A (in)definição de museu

Quando o assunto é a definição de museu, é frequente encontrar, em epígrafe, uma citação de Richard Grove:

“A hospital is a hospital. A library is a library. A rose is a rose. But a museum is Colonial Williamsburg, Mrs. Wilkerson’s Figure Bottle Museum, the Museum of Modern Art, the Sea Lion Caves, the American Museum of Natural History, the Barton Museum of Whiskey History, The Cloisters, and Noell’s Ark and Chimpanzee Farm and Gorilla Show.” (Grove, 1968, cit. in Alexander & Alexander, 2008, p. 1)

Um hospital é um hospital, uma biblioteca é uma biblioteca, uma rosa é uma rosa, mas um museu não é “um” museu: é “aquele” museu e não outro. Cada museu, com um espólio exclusivo, constituído por peças únicas, é uma realidade singular, definida através dessa mesma exclusividade. Devido a esta multiplicidade de circunstâncias individualizadas, o museu, enquanto conceito genérico, revela-se na sua complexidade, difícil de definir, ou de descrever sumariamente.

Apolo e as Musas no Monte Hélicon
Claude Lorrain, 1680.
Boston, Museum of Fine Arts

Etimologicamente, museu (do gr. Mouseion, lat. Museum) significa, literalmente, o templo das Musas que, na mitologia grega eram divindades femininas, filhas de Zeus e Mnemósine, a personificação da memória. Zeus foi compelido a gerar quem pudesse cantar a vitória dos deuses do Olimpo sobre os descendentes de Urano e para isso dormiu dez noites seguidas com Mnemósine que, passado um ano, deu à luz dez filhas capazes de cantar o passado, o presente e o futuro, acompanhadas por Apolo citaredo.  Eram as Musas que presidiam às artes liberais: Clio, à história; Euterpe, à música; Talia, à comédia; Melpómene – tragédia; Terpsícore, à dança; Erato, à elegia; Polínia, à poesia lírica; Urânia, à astronomia; e Calíope, à eloquência. Foram elas que inspiraram a Teogonia de Hesíodo, a quem entregaram um cetro feito a partir de uma rama de loureiro e lhe infundiram a voz divina para celebrar o passado e o futuro (Teogonia, 20-35). Se as artes plásticas que constituem o acervo daquela que será, porventura, a mais expressiva tipologia museológica eram, à época, artes menores ou servis, é este atributo celebrativo de perpetuação da memória que continua a inspirar o museu.

O museu, porém, é muito mais que isso. Os dicionários tendem a distinguir entre estrutura institucional, espaço físico e conteúdo patrimonial.  No Dicionário Houaiss da língua portuguesa, o item “museu” é descrito como: “Instituição dedicada a buscar, conservar, estudar e expor objetos de interesse duradouro ou de valor artístico, histórico, etc.”; “Local onde tais objetos são expostos”; “Coleção, reunião de objetos raros; miscelânea, variedade”.

O Conselho Internacional de Museus (ICOM) definiu o museu em 1946 e, desde então, tem vindo a reformulá-la procurando adequa-la à realidade de cada época. A última atualização está incluída nos Estatutos do ICOM aprovados na 22.ª Assembleia Geral, em Viena de Áustria, em 2007, acrescentando a referência ao património imaterial. Esta definição incorpora a missão e as funções patrimoniais que lhe estão associadas:

O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite. (ICOM, 2017)

A Lei-quadro dos Museus Portugueses, Lei n.º 47/2004, de 19 de agosto, embora assuma basear-se no conhecimento da realidade portuguesa, está conforme as orientações internacionais, apresentando uma definição de museu muito próxima da veiculada pelo ICOM:

Artigo 3.o
Conceito de museu
1 — Museu é uma instituição de carácter permanente, com ou sem personalidade jurídica, sem fins lucrativos, dotada de uma estrutura organizacional que lhe permite:
a) Garantir um destino unitário a um conjunto de bens culturais e valorizá-los através da investigação, incorporação, inventário, documentação, conservação, interpretação, exposição e divulgação, com objectivos científicos, educativos e lúdicos;
b) Facultar acesso regular ao público e fomentar a democratização da cultura, a promoção da pessoa e o desenvolvimento da sociedade.

Comuns a ambas as definições, estão os princípios instituição permanente e sem fins lucrativos, bem como o enunciado das funções de aquisição/incorporação, conservação, inventário/documentação/investigação, exposição e comunicação/interpretação/divulgação. Ambas identificam o objetivo tríplice relacionado com a aquisição do conhecimento (estudo ou objetivo científico), a pedagogia (objetivo educativo) e o prazer (objetivo lúdico).

Vue de l’intérieur de la grande galerie du Louvre fréquentée par des touristes et des peintres
Thomas Allom e J.B. Allen, c. 1844

No entanto, estes enunciados sofrem os efeitos da própria condição de definição, generalistas e, portanto, redutores face a uma realidade específica e complexa. Em particular, a forma como cada museu articula as várias componentes do tríplice objetivo, ou a forma como uma delas se sobrepõe às restantes, cria espaços diferentes e, do ponto de vista do visitante (real ou virtual), experiências completamente distintas. Em certos aspetos, ainda, a rigidez da definição pode cingir a capacidade do museu em adequar-se às dinâmicas dos modelos educativos, das metodologias de investigação e das modalidades de lazer.

Em certa medida, poder-se-ia pressentir aqui o prenúncio de uma crise de identidade ao enfrentar as mudanças decorrentes das tecnologias da informação e da comunicação: a globalização, a transculturalidade, a virtualização do quotidiano, as novas redes de sociabilização. E, subjacente, a tudo isto, a compressão do tempo-espaço: “Time-space compression broadly conceived involves the multitude of ways in which human beings have attempted to conquer space, to cross distances more rapidly, to Exchange goods and information more efficiently.” (Warf, 2008, p. 6) Por outro lado, o conceito de hipermodernidade avançado por Lipovetsky relega o conceito de tempo linear e histórico, inscrito na memória, para um plano secundário, substituído por um presente paradoxal, isto é, “a present that ceaselessly exhumes and ‘rediscovers’ the past” (2005, p. 57) O que nos que o estatuto do conhecimento foi alterado, criando uma profunda rutura epistemológica, com inevitáveis consequências no conceito de museu, em particular, devido à conceção ocidentalizada e etnocentrista do termo, sem prever as conceções de espaço, tempo e memória existentes noutras culturas.

Por tudo isso, o que é o museu?

Switch House
Tate Modern
Photo: Alice Haugh, 2016

À medida que aumenta o acesso à informação, o modelo educativo formal, centralizado na transmissão do conhecimento realizada na escola, passa a focar-se na aquisição de competências. Enquanto os museus sempre se afirmaram como um fenómeno distinto da escola, surgem, nesta conjuntura, como uma alternativa ao ensino mais adequada à contemporaneidade. “Museums, as places of informal, self-directed and lifelong learning already fit the new paradigm better than many institutions of formal learning.” (Garcia, 2013, p. 86) Mas, na realidade, o museu não continua a não ser uma escola nem pretende apropriar-se dos seus atributos.

Por outro lado, ao longo das últimas décadas, a literatura tem vindo a refletir a dificuldade em distinguir a prática da ação museológicas das práticas das indústrias da cultura, do turismo e do entretenimento (Farago, & Preziosi, 2003). Mas, por muito que incorpore atividades lúdicas e se submeta às consequências da pressão turística em percursos museológicos cada vez mais sobrecarregados, o museu também continua a não se restringir à condição de destino turístico ou de lugar de entretenimento.

Se não é isto, então, o que é o museu?

Em maior ou menor conformidade com a definição proposta pelo ICOM, tem surgido um vasto número de definições, descrições e interpretações do conceito de museu, criando um conjunto poliédrico onde se cruzam sentidos, por vezes, contraditórios. Alguns parâmetros da definição do ICOM têm vindo a ser alvo de controvérsia, como a negação de fins lucrativos, face às contingências da gestão financeira, ou a materialidade do edifício aberto ao público, face à realidade virtual. Foi nesse sentido que o Comité Internacional para a Museologia (ICOFOM) organizou, no passado mês de junho, o simpósio Définir le musée au XXIe siècle, acompanhado por um conjunto de contributos reunidos na publicação homónima com o subtítulo Matériaux pour une discussion, editados por François Mairesse (2017), onde é elaborada uma antologia das definições do termo dicionários e enciclopédias, em associações de museus e legislações nacionais. A propósito deste assunto, numa nota publicada por Luís Raposo (2017, 20 set.) na sua página de Facebook e que tem vindo a ser republicada por várias Comissões Nacionais do ICOM, lê-se: “More than a theoretical problem, it is a question of common sense and everyday practice inside museums, allowing them to be distinguished from side marketing offers, like lunaparks. […] The most significant, and perhaps the only really relevant, is the possible “exclusion” of new ways of being museum.”

Precisamente porque as alterações no conceito de museu se afiguram como a sua mais consistente caraterística e precisamente porque, retomando a citação de Grove, um museu não é um museu, mas um universo de circunstâncias particulares, talvez não faça sentido continuar numa incessante procura da melhor – e mais sintética – definição que inclua a maioria das especificidades e inclua todas as mudanças. Como questionavam Julie Botte, Audrey Doyen e Lina Uzlyte: “est-il même pertinent de nous obstiner à vouloir définir le musée? » (2017, p. 20).

Tentar encontrar uma definição superlativa em substituição da que é formulada pelo ICOM não fará sentido. O que não significa que não faça sentido a reflexão e a discussão sobre o significado do museu na realidade de hoje.

Referências bibliográficas:
Alexander, E. P., & Alexander, M. (2008). Museums in motion: An introduction to the history and functions of museums. Lanham, Md.[etc.]: Altamira.
Botte, J., Doyen, A., & Uzlyte, L. (2017). «Ceci n’est pas un musée» : Panorama géographique et historique des définitions du musée. In F. Mairesse, Définir le musée au XXIe siècle: Matériaux pour une discussion (pp. 17-49). Paris: ICOFOM.
Farago, C., & Preziosi, D. (2003). General introduction: What are museums for?. In C. Farago, & D. Preziosi, Grasping the world: The idea of the museum (pp. 1-9). Aldershot: Ashgate.
Garcia, B (2013) Creating public value through museum education In C. A. Scott (Ed.), Museums and public value (pp 81-93) Burlington, VT: Routledge.
Lipovetsky, G. (2005). Hypermodern times. Cambridge: Polity.
Mairesse, F. (2017). Définir le musée au XXIe siècle: Matériaux pour une discussion. Paris: ICOFOM.
Warf, B. (2008). Time-space compression: Historical geographies. London: Routledge.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A (in)definição de museu," in a.muse.arte , 2017/09/27, http://amusearte.hypotheses.org/1955.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *