Novas vias da peregrinação: turismo, turismo cultural e turismo religioso

Turismo religioso é, em certa medida, um conceito contraditório: enquanto “turismo” se refere a uma atividade de lazer, superficial e consumista, a qualidade de “religioso” implica uma atitude de fé, profunda e comprometida com a espiritualidade do lugar. Ainda que assumindo que o sagrado e o profano constituem categoriais opostas, que mutuamente se excluem, a sua coexistência parece inevitável em fenómenos como este.

Santuário de Fátima
Foto: O Mirante, 2016

O turismo religioso tem vindo a autonomizar-se como um segmento específico do turismo, mas, em certa medida, continua a coincidir com o turismo cultural, sempre que o objetivo da viagem seja o conhecimento do património artístico, histórico e cultural de uma região, através da visita a espaços de culto ou da participação em eventos religiosos.

Assim, a distinção entre turismo, turismo cultural e turismo religioso assenta nos fatores motivacionais e psicológicos que levam o indivíduo a deslocar-se a determinado destino. Enquanto a viagem é, sobretudo, uma forma de rotura com o quotidiano e o turismo cultural se move pelo objetivo de conhecer o património de novos lugares ou de participar em experiências diferenciadoras, no caso do turismo religioso, a motivação inclui um sentido místico e um propósito espiritual.

Peregrino à chegada a Santiago
Foto: Turismo de Santiago de Compostela, 2015

A génese do turismo religioso é, precisamente, a peregrinação, enquanto jornada sacrificial e mística, com um objetivo gratulatório ou salvífico. “Modern tourism is regarded as one of the newer phenomena in the world but, turning to its origins, we see that it is rooted in pilgrimage.” (Collins-Kreiner, 2010, p. 155) O turismo religioso mantém o propósito de satisfação espiritual, através da romaria aos lugares sagrados ou da participação em festas religiosas. Numa aceção mais ampla, o turismo religioso pode, também, ser motivado por razões de ordem cultural ou antropológica, no sentido de aprofundar o conhecimento acerca de um fenómeno, de um lugar ou de um evento de matriz religiosa. Estes turistas, em regra, conhecem a funcionalidade litúrgica e o significado dos espaços de culto, o que lhes permite interpretar o sentido do lugar, mesmo que não participem da crença que lhe está associada.

Finally, those who visit sacred sites may experience intense personal, emotional experiences. Such experiences, however, are mediated by the visitors’ beliefs regarding the site and its meaning. Thus, even highly individualized, powerful internal experiences are framed by broader social discourses about physical spaces. (Belhassen, Caton, & Stewart, 2008, p. 686)

Porém, a maioria dos turistas visita os espaços religiosos inseridos em programas de turismo cultural, onde o desconhecimento da funcionalidade litúrgica dos espaços pode conduzir a comportamentos considerados inapropriados ou perturbadores do culto e da devoção que aí se pratica.

Sendo que estas tipologias são cada vez mais dinâmicas e imprecisas, intersecionando-se entre si, mantemos aqui a distinção entre duas categorias principais: uma, o peregrino ou o crente, que compreende a dimensão espiritual do lugar e que dispensa instrumentos mediadores, mas que pode beneficiar de dados relativos à sua componente patrimonial e artística; outra, o turista comum que exige esta informação complementar, acrescida de dados relativos à sua componente espiritual.

São, precisamente, estes visitantes, os que não conhecem, aqueles que mais necessitam de programas interpretativos no espaço religioso. “Religious sites often have little to offer the casual visitor in terms of interpretation, animation, or other elements that could prolong the visit. This is perhaps not surprising in view of the pressure to maintain the authenticity of religious sites.” (Richards, & Fernandes, 2011, p. 217) Se a motivação for a fruição cultural do património, a leitura dos espaços fica truncada nesse âmbito, exceto se houver estratégias ou equipamentos complementares que contextualizem a arquitetura e a arte, nas suas componentes funcionais (ou litúrgicas) e, também, simbólicas.

O turismo traz expetativas de desenvolvimento, não só económico, mas também cultural e de mentalidades, pelo confronto entre hábitos, formas de estar e de pensar, pelas dinâmicas que gera. Há, ainda, uma outra realidade objetiva: os espaços religiosos são cada vez mais frequentados por turistas, numa tendência eventualmente que, pelo menos nalguns casos, será contrária à da frequência dos fiéis. Há, aqui, uma situação potencialmente ameaçadora da integridade espiritual do espaço religioso, no sentido em que poderá provocar a transformação dos locais de culto em atrativos turísticos, mas que, ao mesmo tempo e por trazer novas audiências, também cria algumas oportunidades.

Basílica de S. João de Latrão, Roma
Foto: Randy OHC, 2009

Em primeiro lugar, a oportunidade de dar a “conhecer” o lugar, nas suas componentes tangíveis e intangíveis.

A introdução de instrumentos de mediação que contribuam para a interpretação e a compreensão dos espaços tem vindo a ser assumida como uma estratégia de sustentabilidade, segundo o argumento de que o visitante se sente mais impelido a preservar e a respeitar um local, na medida em que o conhece e compreende o seu significado (vd.: Belhassen, Caton, & Stewart, 2008; Gross, Brown, 2008; Hidalgo, & Hernandez, 2001; Lewicka, 2014; Ram, Björk, & Weidenfeld, 2015). O conhecimento induz um sentimento individual de pertença, contribuindo, neste caso, para que o visitante desenvolva uma ética de respeito em relação aos símbolos religiosos e às manifestações de culto.

O desenvolvimento de programas de interpretação permite que o visitante compreenda o lugar, o sentido litúrgico que lhe é inerente e o significado das expressões artísticas, mas também permite que o visitante se deixe interpelar pela mensagem intrínseca dos edifícios e seus acervos. Nesse sentido, o turismo apresenta-se também como uma oportunidade de evangelização, fora dos moldes mais tradicionais da pastoral, mas na continuidade de uma longa tradição na dinamização das artes e da cultura por parte da tutela eclesiástica. Em 1999, o Conselho Pontifício da Cultura já defendia que “Uma pastoral adaptada sabe promover e valorizar os lugares sagrados, santuários e peregrinações, as vigílias litúrgicas e as comemorações” (Conselho Pontifício da Cultura, 1999). No mesmo documento, definia, ainda, como algumas iniciativas neste sentido, tais como:

– Introduzir a pastoral do turismo e do tempo livre e a catequese através da arte, entre as atividades específicas habituais das dioceses.
– Conceber itinerários devocionais em uma diocese ou região, percorrendo a rede dos lugares da fé que constituem o seu patrimônio espiritual e cultural.
– Tornar as igrejas abertas e acolhedoras, pondo em destaque elementos por vezes modestos mas significativos.
– Prever uma pastoral dos edifícios religiosos mais frequentados, para fazer com que os visitantes se beneficiem da mensagem da qual eles são portadores e editar publicações simples e claras, elaboradas com o auxílio dos organismos competentes. (Id., ibid.)

A visita turística a locais de culto é uma oportunidade para a catequese, isto é, para a instrução de temas religiosos junto dos públicos laicos, sem prejuízo da obrigatoriedade de rigor na informação que é prestada.

Por outro lado, se considerarmos o turismo no âmbito mais vasto da busca do imaterial e do simbólico e da vontade de regressar às fontes matriciais da identidade do território e da cultura, em contraponto à padronização de um quotidiano cada vez mais globalizado, a experiência da visita pode converter-se em vivência espiritual. Ou seja, a distinção entre peregrino, turista religioso e turista comum está cada vez mais atenuada, no sentido em que, tanto o turista religioso prolonga o desígnio da viagem com atividades de lazer em espaços profanos, como o turista comum pode ter uma experiência espiritual no espaço religioso. E se isto é um desafio, é também uma oportunidade que este extraordinário incremento do turismo em Lisboa apresenta às igrejas do Patriarcado.

Referências bibliográficas:
Belhassen, Y., Caton, K., & Stewart, W. (2008). The search for authenticity in the pilgrim experience. Annals of Tourism Research, 35(3), 668-689. DOI: 10.1016/j.annals.2008.03.007
Collins-Kreiner, N. (2010). The geography of pilgrimage and tourism: Transformations and implications for applied geography. Applied Geography, 30(1), 153-164. DOI: 10.1016/j.apgeog.2009.02.001
Conselho Pontifício da Cultura. (1999). Para uma pastoral da cultura. Acedido em http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/cultr/documents/rc_pc_pc-cultr_doc_03061999_pastoral_po.html
Gross, M., & Brown, G. (2008). An empirical structural model of tourists and places: Progressing involvement and place attachment into tourism. Tourism Management, 29(6), 1141–1151. DOI: 10.1016/j.tourman.2008.02.009
Hidalgo, C., & Hernandez, B. (2001). Place attachment: Conceptual and empirical questions. Journal of Environmental Psychology, 21(3), 273-281. DOI: 10.1016/j.sbspro.2013.08.463
Lewicka, M. (2014). In search of roots: Memory as enabler of place attachment. In L. C. Manzo, & P. Devine-Wright (Eds.), Place attachment: Advances in theory, methods and applications (pp. 49-61). London; New York: Routledge.
Ram, Y., Björk, P., & Weidenfeld, A. (2016). Authenticity and place attachment of major visitor attractions. Tourism Management, 52, 110-122. DOI: 10.1016/j.tourman.2015.06.010
Richards, G., & Fernandes, C.  (2011) Religious tourism in Northern Portugal. In G. Richards (Ed.), Cultural tourism: Global and local perspectives (pp. 215-238). New York: Routledge.

Texto adaptado a partir da comunicação na Sessão de Apresentação do Programa Quo Vadis,organizada pela Pastoral do Turismo do Patriarcado de Lisboa.
Igreja de Nossa Senhora da Conceição Velha, 22 de março de 2017.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Novas vias da peregrinação: turismo, turismo cultural e turismo religioso," in a.muse.arte , 2017/03/24, http://amusearte.hypotheses.org/1739.

1 comentário a “Novas vias da peregrinação: turismo, turismo cultural e turismo religioso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *