Quando o rato não vai à montanha, vai a arte ao Colombo

Exposição “A arte chegou ao Colombo: O mundo fantástico de Paula Rego”
Lisboa, Centro Comercial Colimbo, 27 jun. – 27 set. 2017

“O mundo fantástico de Paula Rêgo” é o título da exposição temporária no átrio principal do Centro Comercial Colombo, em Lisboa. É uma estrutura efémera, feita em blocos de esferovite, ou poliestireno expandido (EPS), branco e linear, em três alas convergentes, com as entradas alinhadas ao eixo dos corredores do centro. No exterior, a superfície, com uma textura em harmónio, é rasgada pela inscrição do nome da artista. A exposição avizinha-se e adivinha-se, para lá do fosso imaginário, substanciado pela estrutura que, sendo simples, é nítida na marcação e na separação, fluída, entre o espaço comercial e o espaço museológico.

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Não é um museu: as obras, quase todas serigrafias, estão muito próximas umas das outras, numa óbvia intenção de economia da superfície disponível; a iluminação depende do exterior e cria sombras – aliás, de grande efeito cénico – sobre as obras expostas.

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Não é um museu, mas é uma síntese da teoria museológica e das boas práticas museográficas: as obras com uma narrativa lógica e intuitiva; a montagem, com os quadros à altura do olhar, fortemente destacados do fundo neutro, compensando a proximidade entre eles; a utilização da única pintura como ponto focal da exposição, no local onde convergem as três alas expositivas; as tabelas identificativas junto de cada um dos quadros; painéis informativos à entrada de cada ala/sala, com uma nota biográfica da pintora e um texto da curadora Catarina Alfaro, apresentando as vias interpretativas para as séries apresentadas; o roteiro/desdobrável, disponível nos painéis com esses textos; um banco corrido no eixo de cada um dos espaços, permitindo a pausa num percurso que é curto, mas se pode prolongar na observação, na descoberta dos detalhes, na leitura dos textos; toda a informação textual em português e inglês; o livro do visitante. Tudo se configura como um museu.

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”: entrada com livro do visitante
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”: painel informativo
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

 

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”: tabela
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Cumpre a função museológica na formalização do projeto expositivo, na simplicidade e eficácia das estratégias, na imersão ao universo maravilhoso de Paula Rego, na forma como conta e ilustra as suas histórias e, sobretudo – ainda que não sendo uma experiência inédita – na aproximação a públicos improváveis. Se o público não vai ao museu, que o museu vá até ele, nos espaços do seu quotidiano. Talvez desperte o gosto e quebre barreiras.

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”: publicidade
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Quando o rato não vai à montanha, vai a arte ao Colombo," in a.muse.arte , 2017/07/26, http://amusearte.hypotheses.org/1912.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *