O que diz uma rua acerca de Lisboa renascentista

Exposição “A cidade global: Lisboa no Renascimento
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 24 fev. – 9 abr. 2017

A exposição baseia-se na obra homónima, The global city: On the streets of Renaissance Lisbon, editada por Annemarie Jordan Gschwend e K.J.P. Lowe, em 2016. A obra recebeu o prémio Almirante Teixeira da Mota, atribuído pela Academia Naval de Lisboa. Entre outros elogios da crítica, Theodore K. Rabb, afirmou no Times Literary Supplement:

What may be the most remaskable about this book is the high standard of interdisciplinary scholarship that it maintains. […] This is modern historical inquiry at its best: clear, precise, forthcoming about problems of evidence, and relentlessly focused on its central questions; what does this street tell us about Lisbon, and what does the movement of goods and people was essential to Portuguese Empire tell us about the world Lisbon shaped? (Rabb, 2016, 10 feb.)

A ideia de transformar esta obra numa representação museográfica da Lisboa quinhentista tornou-se realidade no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

A polémica das vistas da Rua Nova

No entanto, a exposição transformou-se em muito mais e do aquilo que era para ser.

Primeiro, porque a inauguração foi sendo sucessivamente atrasada, obrigando a reduzir o prazo de abertura dos quatro meses inicialmente previstos, para cerca de mês e meio, devido aos compromissos com os museus ou colecionadores particulares que cederam cerca de 250 peças. Atendendo a que os custos com empréstimos, seguros, montagem e desmontagem, transporte, se mantêm praticamente inalterados, seria previsível que o investimento tivesse fraco retorno.

Segundo e sobretudo, porque a exposição foi antecedida de acesa polémica entre investigadores, como há muito tempo não víamos, ultrapassando os corredores da academia, para ganhar o campo fértil dos jornais e, de imediato, das redes sociais. Como não há má publicidade, a curiosidade que atingiu o grande público agiu como propaganda eficaz e a exposição tem tido uma inusitada afluência de público, com frequentes filas de espera e o espaço expositivo frequentemente superlotado. Ou seja, esta polémica atenuou os efeitos do atraso e a elevada afluência de público significa receitas de bilheteira e o retorno financeiro que se julgava comprometido.

Vista da Rua Nova dos Mercadores: Rua Nova dos Ferros com a esquina do Largo do Pelourinho Velho
Autor flamengo desconhecido, 1570-1619
Óleo sobre tela
Londres, col. Kelmscott Manor, Society of Antiquaries of London
Imagem: Society of Antiquaries of London

A polémica gira em torno de duas pequenas pinturas a óleo sobre madeira: Vista da Rua Nova dos Mercadores e Vista do Chafariz d’El-Rei, pertencentes à Society of Antiquaries of London. Os dois quadros, sem autoria conhecida, com datação questionável e aos quais não se reconhece grande qualidade, nem artística, nem técnica, terão sido, aliás, apenas um, posteriormente dividido por algum capricho estético ou decorativo, atribuído ao mais antigo proprietário conhecido, o poeta e pintor pré-rafaelista Dante Gabriel Rossetti (1828- 1882) (cfr. Jordan-Gschwend, & Lowe, 2015).

Aliás, nem a polémica é nova, pelo menos no que se refere à datação de uma das pinturas, O chafariz d’El-Rey, revelada por Vítor Serrão, em 1998, que lhe atribui a autoria a um mestre desconhecido português ou oriundo dos Países Baixos e o datou de finais do século XVI (Serrão, 1999). Joaquim Oliveira Caetano (1999) confirmou tratar-se de uma obra de autor quinhentista português e considerou-se, por isso, de alto interesse iconográfico. Foram precisamente algumas incongruências identificadas na iconografia que suscitaram suspeitas quanto à sua datação. No entanto, o exame material do suporte e camada pictórica da pintura, levado a cabo pelos conservadores-restauradores Carmem Almagro e Luís Figueira, com o apoio científico de Fernando António Baptista Pereira, confirmavam a datação de finais do século XVI, em conexão com o cariz detalhado e realista da pintura coeva de influência flamenga. As dúvidas acerca da Vista do Chafariz d’El-Rei abrangem, agora, a Vista da Rua Nova dos Mercadores, dado ser consensual a sua unidade original.

O historiador João Alves Dias (2017, 20 fev.), reclamando a descoberta da pintura num alfarrabista em 1997, afirmou, no Expresso, tratar-se de uma apócrifa, forjada no século XX. Porém, foi sobretudo o texto de Diogo Ramada Curto que teve maior impacto e desencadeou a discussão que se lhe seguiu. Num artigo que se configura como uma recessão crítica à obra de Annemarie Jordan Gschwend e Kate Lowe, Ramada Curto apresenta alguns argumentos pertinentes, apesar de referir não ter visto diretamente as pinturas e de não se considerar “competente para entrar no campo das representações visuais” por não ser historiador de arte, decorrendo as suas conclusões da análise literária de textos quinhentistas.

A polémica trouxe à liça, novamente, os historiadores de arte Vítor Serrão e Baptista Pereira, a que se juntaram, entre outros, Hugo Miguel Crespo (Hugo Crespo…, 2017, 21 fev.), enquanto se perfilam também apoiantes de Alves Dias e Ramada Curto, como Manuel de Castro Nunes (2017, 30 mar.). Entretanto, António João Cruz veio esclarecer que “O estudo laboratorial das pinturas de  A Cidade Global que estão no centro da polémica, a ser realizado de forma adequada, pode efectivamente ajudar a esclarecer as dúvidas existentes, mas, em rigor, não há nenhuma garantia de que isso venha a suceder.” (Cruz, 2017, 17 mar.) O impacto desta discussão e a importância da iconografia de Lisboa quinhentista levaram a que José Manuel Garcia (Gabinete de Estudos Olisiponenses) promovesse e coordenasse um debate no palácio da Mitra, em Marvila, no passado dia 29 de Março, com a participação dos historiadores de arte Vítor Serrão, Baptista Pereira, Hugo Miguel Crespo, Carlos Caetano, Pedro Flor, José Manuel Garcia e Ana Cristina Leite. Alves Dias e Ramada Curto terão sido convidados, mas não puderam comparecer.

A densidade que esta polémica atingiu transformou esta exposição na razão deste debate e se, por um lado, contribui para a sua visibilidade e suscita a vontade de ver, por outro lado, traz o risco de encobrir o essencial.

A datação de uma pintura é uma questão relevante, mas não é determinante para a sua importância como fonte iconográfica. A resolução dessa questão compete ao domínio da história da arte, certamente, com o concurso de outras metodologias científicas, incluindo as laboratoriais. Ainda que a investigação museológica e, em particular, de suporte a exposições temporárias, seja habitualmente um pretexto, causa ou consequência, para aprofundar o conhecimento acerca de factos ou fenómenos noutros domínios, incluindo o da história da arte, isso não implica que apenas se desenvolvam projetos a partir de dados definitivos e fechados – até porque o conhecimento, por definição, não é uma coisa nem outra, mas um contínuo processo de atualização e aprofundamento. Recusar estas vistas com base neste argumento equivaleria a não consultar a Crónica de D. Afonso Henriques, porque Duarte Galvão viveu no século XV, ou as dos reis que se lhe seguiram, escritas por Rui de Pina também em finais do século XV. Implicaria também que não considerássemos os Evangelhos, canónicos ou apócrifos, como fonte documental. A crítica histórica, nas suas vertentes interna e externa e a hermenêutica aplica-se ao seu conteúdo e impõem a reserva de extrapolações a tirar do documento, mas não impede o seu uso apenas pela dificuldade em datá-lo.

A polémica é relevante, mas não determinante para a validação destas obras no contexto da exposição. As vistas da Rua Nova dos Mercadores e do Chafariz d’El-Rei, destruídos pelo terramoto de 1755, são confirmadas pela informação de outros documentos e, como tal serve como fonte iconográfica, a partir do qual se definiu o guião expositivo. Seja, ou não, uma obra anacrónica e mesmo assumindo que não é uma obra excecional, funcionam como a epígrafe que sublinha o sentido do discurso.

A exposição “A Cidade Global”

A exposição abre com as duas vistas sequenciais da Rua Nova dos Mercadores e do Chafariz d’El Rei, em Lisboa, paradigma da cidade global que era a cidade no século XVI. Na Rua Nova anunciava-se o mundo global, reunindo pela primeira vez, no mesmo local, objetos e materiais exóticos vindos de todas as partes do mundo, da Índia, da China e do Japão às Américas. Nestas vistas minuciosas, mostram-se aspetos episódicos da cidade cosmopolita, a concentração e a organização das lojas e sobrelojas, o movimento buliçoso das gentes e a mistura das raças com a presença marcante dos negros.

A exposição oferece-nos a oportunidade de ver a “Figura de Lisboa”, em Da fabrica que fallece á cidade de Lisboa (1571), de Francisco de Holanda (1517-1584), ou a iluminura com a mesma Rua Nova, esta, indubitavelmente, coeva da cidade global quinhentista, inserida no Livro de Horas, dito de D. Manuel, atribuído a António de Holanda (1480-1557). Estão, aqui, embora menos detalhados, o mesmo casario, as oficinas e as lojas, um idêntico bulício, a confirmar a informação das duas vistas.

Livro de Horas, dito de D. Manuel
Atrib. António de Holanda, 1517-c. 1551
Têmpera e ouro sobre pergaminho
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Imagem: MNAA

Livro de Horas e respetiva legenda
Exposição “Cidade Global”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

No mesmo sentido, a gravura de Giorgio Braunio, de 1593, apresenta uma vista rasante de Lisboa, com uma vista da rua, serpenteante, que ligava a Sé ao Paço Real, que dava para esta na ponta poente atual praça do município, e cujo traçado irregular coincidiria, nalguns pontos, com a atual Rua da Conceição. A cidade global é, ainda, documentada pela panorâmica, dita de Leyden, desenhada por volta de 1540-50, que representa as zonas oriental e central de Lisboa, com Alfama, o Castelo, a Baixa, o Rossio e a colina do Convento do Carmo. Ou pelas vistas de Lisboa nas crónicas de D. João I e de D. Manuel. Ou, até, pelo segmento do Rossio representado na cidade fantasiada na pintura Martírio de São Sebastião, de Gregório Lopes (c. 1490 – 1550).

Exposição “Cidade Global”
Núcleo 1: Vistas de Lisboa: contexto histórico
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: Paulo Alexandrino, MNAA, 2017

A partir deste cenário, a exposição remete-nos para o universo do que teria sido esta rua, transportando para as lojas, armazéns e oficinas atrás daquela colunata toscana e mostrando as mercadorias que se encontrariam. A multidão que se encontra nas salas da exposição, ela própria, contribui para a sugestão da agitação que provavelmente aí se viveria, entre nobres, burgueses, plebeus, escravos, e interpela-nos ao seu quotidiano.

Descobrimos, aqui, as novidades que chegavam de mundo até então desconhecidos ou efabulados. Junto aos produtos e os materiais exóticos que vinham dessas paragens, ou as especiarias, as drogas, os produtos medicinais, Encontramos os objetos em marfim, provenientes da Serra Leoa, os bronzes do Benim, os têxteis vegetais do Congo, as madeiras marchetadas a marfim, as madrepérolas e as sedas da Índia, a porcelana da China, os lacados namban do Japão.

Exposição “Cidade Global”
Núcleos 2 e 3: De África e As compras na Rua Nova
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: Paulo Alexandrino, MNAA, 2017

Vemos, também, as inovações científicas que suportaram as viagens marítimas e as que resultaram delas e que, nestas lojas, estariam disponíveis aos cientistas e curiosos da época: os instrumentos náuticos, os mapas, os portulanos, os tratados de geografia e de astronomia, o Tratado da esfera, de Pedro Nunes, ou o Colóquio dos simples, de Garcia de Resende.

Compreendemos que, para lá das trocas comerciais, havia também recíprocas influências culturais, através dos modelos europeus que eram reinterpretados pelos artistas indianos e chineses, através das filigranas, das imagens da Virgem e dos Meninos Jesus Bom-Pastor ou das cenas religiosas com traços de outras tradições. Ou, ainda, a circulação de modelos propiciada pelos portugueses entre a Índia e a China.

Passamos pela rua, com os barulhos dessa azáfama, numa estratégia performativa complementar ao processo museográfico.

São, aqui também, referidos os animais que causaram espanto: tartarugas, tucanos, perus, papagaios, civetas, avestruzes, que irão povoar a iconografia do paraíso e da arca de Noé, e, sobretudo, o rinoceronte e o elefante de que D. Manuel se serviu para a afirmação e propaganda do seu poder e influência no mundo desvendado pelos portugueses, junto dos reinos europeus e do Papa, a quem sugeria a promessa de novas terras a evangelizar. Junto aos animais embalsamados – como o rinoceronte negro da região de Cuando-Cubango – há a sua representação em documentos de época, como os elefantes em mangas de farmácia, ou os papagaios que se intrometem numa albarrada.

Começa a formular-se o espírito subjacente às Câmaras das Maravilhas, com as coleções de produtos exóticos e animais estranhos, reais ou fabulosos. A alguns atribuíam-se poderes mágicos, como o dente de narval que alimentava a fantasia dos unicórnios.

O universo doméstico dos colecionadores ricos, que utilizavam a própria coleção como marca de prestígio e estatuto social está representado através da evocação da casa do mercador Simão de Melo Magalhães, capitão de Malaca, a qual se situava nas imediações da Rua Nova. Temos notícia do seu recheio através do inventário feito no documento da herança datado de 1570, onde constam grande número de peças de porcelana da China, sedas chinesas, colchas e bordados da Índia, os cofres em prata, também da China, ou outro, de tartaruga, proveniente do Ceilão. A sugestão de quantidade é dada pela sobreposição museográfica das peças expostas.

Todo este ambiente de cidade global se prolonga na presença do público. Num sábado de manhã, pouco depois da abertura do museu, já a exposição se encontrava superlotada, dominada pelos grupos em visita guiada, pela confusão e pressão dos visitantes aglomerados e aos magotes junto das peças. Não se “vê” os objetos expostos como é costume: a observação prolongada não é possível, a leitura das legendas, a comparação entre peças, a visualização do audiovisual, nada disso é fácil, dada a pressão do público. Não é fácil parar junto às duas vistas da polémica, porque os grupos das visitas guiadas criam uma barreira intransponível; não é fácil sentar, apesar dos bancos que e encontram ao longo do percurso. Ao barulho da rua quinhentista, junta-se as vozes dos comentários em várias línguas. A exposição é o paradigma, também, da cidade global do século XXI.

Exposição “Cidade Global”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: Paulo Alexandrino, MNAA

Poderíamos citar outros aspetos negativos: a proibição de fotografar, sob o pretexto de haver peças de muitos colecionadores privados; a dificuldade em ver os detalhes dos livros e manuscritos encerrados em vitrina e sem lupas ou outro equipamento de aumento; a falta de meios complementares de informação (o catálogo esgotou rapidamente e encontra-se em impressão). Mas o êxito de uma exposição revela-se na sua audiência. E esta é uma exposição com muitos visitantes. A encenação do cosmopolitismo encontra neles o seu natural (e talvez imprevisto) complemento. Sem desmerecer o interesse intrínseco da exposição, a restrição do prazo de abertura articulada à polémica acerca das duas pinturas, acabaram por favorecer o ambiente que se pretendia reproduzir.

Referências bibliográficas:
Caetano, J. O. (1999). Uma desconhecida obra-prima de Gregório Lopes. In A. I. Seruya (Dir.), L. M. Alves, & V. Serrão (Coord.), Estudos de Pintura Portuguesa: Oficina de Gregório Lopes: Seminário internacional (Instituto de José de Figueiredo, 11-12 Fevereiro 1999): Actas (pp. 129-132). Lisboa: Instituto de José de Figueiredo.
Cruz, A. J. (2017, 17 mar.). Autêntico ou falso? Como podem os métodos laboratoriais ajudar a esclarecer. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2017/03/17/culturaipsilon/noticia/autentico-ou-falso-como-podem-os-metodos-laboratoriais-ajudar-a-esclarecer-o-caso-das-pinturas-da-cidade-global-1765424
Curto, D. R. (2017, 26 fev.). Lisboa era uma cidade global?. Expresso. Acedido em http://expresso.sapo.pt/cultura/2017-02-26-Lisboa-era-uma-cidade-global–1
Dias, J. A. (2017, 20 fev.). “O Chafariz dos Cavalos” é falso ou não? O diabo está nos pormenores… Expresso. Acedido em http://expresso.sapo.pt/dossies/diario/2017-02-22-O-Chafariz-dos-Cavalos-e-falso-ou-nao–O-diabo-esta-nos-pormenores
“Hugo Crespo: a autenticidade da Rua Nova é “indesmentível””. (2017, 21 fev.). Expresso. Acedido em http://expresso.sapo.pt/cultura/2017-02-21-Hugo-Crespo-a-autenticidade-da-Rua-Nova-e-indesmentivel
Jordan-Gschwend, A., & Lowe, K. J. P. (2015). The global city: On the streets of Renaissance Lisbon. London: Paul Holberton Publishing.
Nunes, M. C. (2017, 30 mar.). Exames laboratoriais na Cidade Global. Acedido em http://culturanacidadeglobal.blogs.sapo.pt/
Rabb, T. K. (2016, 10 feb.). Elephants on the Rua Nova. The Times Literary Supplement. Acedido em http://www.the-tls.co.uk/articles/private/elephants-on-the-rua-nova-2/
Serrão, V. (1999). A imagem do mar e da capital do império no século XVI: Um novo testemunho iconográfico da Lisboa das Descobertas. In M. G. M. Ventura (Coord.), As rotas oceânicas (sécs. XV-XVIII) (pp. 171-187). Lisboa: Colibri.

Fontes das imagens: as imagens publicadas remetem para os sítios de onde foram recolhidas.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O que diz uma rua acerca de Lisboa renascentista," in a.muse.arte , 2017/04/02, http://amusearte.hypotheses.org/1748.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *