalharia, mobiliário, manuscritos iluminados e códices.

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

  1. Lispector, C. (1974). Onde estivestes de noite? Rio de Janeiro: Artenova. []

Cultural tourism and digital humanities

Co-author: Dália Guerreiro

Tourism sector has been reformulated in the post-modern society and, over the past six decades, has experienced continued expansion and diversification, but it faces challenges demanding it to develop innovative solutions for the consumption of the cultural heritage. Meanwhile, advances in technologies for aggregating and searching collections data had open the debate about how museums and heritage sites may use digital data to promote their collections knowledge and to react to the visitors’ diversified expectations.

We are like vapours: Pacifying the South China Sea Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

We are like vapours: Pacifying the South China Sea
Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

Continuar a ler