O retrato de Mário Soares

Mário Soares (Lisboa, 7 de dezembro de 1924 – Lisboa, 7 de janeiro de 2017) descrevia-se como “socialista, republicano e laico” e é considerado o principal obreiro da democracia portuguesa e uma das personalidades mais marcantes da história do século XX.

Mário Soares Lisboa, 1974 Foto: Keystone/Hulton Archive/Getty Images

Mário Soares
Lisboa, 1974
Foto: Keystone/Hulton Archive/Getty Images

A biografia extensa sustenta a afirmação de um individuo singular. Era filho de João Lopes Soares, professor e pedagogo, que havia sido ministro das Colónias na Primeira República, e de Elisa Nobre Baptista, professora. Licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas, em 1951, e em Direito, em 1957, pela Universidade de Lisboa, tendo exercido como professor e como advogado, sobretudo, na defesa de presos políticos. No âmbito da luta contra o regime ditatorial de Salazar, na partir da década de 1940, aderiu ao Movimento de Unidade Nacional e apoiou a candidatura do general Norton de Matos à Presidência da República. Em 1955, fundou a Resistência Republicana e Socialista e, em 1973, fundou o Partido Socialista. Preso diversas vezes, foi deportado para São Tomé e exilado em França. Casou, na prisão, com Maria Barroso, em 1949.

Regressou do exílio, imediatamente após a Revolução de 25 de Abril. Durante o PREC, assumiu-se como líder civil em memoráveis confrontos com Álvaro Cunhal, do Partido Comunista, que conduziram à vitória do Partido Socialista nas eleições para a Assembleia Constituinte de 1975. Como ministro dos Negócios Estrangeiros entre março de 1974 e março de 1975, conduziu o processo de independência das antigas colónias portuguesas. Foi primeiro-ministro nos I (1976-1977), II (1978) e IX (1983-1985) Governo Constitucional. Em 1895, subscreveu, na qualidade de primeiro-ministro, o Tratado de Adesão de Portugal à CEE, em cujo processo colaborara. Foi presidente da República entre 1986 e 1996. Para pintar o retrato oficial como presidente da República, escolheu o pintor Júlio Pomar, amigo de longa data e companheiro de prisão em 1947. A cumplicidade entre ambos e o profundo conhecimento do retratado permitiram romper com a lógica hierática, formal e solene, dos retratos oficiais.

Mário Soares Júlio Pomar, 1992 Pintura a óleo sobre tela Dimensões/cm: 174 x 140 Lisboa, Museu da Presidência, Galeria de Retratos Oficiais

Mário Soares
Júlio Pomar, 1992
Pintura a óleo sobre tela
Dimensões/cm: 174 x 140
Lisboa, Museu da Presidência, Galeria de Retratos Oficiais

Deve-se ao Presidente Mário Soares o gesto de renovar a galeria de retratos, ao encomendar o seu a Júlio Pomar.

“Estávamos ali fechados, falávamos de tudo. Um dia, um de nós disse: “Vamos lá ver o que é que seremos daqui a 40 anos”. Eu disse logo: “O Pomar? O maior pintor português”. E ele, não sei se foi para me ser agradável: “Tu vais ser presidente da República”. Realmente acabei por ser. E pedi-lhe a ele para me fazer o retrato.” (Soares, in Ribeiro, s.d., p. 2)

Mais do que um chefe de Estado, Júlio Pomar, representa uma personalidade descontraída e dialogante e um caráter bonacheirão e afável.

Depois de Columbano, foi a primeira vez que um grande artista pôde entrar neste espaço simbólico. Mas, ao contrário de Columbano, Pomar é um pintor rebelde, mergulhado numa reflexão produtiva sobre a arte do século XX cujas heranças selecciona, glosa e recria, com comovente e qualificadíssima paixão. Por isso, ao encomendar-lhe o retrato de um Presidente da República, Mário Soares sabia que não poderia esperar uma obra convencional, voltada para uma inexistente e inexpressiva eternidade. (Museu da República, s.d.)

Longe da atitude de compostura inerente à autoridade do cargo, este é o retrato do homem Mário Soares. “A obra final, livre e libertária, retrata, com argúcia, o homem sem nenhuma preocupação de celebrar o Presidente.” (Id., ibid.)

A figuração é mais explícita no rosto: as “bochechas”, a testa alta e desimpedida, o sorriso, o olhar frontal que se fixa no observador. A representação do corpo, em manchas mais expressivas e dinâmicas, insinua um fato amarrotado, o casaco aberto, sobre a camisa azul de colarinho branco e a gravata vermelha desalinhada, com os braços erguidos num gesto reconhecível do debate político, numa pose de discurso inflamado, mas num tom sobretudo animado e bem-disposto. As mãos, sobretudo a direita, são o traço mais marcante, simultaneamente, o mais identitário e revolucionário, deste retrato oficial. Sentado numa cadeira de braços com remates de cabeça de leão, o único elemento evocador do poder associado à Presidência, mas que é também um motivo recorrente na obra de Pomar.

“A escolha da cadeira com dois leões nos braços não foi inocente e o desigual tratamento de cada cabeça indica, seguramente, um enquadramento do retratado, talvez político, talvez social, talvez global. Mantém-se destacado da direita conservadora e da esquerda utópica.” (Bispo, s.d.)

Em contrapartida, inclina-se para a frente, debruça-se sobre o observador, numa (anti)pose que se transforma num amplexo que envolve o observador. Simbolicamente, ao exercício formal do poder, sobrepõe-se o caráter humano, próximo, irreverente e caloroso, em que se tem vindo a definir a memória de Mário Soares.

É também revelador do espírito moderno de um homem de cultura, que permite a expressão do artista.

Referências bibliográficas:
Bispo, J. (s.d.). O segredo do retrato de Mário Soares. Samizdat. Acedido em http://www.revistasamizdat.com/2015/10/o-segredo-do-retrato-de-mario-soares.html
Museu da Presidência da República (s.d.). O Presidente de Júlio Pomar. Museu da Presidência da República (sítio institucional). Acedido em http://www.museu.presidencia.pt/expo_detail_full.php?id=5&ID=92
Ribeiro, A. M. (s.d.). Mário Soares, Júlio Pomar: Entrevista de Anabela Mota Ribeiro. Arquivo e Biblioteca Fundação Mário Soares, Textos Mário Soares. Acedido em http://www.fmsoares.pt/mario_soares/textos_ms/008/456.pdf

Fonte das imagens:
http://escola.britannica.com.br/assembly/142113/Mario-Soares-discursa-num-comicio-em-Lisboa-em-Portugal-no
http://www.museu.presidencia.pt/expo_detail_full.php?id=5&ID=92


4 comentários a “O retrato de Mário Soares

    • Não. Apesar do que tem vindo a ser reivindicado (!), a imagem é propriedade do Museu da Presidência da República, pelo menos, segundo o aviso na página “O Presidente de Júlio Pomar” do sítio institucional do museu. De qualquer forma, indico o autor e o proprietário e a imagem tem ligação para a página do museu. 😊

      • Perdi o seu comentário no meio do “barulho das luzes”, mas deixe-me só esclarecer, atrasado, que estava s ser sarcástico por causa das despropositadas reivindicações autorais que na altura circulavam… Parece que não fui bem sucedido, peço desculpa por tê-la irritado, não era minha intenção…

        • Não fiquei nada irritada, bem antes pelo contrário. Dei-me conta dessas reivindicações autorais e, aliás, quando publiquei a imagem pensei nisso. Achei o seu comentário deliciosamente a propósito e sou eu quem lhe deve um pedido de desculpas se lhe pareci irritada, quando estava a tentar, também eu, “brincar” com a situação. Inabilidade da minha escrita. Um abraço amigo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *