Em torno da questão dos mármores do Partenon

Ao fim de tantos anos em exposição permanente no Museu Britânico, um fragmento do frontão ocidental do Partenon de Atenas, a figura alegórica do rio Ilisso  encontra-se atualmente no Museu Hermitage, que comemora 250 anos. Como refere Neil MacGregor, diretor do museu Britânico, num artigo intitulado “Loan of a Parthenon sculpture to the Hermitage: a marble ambassador of a European ideal”, publicado no blogue institucional do museu: “The British Museum is a museum of the world, for the world and nothing demonstrates this more than the loan of a Parthenon sculpture to the State Hermitage Museum in St Petersburg to celebrate its 250th anniversary.” (MacGregor, 2014, 5 dez.)

A figura alegórica do rio Ilisso no Museu Britânico. Foto: Yair Haklai, 2009.

A figura alegórica do rio Ilisso no Museu Britânico.
Foto: Yair Haklai, 2009.

Aparentemente e a julgar pelas palavras de MacGregor, o empréstimo de uma peça do Britânico a um outro museu é, tão-somente, um procedimento vulgar no âmbito da ação museológica, à parte a circunstância de estarem envolvidos dois dos maiores museus mundiais. Mas não é!

Não é, porque não se trata do empréstimo de uma peça qualquer, nem este é um procedimento corrente por parte do museu. Na verdade, esta é a primeira vez que o Museu Britânico empresta uma das esculturas provenientes da acrópole ateniense e provoca nova onda de crispação na polémica ancestral acerca da posse deste espólio.

“Not here”: nota sobre o empréstimo da peça Foto: Facundo Arrizabalaga/EPA, 5 dez. 2014.

“Not here”: nota sobre o empréstimo colocada no Museu Britânico
Foto: Facundo Arrizabalaga/EPA, 5 dez. 2014.

A questão remonta ao início do século XIX, quando Lord Elgin, embaixador britânico junto ao império otomano, que anexara a Grécia, obteve autorização para retirar uma parte substancial da decoração esculpida do Partenon e enviá-los para Londres. “Usando métodos pouco apropriados, que não só deixaram cicatrizes visíveis no templo como mutilaram algumas peças para facilitar a remoção e o transporte, esta terá sido uma das mais polêmicas recolhas no âmbito da arqueologia e da museologia […].” (Roque, 2012, 71) Sucedeu-se um longo e conturbado processo até que, em 1816, o Museu Britânico pudesse adquirir a coleção. De facto, “a chegada das esculturas teve um grande impacto na opinião pública europeia, suscitando críticas, nomeadamente, por parte da elite intelectual britânica.” (Id., ibid.). Já na altura se questionava o fenómeno de descontextualização como uma ocorrência inevitável no decurso da transferência do património, do local de origem para o destino implicitamente artificial do museu. Sugeria-se, também, a perda de valor patrimonial inerente a este processo, quer no que se refere ao conjunto de origem – o todo que fica truncado –, quer no se refere ao elemento que é deslocado – a parte retirada do todo.

Ao mesmo tempo que os museus se organizavam como repositórios da cultura material e se procuravam afirmar através do prestígio e abrangência das suas referências, aumentava a contestação e surgia o conceito de proteção patrimonial.1

Mais recentemente, Melina Mercouri, Ministra da Cultura grega, durante as décadas de 1980 e 1990, revelando-se profundamente empenhada na devolução dos chamados “mármores de Elgin”, voltou a relançar a questão. Desde então, a Grécia tem vindo a fundamentar esta pretensão, a buscar apoios internacionais e a sensibilizar a opinião pública. Em 2009, foi inaugurado o novo museu da Acrópole, projetado por Bernard Tschumi e Michael Photiadis, com uma museografia límpida e coerente na articulação dos frontões, frisos e métopas do Parténon, substituindo os originais2 por réplicas. Até ao momento da inauguração, manteve-se a esperança de que Inglaterra reconsiderasse e cedesse o espólio, pelo menos, parte dele e temporariamente. Se, até à data, o museu não viu cumprido o seu propósito, continua a ser um dos mais fundamentados suportes às razões de ordem ética, mas também histórica, cultural estética, académica e, naturalmente, museológicas, invocadas pelos defensores da reunião dos mármores.

A firmeza da recusa britânica em atender as repetidas solicitações de Atenas torna mais incompreensível o empréstimo da figura truncada (faltam-lhe a cabeça e as mãos) de Ilisso ao Hermitage. Num artigo publicado no The Guardian, Helena Smith (2014, 5 dez.) regista a “furiosa” reação dos gregos a este empréstimo: Antonis Samaras, primeiro-ministro da Grécia, considerou-o uma afronta ao povo grego; Costas Tasulas, ministro da Cultura, fala em provocação, sobretudo numa altura em que se reiniciam negociações com o Museu Britânico, num processo mediado pela UNESCO, para a reunião das esculturas no Museu da Acrópole; Dimitris Pantermalis, diretor deste museu, estranha que Inglaterra tenha, agora, ignorado a fragilidade dos mármores, o habitual fundamento para recusar a sua deslocação para Atenas. Todos eles defendem que este empréstimo abre um precedente e invalida a argumentação de inamovibilidade das peças por razões de preservação e conservação das peças.

Este empréstimo acontece no momento em que o apoio internacional à causa grega se torna mais substantivo e é publicitado por outras circunstâncias marginais, mas relevantes para a mediatização deste processo: acaba de estrear o filme Promajos3, dirigido pelos irmãos  Coerte y John Voorhees, filhos de um advogado que trabalha no processo de devolução das esculturas, e cujo argumento gira em torno deste tema; fala-se que Amal Almamuddin, a advogada internacional que protagonizou um dos mais importantes episódios mediáticos dos últimos tempos ao casar com o ator George Clooney…

É difícil vislumbrar o alcance deste empréstimo, excêntrico no contexto de um dos temas mais polémicos da atualidade museológica e, também, singular na atual conjuntura política e diplomática entre a Rússia e a Europa. E de conflito museológico também: a Rússia reclama a devolução do ouro cita emprestado à Holanda antes da anexação da Crimeia e, em abril, através da agência noticiosa Tass, informou que a recusa, por parte das autoridades holandesas, em resolver a situação a contento, isso resultaria na não-cooperação dos museus russos com os museus da União Europeia.

Exposição no Museu Hermitage Foto: AP Photo/Dmitry Lovetsky

Exposição no Museu Hermitage
Foto: AP Photo/Dmitry Lovetsky

O empréstimo de Ilisso tem o mérito de forçar a reflexão acerca do significado de património mundial, da definição da posse e do direito aos bens culturais e civilizacionais. Do ponto de vista patrimonial, o cerne da questão está no efeito da descontextualização dos espólios retirados dos locais de origem. Os grandes museus, ditos internacionais, cujas coleções são maioritariamente constituídas a partir de expedições arqueológicas realizadas no âmbito das políticas imperialistas e coloniais do século XIX, argumentam que isso permitiu a salvaguarda dos bens provenientes de zonas de risco, apesar de quase todos eles terem estado em situação de perigo durante as guerras mundiais.

Não obstante, a transferência de espólios é bem mais remota e ampla, nomeadamente, no que se refere aos despojos de guerra. A devolução de peças, em certa medida aconselhada pelo ICOM, tem sido muito cautelosa e restringe-se quase exclusivamente a restos mortais e a objetos de grande sacralidade. Dificilmente se imagina o impacto que teria a devolução dos bens a todos os que reclamam a sua pertença, alegando transações e alienações ilícitas: como seria o mapa museológico e patrimonial daí resultante?

Neil MacGregor – relevando o tom provocatório que lhe está subjacente –, a propósito do mármore como embaixador do ideal europeu, cita a oração fúnebre aos mortos na guerra do Peloponeso proferido por Péricles, segundo o registo de Tucídides, para proclamar a natureza universal do património: “A terra inteira é a sepultura do homem glorioso. E o seu memorial não está gravado apenas na pedra do seu lar, mas bem longe, em terras estrangeiras, na memória de cada homem.” Porém, um pouco mais à frente do discurso, Péricles também afirmava que “o prazer não consiste, como pretendem alguns, em amontoar riquezas, mas em inspirar respeito” (Péricles, Oração fúnebre, §44, trad. a partir de Tracy, 2009, 75-76). Aqui, sim, parece residir o nosso ideal.

Referências bibliográficas:
MacGregor, N. (2004, 5 dez.). Loan of a Parthenon sculpture to the Hermitage: A marble ambassador of a European ideal. The British Museum blog. Acedido em http://blog.britishmuseum.org/2014/12/05/loan-of-a-parthenon-sculpture-to-the-hermitage-a-marble-ambassador-of-a-european-ideal/
Roque, M. I. R. (2012, jan.-fev.) O museu de arte perante o desafio da memória. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Humanas, 7(1), 67-85. Acedido em http://www.scielo.br/pdf/bgoeldi/v7n1/a06v7n1.pdf
Smith, H. (2004, 5 dez.) Parthenon marbles: Greece furious over British loan to Russia. The Guardian. Acedido em http://www.theguardian.com/artanddesign/2014/dec/05/parthenon-marbles-greece-furious-british-museum-loan-russia-elgin
Tracy, S. V. (2009). Pericles: A sourcebook and reader. CA: University of California Press.

Fontes das imagens:
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Figure_of_a_river_god-Parthenon-British_Museum.jpg
http://www.rappler.com/world/regions/europe/77154-greece-protest-uk-elgin-marbles-loan-russia
http://news.yahoo.com/british-museum-loans-elgin-marbles-1st-time-091139777.html

  1. A questão da fixação do conceito de proteção do património no quadro das expedições europeias aos locais das antigas civilizações pré-clássicas e clássicas para recolha de vestígios materiais que remetiam para os museus que as patrocinavam foi abordado em Roque, 2012. []
  2. Os originais, além do Museu Britânico, encontram-se dispersos pelos Museus do Vaticano, Museu Nacional, em Copenhague, Glipoteca, em Munique, Museu de História da Arte, em Viena, e Museu da Universidade, em Würzburg. []
  3. Promajos é um dos epítetos da deusa Atena, cuja estátua criselefantina se encontrava no interior do seu templo, na Acrópole de Atenas []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *