Museu parcialmente encerrado: um aviso

“[…] conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta”
Luís de Camões

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é isso mesmo: o museu da nossa identidade artística, um repositório da arte que se fez em Portugal, da que a influenciou ou por ela foi influenciada. É uma das nossas referências culturais, o lugar aonde nos habituámos a ir e é também o lugar aonde vai quem nos visita tornando-se uma das referências da viagem.

Há alguns anos que temos vindo a registar-se uma nova dinâmica: a reabertura do Piso 3, com um novo discurso e uma estratégia de comunicação também renovada; exposições temporárias que consolidam a aposta na internacionalização; algumas incursões noutros domínios, propondo conexões que vitalizam o espólio exposto; campanhas de dinamização com grande impacto junto do público. O MNAA parece renovar-se na crescente abertura aos públicos e na forma como os alicia e, também, na forma como comunica e informa.

Público no piso 3
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

E, no entanto, no meio da euforia dos números que nos confirmam que o público dos museus tem crescido significativamente, surgem pequenos indícios, sinais de que algo vai mal. É verdade que, segundo os últimos dados divulgados pela Direção Geral do Património Cultural (DGPC), o número de visitantes nos museus tem vindo a aumentar, mas pela primeira vez desde que se fazem estatísticas, os visitantes estrangeiros são em maior número do que os portugueses. O MNAA teve uma taxa de crescimento de 36,1% no período entre 2011 e 2016, ano em que registou mais de 175 mil visitantes, sendo o segundo mais visitado dos museus nacionais (cfr. DGPC, 2017). Para fomentar esta tendência de crescimento, desde o passado dia 2 de julho, a entrada nos museus e monumentos sob a tutela direta da DGPC é gratuita todos os domingos até às 14 horas. Tudo parece bem por aqui… mas, afinal, talvez não seja bem assim.

São pequenos indícios que se avolumam.

Começámos por visitar o museu e depararmo-nos com uma sala fechada “por motivos técnicos”, conforme se lia no anúncio junto à bilheteira. Depois, percebemos que o número de salas tem vindo a aumentar. A seguir, damos com a interdição do Piso 2, o que nos impede de aceder às coleções de ourivesaria, joalharia, mobiliário. Também as artes da Expansão, os marfins do Benim, da Índia ou da China, as porcelanas chinesas, as sedas, os bordados indianos, os contadores mogóis, os biombos e as lacas Namban, são encerrados de forma aleatória – ou assim nos parece, a nós, visitantes eventuais, que vamos ao museu com uma intenção particular, com planos que nos são gorados.

Sítio web do MNAA: página de entrada
Acesso: 7 jul. 2017, em http://www.museudearteantiga.pt/

Estranhámos que, no passado feriado de 10 de junho, Dia de Portugal, apenas conseguíssemos aceder pela entrada da Rua das Janelas Verdes – certamente por ser a que dá acesso às exposições temporárias, ou seja, neste caso, à “Madonna” – e, no museu, apenas aos núcleos de pintura e escultura europeias. Estranha forma de comemorar a portugalidade!

Para lá de estranheza, fere-nos a deceção de aproveitar a hora de almoço para ir ao museu e encontrar o Piso 3 fechado, por duas horas (!), impedindo o acesso à pintura e escultura portuguesas. Incluindo, como é óbvio, os Painéis de São Vicente, que se tornaram a marca do museu.

De alguma forma, será difícil que o visitante comum não sinta a frustração de não ver os Painéis, a Custódia de Belém, os Biombos Namban. São obras definidas como “tesouros nacionais”, as que definem a identidade da nossa história, cultura e arte e, por isso, se apresentam num dos maiores, mais antigos, mais importantes e mais visitados museus portugueses.

Quando circulamos pelo museu, a justificação parece-nos óbvia: há poucos, definitivamente, muito poucos, vigilantes. Não sendo uma situação nova, tem vindo a gravar-se, apesar do recurso a empresas privadas de segurança ou a centros de emprego. Também não é uma situação exclusiva do MNAA, estendendo-se à maioria dos museus. Um pouco por todo o lado, de resto, acontece que um museu feche esporadicamente uma sala, um núcleo, uma parte do percurso expositivo por alegadas razões técnicas, ou outras. Há também museus que não abrem dois ou mais dias por semana.

À agência Lusa, a DGPC confirma que o encerramento “se deve à circunstância de se encontrarem sete vigilantes de baixa médica” e que perante esta circunstância, considerada “atípica”, a solução será “a contratação externa de vigilantes” (cit. in DN/Lusa, 2017, 6 jul.). Atendendo ao número de vigilantes em situação de baixa médica, ou houve uma epidemia, ou seria curioso conhecer-lhes as causas e as circunstâncias em que trabalham. Afinal, sabe-se que o MNAA tem 25 vigilantes integrados no quadro, o que é metade daquilo que tinha em 1987, quando o museu tinha menos 10 salas abertas ao público e um número substancialmente menor de visitantes (Oliveira, 2017, 7 jul.). O recurso pontual  a uma empresa de segurança ou ao centro de emprego, também é diminuto. Entre folgas, férias, atestados, o museu funciona habitualmente com menos de 20 pessoas nas tarefas correntes de vigilância a 80 salas, duas portarias, bengaleiros, loja e jardim. A “queda do anjo” foi um acidente, mas era previsível.

Também parece estranho que a baixa de sete vigilantes obrigue a fechar tantos setores e permite-nos questionar a segurança de um museu com 80 salas. Quanto à solução encontrada, trata-se de uma medida apressada (embora seja urgente) e superficial que não resolve a questão de fundo, ou seja, a necessidade de pessoal qualificado e adequado à função de vigilância (entre outras) no museu.  Não é uma solução consistente e articulada. Parece ser a prescrição de analgésicos ao doente que sofre de uma infeção generalizada.

A situação no MNAA, porém, é outra: o museu não fecha esporadicamente uma sala, mas tem vindo a fechar regularmente secções importantes do percurso expositivo; o museu tem vindo a fechar muito para lá daquilo que está previsto na agenda e no horário de abertura.

Não adianta abrir museus, reformular os que existem, modernizá-los, fazer campanhas, incluindo, a campanha política das entradas grátis aos domingos. Não vale abrir a porta da entrada, se apenas deixarmos as visitas no vestíbulo; não vale criar a ilusão de que têm acesso àquilo que, a seguir, lhes é vedado. Bem pode ser gratuito ao domingo e serem anunciadas novas acessibilidades, mas não valerá a pena lá ir se grande parte do que se poderia ver está inacessível.

Num texto em certa medida polémico e desatualizado, Gombrich defendia que o museu devia ser conservador, ou seja, manter o mesmo percurso quase imutável para garantir a experiência satisfatória do reencontro:

“The lover of a collection wants to know his way about, he wants to treat it as his own, as a place where he can go when he has a few minutes to spare for contemplation, to look at a favourite painting or vase which means much to him. Sometimes he may want to show “his” little bronze statuette to a friend, sometimes he wants simply to refresh his memory. What a disappointment awaits him if he finds the room closed for rearrangement or open but so changed that he cannot find what he has gone to look for!” (Gombrich, 1968, p. 81)

Posteriormente, Gombrich (1977) voltou ao tema, retomando a Ars poetica de Horácio: “aut prodesse volunt, aut delectare custode” (p. 450), defendendo que o museu nos deve oferecer proveito (prodesse) e deleite, sendo que um proveito da ida ao museu é a lembrança do que viu (Id., p. 469): “There is plenty of evidence that our topographical memory contributes decisively to our capacity of recall.” (Id., p. 470)

Assim, a atual situação no MNAA além de limitar a visita, inibe a satisfação do visitante habitual e o contraria o desejo de voltar. Ou seja, dificulta a tão desejada fidelização de públicos. Numa altura em que o extraordinário aumento do turismo em Lisboa é entendido como uma oportunidade para o desenvolvimento do setor cultural, a situação parece, no mínimo, muito inoportuna. E contraditória, quando o Estado se foca no turismo e no aumento de visitas aos museus e monumentos como gerador de receitas, enquanto justifica a inoperância com a falta delas.

Mesmo que a incompletude seja o nosso destino, um museu não se cumpre pela metade. E, por isso, parece tão incompreensível o aviso que, agora, se torna quase um lugar-comum “Museu parcialmente encerrado”. Um museu parcialmente encerrado significa que o acesso à coleção não é apenas dificultado, mas parcialmente interdito. À questão da dificuldade no acesso ao museu, no que respeita à falta de transportes e estacionamentos, e à questão da acessibilidade física e cognitiva às coleções, ou a presença de obstáculos a visitantes com mobilidade reduzida, ou as tabelas e textos com um fraco nível de informação, acresce agora algo de mais estruturante e redutor: a interdição de acesso às coleções expostas. Um museu vazio de conteúdos não é um museu; não o é também, o museu que se esvazia face ao visitante, o museu que desarticula o seu discurso, ou o museu que se encerra, mesmo que “parcialmente”. Um museu (este museu) parcialmente encerrado é o mais sensível aviso de que algo vai mal, muito mal, por aqui.

Isto é tão antigo, mas tão antigo, que se confunde com uma realidade inevitável e nos retira a esperança de que vá mudar e que as tutelas compreendam a missão social do museu, a par da obrigação da preservação e divulgação do património. Começamos a perder a esperança de que as tutelas, na distância dos gabinetes políticos, compreendam a necessidade de preencher os quadros dos museus de acordo com a sua dimensão, as suas coleções, o seu impacto na sociedade. Ou que as tutelas entendam o património para lá do verniz das aparências, do prestígio que empresta à imagem da propaganda, e se interessem a fundo em criar condições para que a guardaria dos museus seja adequada, mas também para que seja viável a investigação, a preservação, a comunicação e a divulgação do conhecimento indispensável para que se cumpram as funções patrimoniais, e criem estruturas orgânicas compatíveis e adequadas a cada museu. Estamos há tanto à espera que (quase) perdemos a esperança. E o desgosto, mesmo assim, permanece.

Referências bibliográficas:
DGPC. (2017). Ano 2016: Monumentos e museus DGPC. Acedido em http://www.patrimoniocultural.gov.pt/static/data/museus_e_monumentos/estatisticas1/ev2016relatoriobreve.pdf 
DN/Lusa. (2017, 6 jul.) Direção-Geral do Património recorre à contratação de vigilantes no Museu de Arte Antiga. Acedido em http://www.dn.pt/lusa/interior/direcao-geral-do-patrimonio-recorre-a-contratacao-de-vigilantes-no-museu-de-arte-antiga-8617664.html
Gombrich, E. H. (1968), Should a museum be active?. Museum International, 21, 79–86. doi:10.1111/j.1468-0033.1968.tb01705.x
Gombrich, E. H. (1977). The museum: Past, present and future. Critical Inquiry, 3(3), 449-470.
Oliveira, L. (2017, 7 jul.). Museu Nacional de Arte Antiga: Em 30 anos perdeu metade dos seus vigilantes. Visão. Acedido em http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2017-07-07-Museu-Nacional-de-Arte-Antiga-Em-30-anos-perdeu-metade-dos-seus-vigilantes

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Museu parcialmente encerrado: um aviso," in a.muse.arte , 2017/07/07, http://amusearte.hypotheses.org/1885.

3 comentários a “Museu parcialmente encerrado: um aviso

  1. Como disse no meu comentário inicial, é o que temos. Concerteza que outros valores se levantam. Tenho pena que, sendo precisamente um dos principais argumentos para a existência dos museus, a sua ajuda na construção e manutenção de uma identidade cultural para a cidadania, que não se aproveite este acto de voluntariado, que é por si só, uma demonstração dessa mesma cidadania criada a partir dessa mesma identidade.
    Uns tem e não aproveitam outros procuram e não é pouco. Qualquer um pode chegar a uma plataforma como o Linkedin, fazer uma busca por ofertas de emprego pela palavra “Museum” no mundo inteiro e verificar, como eu agora mesmo, que por exemplo, nos Estados Unidos, em 6578 ofertas de trabalho na àrea dos museus 1016 são de voluntariado e não é para vigilância. Olhando para o site da federação de amigos dos museus e para o site de uma equivalente norte americana (tem várias) como a “www.volunteermatch.org” compreendemos e verificamos a diferença de dinâmicas dos dois países. A mesma comparação poderia ser feita com outros países europeus. O blog da federação dos amigos dos museus não é actualizado desde 2014.

  2. Como adepto da museologia social sinto que a falta de ligação entre os museus e as pessoas em Portugal é enorme. Quando visito um museu em Lisboa sinto-me um estrangeiro nos museus nacionais e um extraterrestre nos museus municipais. Sinto sempre que as exposições são feitas para um grupo hermético com uma linguagem muito própria. Enfim é o que temos. Uma situação que me revolta um pouco e que já tenho comentado com amigos, sobretudo em relação a este caso, é o facto de me ter inscrito como voluntário no site da direção geral do património cultural e nunca ter sido contactado para ajudar. Penso que em casos como este seria de considerar a bolsa de voluntários, pelo menos até terem pessoas contratadas para o efeito.

    • O Grupo de Amigos do Museu Nacional de Arte Antiga dinamizou a campanha VAMOS LÁ REABRIR O MNAA, convidando voluntários para assegurarem a vigilância das salas, permitindo a abertura plena do museu no horário habitual. Depois de já haver uma série de inscritos nos vários turnos e salas, a campanha foi suspensa por decisão da Direção Geral do Património Cultural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *