São Pedro e as festas populares

São Pedro era um dos doze apóstolos. De seu nome Simão, tomou o nome de Pedro, ao ser chamado e eleito para se tornar a pedra angular da Igreja, segundo o relato de Mateus:

“E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.” (Mt. 16, 17-19)

São Pedro
Vasco Fernandes (Grão Vasco)
1535-1542
Prov. Sé de Viseu
Viseu, Museu Grão Vasco

Por esse motivo, os atributos de São Pedro são as duas chaves.

Era pescador em Cafarnaum, na Galileia, no lago Generaset. Simão-Pedro e seu irmão André foram os primeiros discípulos a ser chamados.

Durante a vida de Cristo, acompanhou-o ao longo de todo o seu ministério até à prisão no monte das Oliveiras e, depois, entre a Ressurreição e a Ascensão. Em seguida, fixou-se em Jerusalém, onde foi feito prisioneiro por Herodes Agripa. Após a prisão, viajou para Roma, de que foi o primeiro bispo, fixando a tradição de fazer coincidir o bispado de Roma com o Papado do mundo cristão. Aí foi novamente preso, por ordem de Nero e, no ano 64, foi crucificado de cabeça para baixo, a seu pedido, por não se considerar digno de ter uma morte idêntica à de Cristo.

Iconograficamente, São Pedro aparece como um homem robusto, de barba curta e de meia-idade, vestido de papa ou de apóstolo. Além das chaves, tem como atributos mais comuns o livro, em referência à escrita de epístolas, a barca e o peixe, em alusão à sua condição de pescador, a cruz de três ramos, atributo dos papas e a cruz invertida, símbolo do seu martírio.

A sua festa coincide com a data fixada para a comemoração da sua morte, a 29 de Junho. Nas festas populares, ganha primazia a sua evocação como pescador o que, ao longo da costa portuguesa, se traduz pelas procissões ao mar e que prolongam terra dentro, em ruas atapetadas de sal colorido.

A festa de São Pedro é a última das três grandes festas juninas marcadas pelas rusgas e pelos rituais associados ao fogo: as fogueiras, os mastros e os arcos engalanados com grinaldas e lanternas.

Procissão ao mar
Expo’98, Dia de São Pedro, dia nacional do Pavilhão da Santa Sé
Lisboa, 1998

São Pedro é festejado sobretudo em povoações costeiras e junto das comunidades piscatórias. As ruas, as fachadas das casas, as ombreiras das portas e das janelas são ornamentados e os bairros competem entre si nas rusgas e na criação dos tronos de São Pedro. 

Trono de São Pedro, à entrada do Pavilhão da Santa Sé na Expo 98


Na noite de 28 para 29 de Junho, a população reúne-se em festa, dançando e comendo sardinhas assadas à luz das fogueiras. São Pedro, porém, é tido como o mais sisudo da tríade que compõe as festas juninas, não lhe sendo associadas as costumeiras simpatias, nomeadamente, as associadas ao namoro.

Fonte da imagem: http://images-cdn.impresa.pt/visao/2016-03-15-2160-RETABULO_SP.jpg/original/mw-1240

Post inicialmente publicado em 29/06/2014: https://amusearte.hypotheses.org/574


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *