José Brandão: o design como desígnio

O Prof. José Brandão recebe o grau de Professor Emérito a 30 de maio, na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. É a primeira vez que este título é concedido pela Faculdade de Arquitetura e, com o Prof. Eduardo Afonso Dias, são os primeiros Professores Eméritos em Portugal na área científica do Design.

Eduardo Afonso Dias e José Brandão recebem título de Professor Emérito
Cartaz
FAUL, 2017

Sempre o conheci – desde há três décadas!? – como o Professor José Brandão. Sempre o reconheci como “O Professor”, durante as prolongadas e saborosas tardes passadas no atelier, onde a conversa era, sobretudo, um extenso monólogo de generosa sabedoria e o design gráfico era o ponto de partida, para um inesgotável desfiar de ensinamentos, reflexões e memórias de uma vida intensa. Torna-se, agora, Professor Emérito.

Autorretrato
José Brandão, s/d

José Brandão, nasceu em 1944, em Nova Iorque, filho de João Apolinário Sampaio Brandão e de Leonor Micaela de Bivar Vianna da Motta. A mãe é “a” referência matricial, omnipresente ou subjacente ao discurso, pela forma sensível como lhe transmitia a sua visão da realidade e a imagem idealizada, ou mitificada do avô Viana da Motta, criando um fascínio irresistível pela sua figura de artista.

Aos dois anos, veio para Lisboa, onde cresceu num ambiente familiar cultural e eclético, com uma visão integradora do conhecimento ainda que muito em torno das humanidades e das artes, ao mesmo tempo que lhe era reconhecida a natural e excecional aptidão para o desenho. Descobria, nessa altura, através da influência do universo fantástico de Hieronymus Bosch (c. 1450-1516) e da obra de Francisco de Goya (1746-1828), o gosto pelo desenho, criando paisagens surreais povoadas de monstros avassaladores e ameaçadores que, de tempos a tempos, voltam a emergir num universo criativo muito próprio.

Sem título
José Brandão, s/d

Por isso, aos dezasseis anos, ingressou na Faculdade de Belas-Artes, ao mesmo tempo que começava a trabalhar em ateliers de arquitetura e a fazer as primeiras incursões no domínio das artes gráficas. O convívio com Frederico George Rodrigues, sobrinho do arquiteto Frederico George, e com Daciano Costa, em confronto com o academicismo fascizante da Faculdade, despertaram-lhe o gosto pelo design, uma disciplina ainda emergente em inícios da década de 1960.

Em 1966, a situação política do país e, em particular o conceito da arte como atividade elitista e, em certa medida, fútil e mercantil, em absoluta contradição com as suas convicções, motivou-o a partir para o estrangeiro. Depois de uma breve estadia em Paris, fixou-se em Londres, onde estudou no Ravensbourne College of Art and Design, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, obtendo o grau de B.A. em Design Gráfico, com a classificação máxima, que lhe permitiu a creditação como Licenciate pela Society of Industrial Artists and Designers (atualmente, Chartered Society of Designers). Teve como professor, entre outros, Geoffrey White, um dos signatários do manifesto First things first [1], e recebeu a influência de designers como Ken Garland e Tadanori Yokoo e do Push Pin Studios, fundado em 1954 por Milton Glaser e Seymour Chwast, e que se mantêm como referências constantes ao longo de toda a sua carreira. E é ainda durante a estadia em Londres, que convive com os artistas portugueses em diáspora e conhece Maria de La Salette Tavares Aranda, também ela designer, com quem partilha a vida familiar e profissional.

Em 1976, após a Revolução de 25 de Abril, regressou a Portugal e começou a trabalhar, como independente, em projetos de artistas que, como ele, reconquistavam a voz que a censura lhes proibira

Coro dos tribunais, de José Afonso
Capa: José Brandão, 1975

Dessa altura, muito marcada pela combinação entre design e desenho, ficaram as capas dos discos de José Afonso, Sérgio Godinho, Fausto, Janita Salomé ou dos livros publicados pela P&R (Perspetivas e Realidades), como a de O triunfo dos porcos, de George Orwell.

O triunfo dos porcos
George Orwell
Capa: José Brandão, 1976

Também nessa altura, no contexto da fundação da Associação Portuguesa de Designers, em 1976, conheceu Sebastião Rodrigues, com quem manteve um contato muito próximo até à sua morte. Não sendo propriamente um discípulo de Sebastião Rodrigues, a quem considera como o maior talento da sua geração, acaba por lhe suceder no prestígio e relevância, mantendo os mesmos padrões de rigor e qualidade nos trabalhos e seguindo-o na profunda convicção acerca daquilo que distingue o trabalho do designer profissional.

José e Salette Brandão, fundadores do atelier B2
Foto: Homem Cardoso

Com a mulher, Salette, fundou o atelier B2 em 1982, o qual se afirmou como um dos mais (talvez, o mais) conceituado e requisitado atelier de design da década, no contexto do grande aumento de produção editorial que se prolongou ao longo da década seguinte. O B2 foi escolhido para criar a imagem e o design gráfico de um vasto leque de organizadores culturais, entre os quais se salientam a Fundação Calouste Gulbenkian, a Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, o IPPAR, os comissariados da Europalia 91 e de Lisboa’94, ou a Conferência Episcopal Portuguesa. O elevado número de encomendas e a relevância dos projetos em que participou permitiram a definição e o reconhecimento de um estilo próprio, onde a elaboração formal se conjuga com um rigoroso sentido compositivo e uma enorme versatilidade criativa e estética.

Série: A arte do cartaz
Envelope e selos: José Brandão, 2003

Ao longo desta fase, deixou que o desenho, que havia marcado os primeiros projetos, se diluísse na conceção global do projeto gráfico, ainda que lhe estivesse subjacente e particularmente reconhecível na conceção de livros e catálogos: na definição das grelhas; na composição e proporção entre o texto e a imagem; na marcação dos títulos, dos subtítulos, das caixas de texto e das notas; na elaboração cuidada do arranque do texto e das primeiras palavras; na escolha do tipo de letra e do entrelinhamento; e, como marca essencialmente distintiva, no tratamento e aplicação das imagens, e na forma de as recuperar em detalhes gráficos para as capas e guardas, as aberturas de capítulos ou os separadores de texto e para a ornamentação das páginas.

Costuma referir que, ao longo da sua carreira, seguiu a atitude de rigor e da conceção de projeto global que viu Daciano Costa e a metodologia de acompanhamento do projeto que aprendeu com Sebastião Rodrigues, mas, numa síntese que recupera tradições e incorpora a obra de outras personalidades artísticas, distingue-se pela postura de competência, perfeccionismo, rigor e integridade intelectual. Desenvolveu uma visão do design, como disciplina catalisadora das artes, das ciências e da cultura, que o transforma em polímata e o define nessa espécie cada vez mais rara de homo universalis.

A par desta dimensão enquanto designer gráfico, José Brandão é um pedagogo. Iniciou a sua atividade académica, como Assistente no Hammersmith College of Art and Building. Após o regresso a Lisboa, continuou esta atividade como Assistente na Escola Superior de Belas Artes Lisboa, atual Faculdade de Belas Artes, entre 1977 e 1995, ano em que entrou na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa, onde criou, em 2002, o curso de Mestrado em Design, tendo acumulado as funções de membro dos Conselhos de Mestrado e de Doutoramento em Design. De resto, o atelier funcionou também como um lugar de magistério, onde os colaboradores, escolhidos entre os melhores alunos, adquiriam uma formação prática no prolongamento da sua formação académica, ainda que, por uma questão ética, este recrutamento, à exceção de pontuais situações de estágio, só se realizasse depois de terminada a relação pedagógica. Isto permitiu uma coerência entre a teoria a prática do design e a formação de um grupo com uma linguagem comum transversal às suas expressões individuais, que é lícito falar em escola, lançando alguns dos designers da nova geração, como Nuno Vale Cardoso, Teresa Olazabal Cabral, Paulo Vieira Ramalho, Luís Moreira e Mónica Mendes, que se lançaram em carreiras individuais, e de João Brandão (filho), Gabriel Godoi, Susana Brito e Alexandra Viola, ainda em funções no atelier.

A carreira de designer completa-se através da pedagogia que sempre exerceu como se essa fosse a sua forma natural de estar e de ser. É Professor, para lá de qualquer título que lhe seja atribuído, porque é assim que é, com um discurso onde a convicção se alia a uma extrema cordialidade. E é Emérito no sentido mais lato do termo, em que se misturam os sentidos de versado e perito, de ilustre ou egrégio, aquele que sabe e é admirado pela sabedoria que transmite.

Barnabé
José Brandão, s/d

Bibliografia:
Ceia, A. J. (Ed. lit.). (2014). José Brandão, designer: Cultura e prática do design gráfico. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; B2.

Outra documentação: pré-textos desta monografia e, em particular, a transcrição das entrevistas feitas a José Brandão (2013-2014).
Todas as imagens, à exceção do cartaz relativo à atribuição do título de Professor Emérito, foram retiradas, com a devida autorização, do sítio eletrónico do atelier B2: http://www.b2design.pt/

[1] O manifesto First things first foi escrito por Ken Garland em 29 de novembro de 1963, tendo sido publicado em abril do ano seguinte, pelo The Guardian, a que se seguiram outras publicações em Inglaterra e no estrangeiro, com a assinatura de vinte e dois dos mais destacados designers da época, como Geoffrey White, Erik Spiekermann e Tibor Kalman. Em 2000, foi publicada uma nova versão, mais de acordo com a realidade contemporânea, marcada pelo “the explosive growth of global commercial culture” (First Things First, 2000).


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *