Os desenhos de Van Gogh: verdade, mentira e “pós-verdade” no mundo da arte

“Post-truth” (qualquer coisa como pós-verdade, ou depois da arte) é a palavra do ano, segundo o Oxford Dictionaries (s.d.), esclarecendo que, embora tenha surgido na última década, ganhou grande pertinência no contexto do Brexit e das eleições presidenciais nos Estados Unidos. Vale o que vale, mas não deixa de ser significativo que a sua utilização tenha registado um aumento de cerca de 2000% em relação ao último anterior. O dicionário classifica o termo como adjetivo, “relating to or denoting circumstances in which objective facts are less influential in shaping public opinion than appeals to emotion and personal belief” (id.). É uma forma de dizer as coisas; mas parece ser, sobretudo, a desculpabilização e viabilização da mentira, quando não da sua promoção. Ou a indiferença perante a manipulação intencional, a informação forjada. Ou a incapacidade em distinguir o verdadeiro do falso e o desprendimento com que aceitamos esta realidade. Há poucos dias, Jonathan Jones retomava o conceito, aplicando-o ao domínio da arte, ao interrogar “does anyone care in a post-truth art world?” (Jones, 2016, 16 nov.), a propósito da recente polémica em torno dos desenhos de Van Gogh.

Auto-retrato (?) com chapéu de palha Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888 Foto: Édition du Seuil

Auto-retrato (?) com chapéu de palha
Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888
Foto: Édition du Seuil

A obra Vincent Van Gogh, Le brouillard d’Arles: Carnet retrouvé inclui a reprodução fac-similada de 65 desenhos, alegadamente de autoria de Van Gogh e texto de Bogomila Welsh-Ovcharov, reputada especialista na obra do pintor e uma das comissárias da exposição Van Gogh em Paris, realizada no Museu d’Orsay, em 1988. A editora, a reputadíssima Seuil – que, em 2014, reeditou a biografia Van Gogh ou l’enterrement dans les blés, de autoria de Viviane Forrester – promoveu um lançamento mediático da obra em Paris, com uma conferência na Académie d’Architecture (AFP & Guyard, 2016, 15 nov.). E, quase em simultâneo, a obra foi publicada, um pouco por todo o mundo, do Japão aos Estados Unidos, passando por Holanda, Alemanha e Inglaterra. Os desenhos foram descobertos por Franck Baille, negociante de arte. Antes da publicação, os desenhos eram completamente desconhecidos, embora a existência tivesse sido anunciada no passado mês de junho. Fazem parte de um caderno na posse de um colecionador privado e, supostamente, terão sido pintados por Van Gogh no período arlesiano, entre 1888 e 1890. Do conjunto, fazem parte esboços de quadros conhecidos, paisagens, temas identitários como sóis incandescentes, árvores retorcidas, ou girassóis, e autorretratos que denunciam a alucinação que marcou os últimos dias do pintor (cfr. Bietry-Rivierre, 2016, 15 nov.).

Campo de girassóis Vincent van Gogh (atrib.) 1889, Saint-Rémy Foto: Ed. du Seuil

Campo de girassóis
Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1889, Saint-Rémy-de-Provence
Foto: Édition du Seuil

Olival e apanhadores de azeitona Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1889, Saint-Rémy Foto: Édition du Seuil

Olival e apanhadores de azeitona
Vincent van Gogh (atrib.), novembro ou dezembro de 1889, Saint-Rémy-de-Provence
Foto: Édition du Seuil

Além da certificação de Welsh-Ovcharov, também Ronald Pickvance, professor na universidade de Glasgow e autor da obra Van Gogh in Arles, publicada pelo Metropolitan Museum of Art, em 1984, afiança no prefácio da obra que este caderno é “la découverte la plus révolutionnaire de toute l’histoire de l’œuvre de Van Gogh”. No entanto, um comunicado do museu Van Gogh de Amesterdão, apoiado pelos investigadores Teio Meedendorp e Louis van Tilborgh. rejeita a autenticidade dos desenhos:

“Les experts ont examiné le style, la technique et l’iconographie et, parmi leurs conclusions, [sont arrivés à] celles-ci : ces images contiennent des erreurs topographiques distinctes et leur auteur s’est fondé sur des dessins décolorés de Van Gogh […] Un indice est que les dessins dans le carnet ont été exécutés dans une encre brunâtre et que ce type d’encre n’a jamais été retrouvé dans des dessins de Van Gogh réalisés entre 1888 et 1890.” (cit. in Le Monde, AFP, 2016, 15 nov.)

Curiosamente, a polémica incrementa o interesse. A hipótese de se tratar de um falso contribui para o seu prestígio. Por um lado, confirma-se aquele velho (e tão perverso) princípio de marketing de que não há publicidade má. Mas, por outro lado, tem vindo a constatar-se a proliferação de falsos, a suspeita de falsos certificados de autenticidade e expostos em museus, sem que isso provoque grandes incómodos.

Numa época em que os achados de obras desconhecidas é quase uma constante, são também correntes as descobertas de falsos. Nos últimos meses, sucederam-se uma série de suspeitas de falsos pintores como Parmigianino, Orazio Gentileschi, Lucas Cranach, o Velho, e Frans Hals, alguns deles provenientes da coleção de Giulano Ruffini, que afirma ter vendido várias obras avaliadas em milhões, através de conceituadas leiloeiras internacionais, como a Christie’s e a Sotheby’s. Recentemente, a Sotheby reconheceu um erro na avaliação de uma destas obras, um retrato supostamente de Frans Hals, que tinha vendido por 9,4 milhões de euros, sendo obrigada a recolher a obra e a indemnizar o comprador que não descarta a hipótese de processar a leiloeira.  Em março, a pintura Vénus com um Véu, de Lucas Cranach, o Velho, havia sido retirada de uma exposição em Aix-en-Provence, no âmbito de uma investigação levada a cabo pela polícia francesa, o que desencadeou o processo de autentificação do quadro de Hals. Em Portugal, a Polícia Judiciária apreendeu, no passado mês de outubro um total de 130 quadros com a assinatura de destacados nomes da pintura mundial, entre os quais Leonardo da Vinci, Kandinsky, Picasso, Modigliani, Miró, Chagall, Matisse, Monet e Vieira da Silva.

Retrato de homem Falso, atribuído a Franz Hals Foto: Artnet

Retrato de homem
Falso, atribuído a Franz Hals
Foto: Artnet

A proliferação de falsos, não sendo uma novidade, adquire agora novos contornos. As tecnologias mais avançadas propiciam reproduções exímias, difíceis de detetar. O retrato de Frans Hals havia sido submetido a um exame dendocronológico que confirmou a antiguidade do suporte e a análise prévia não levantou dúvidas quanto à sua autenticidade. No entanto, o fenómeno torna-se mais interessante se observado através dos seus efeitos, numa análise de cariz antropológico.

A figura do falsário é mitificada pela opinião pública. A literatura apresenta-o como um herói sedutor, precisamente porque é ludibriador. Num conto de Bernard Malamud (1950), “O nu revelado”, incluído na obra Idiots first1, somos levados a uma natural empatia com o estudante de arte que é obrigado a copiar a Vénus de Urbino, de Ticiano, para a trocar com o original, o que é conseguido, mas… deixando-nos com a visão do criador-falsificador a adorar a sua obra.

O cinema também contribui para esta mitificação. Em 1966, o argumento do filme de William Wyler Como roubar um milhão de dólares, com Hugh Griffith e Audrey Hepbur, conta a história de Chales Bonnet, colecionador de arte e falsário, que consegue que uma das suas réplicas seja vendida em leilão por um preço exorbitante e que o Museu Kléber-Lafayette exponha uma  Vénus, atribuída ao mestre renascentista Benvenuto Cellini e que fora feita pelo seu avô, também falsário, tendo a mulher como modelo. Os diálogos de Bonnet com a filha fornecem-nos algumas das mais interessantes dissertações acerca da falsificação. E é inevitável a referência ao hilariante Bean: Um autêntico desastre (1997), onde Mr. Bean é enviado a Los Angeles, na qualidade de especialista da National Gallery de Londres, a fim de apresentar o Retrato da mãe do artista2 e que, ao cabo de uma série de incidentes, acaba por ser substituída por um cartaz com uma camada de clara de ovo e esmalte de unhas, sem que ninguém se aperceba da troca.

A realidade, porém, costuma ultrapassar a ficção. Há alguns anos, descobriu-se que, no Museo de Arte Contemporáneo de Caracas, esteve exposto um falso de Matisse substituindo o original roubado sem que ninguém tivesse dado por isso (Vd. Quando o falso se confunde com o verdadeiro), o que nos permite questionar acerca da autenticidade da obra face à perceção do observador.

Jovem mulher de Jean-Honoré Fragonard, à esquerda, e cópia Made in China, de Doug Fishbone, 2015 Londres, Dulwich Picture Gallery Foto: Carl Court/Getty Images

Jovem mulher de Jean-Honoré Fragonard, à esquerda, e cópia
Made in China, de Doug Fishbone, 2015
Londres, Dulwich
Picture Gallery
Foto: Carl Court/Getty Images

Em 2015, a Dulwich Picture Gallery levou a cabo um projeto do artista conceptual Doug Fishbone, intitulado Made In China, substituindo uma das obras da exposição permanente por uma sua reprodução a óleo, adquirida por £ 70 através da internet a um copista chinês, e desafiou o público a identificar o falso. Durante três meses, cerca de 3.000 visitantes responderam à provocação e, de facto, a pintura que ganhou mais votos foi efetivamente a réplica, embora com apenas 12,38% dos votos. A experiência provou que nossa relação com a arte pode ser manipulada e que, sobretudo, a nossa capacidade de reconhecer o cunho único da obra original é bastante limitada.

Exposição Fake: No es verdad, no es mentira Valencia, Institut Valencià d'Art Modern Foto: IVAM, 2016

Exposição Fake: No es verdad, no es mentira
Valencia, Institut Valencià d’Art Modern
Foto: IVAM, 2016

O mesmo tema é tratado atualmente na exposição Fake: No es verdad, no es mentira, comissariada por Jorge Luis Marzo, no Institut Valencià d’Art Modern (IVAM) até finais de janeiro do próximo ano. O texto de apresentação da exposição aponta alguns dos elementos cruciais que definem o estado da arte contemporânea, entre a criatividade e a falsificação, a sabotagem e a manipulação nos discursos que lhe são inerentes.

Artistas que se inventan a otros artistas y ridiculizan los discursos de la excelencia cultural; documentales que aparentan realidades objetivas y que ponen en solfa los recursos periodísticos; performers que impostan roles para hacer saltar por los aires la certeza de lo que vemos u oímos; artistas digitales infiltrados en los juegos de guerra para cortocircuitar las expectativas de los usuarios; exposiciones falsas presentadas en museos icónicos de la verdad académica y que acaban exponiendo la ficción y fragilidad de su poder… (IVAM, 2016)

O uso de cópias é prática corrente ao longo da história da arte: grande parte da arte grega clássica e helenística é conhecida através de cópias romanas; muitos dos antigos mestres incentivaram a reprodução dos seus trabalhos por aprendizes; os museus e, nomeadamente, o Louvre, permitem o trabalho de copistas ao longo do percurso expositivo. Doug Fishbone quis chamar a atenção para o mercado internacional de reprodução de obras célebres dominado pela China, mas as próprias lojas dos museus vendem reproduções das suas obras com a garantia da sua chancela. Porém, aqui a cópia é assumida enquanto tal, genuína apenas enquanto imitação, sem se fazer passar pela sua origem.

A fraude no mundo da arte é algo mais complexo e, obviamente, dissimulado.  O retrato atribuído a Frans Hals não é uma cópia, mas uma pintura feita ao modo do pintor, reproduzindo-lhe a expressão estética com tal eficácia que resistiu à análise de peritos e avaliadores. É este estratagema que o Museu Van Gogh denuncia em relação ao caderno de desenhos, embora denuncie que “the drawing style of the maker of the drawings is, in the opinion of our experts, monotonous, clumsy and spiritless” (cit. in Jones, 2016, 16 nov.). Bogomila Welsh-Ovcharov, Ronald Pickvance e o editor Bernard Comment refutam esta acusação, embora seja estranho que, na obra, não refiram o parecer do museu consultado em 2008 (cfr. Jones, 2016, 16 nov.).

A questão é que tendemos a deixar-nos seduzir pela manipulação e já não nos interessa saber se é verdade ou mentira. Afinal, até esta se substancia como uma pós-verdade.

Referências bibliográficas:
AFP, & Guyard, B. (2016, 15 nov.). Le brouillard d’Arles, le carnet «retrouvé» de Van Gogh présenté à Paris. Le Figaro. Acedido em http://www.lefigaro.fr/arts-expositions/2016/11/15/03015-20161115ARTFIG00144–le-brouillard-d-arles-le-carnet-retrouve-de-van-gogh-presente-a-paris.php
Bietry-Rivierre, E. 2016, 15 nov.). Le Van Gogh Museum réfute les 65 dessins publiés aux éditions du Seuil. Le Figaro. Acedido em http://www.lefigaro.fr/arts-expositions/2016/11/15/03015-20161115ARTFIG00248-van-gogh-65-dessins-publies-sans-l-aval-du-musee-d-amsterdam.php
IVAM (2016). Fake: No es verdad, no es mentira. In IVAM : Institut Valencià d’Art Modern [sítio institucional]. Acedido em https://www.ivam.es/exposiciones/fake-no-es-verdad-no-es-mentira/
Jones, J. (2016, 16 nov.). Van Gogh’s lost drawings: Unconvincing, but does anyone care in a post-truth art world?. The Guardian. Acedido em https://www.theguardian.com/artanddesign/jonathanjonesblog/2016/nov/16/van-gogh-arles-lost-drawings-post-truth-art
Le Monde, & AFP. (2016, 15 nov.) Des dessins « inédits » de Van Gogh, contestés par le musée d’Amsterdam. Le Monde. Acedido em http://www.lemonde.fr/arts/article/2016/11/15/des-dessins-inedits-de-van-gogh-contestes-par-le-musee-d-amsterdam_5031699_1655012.html
Oxford Dictionaries (s.d.). Acedido em https://en.oxforddictionaries.com/defin
tion/post-truth

Fontes das imagens:
Desenhos de Van Gogh:
https://www.theguardian.com/artanddesign/jonathanjonesblog/2016/nov/16/van-gogh-arles-lost-drawings-post-truth-art
http://tempsreel.nouvelobs.com/culture/20161116.OBS1301/mystere-autour-d-un-carnet-de-dessins-inedits-attribue-a-van-gogh.html
Falso, atribuído a Franz Hals:
https://news.artnet.com/app/news-upload/2016/03/franz-hals-portrait-of-a-man.jpg
Made in China, de Doug Fishbone:
https://www.theguardian.com/artanddesign/2015/apr/28/dulwich-gallery-reveals-fake-painting-among-collection-of-old-masters
Exposição Fake:
https://www.ivam.es/exposiciones/fake-no-es-verdad-no-es-mentira/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Os desenhos de Van Gogh: verdade, mentira e “pós-verdade” no mundo da arte," in a.muse.arte , 2016/11/20, https://amusearte.hypotheses.org/1626.
  1. Esta obra está incluída na coletânea The Stories of Bernard Malamud (1989), publicada pela Farrar, Straus and Giroux. Em Portugal, há uma tradução, Primeiro os ediotas (2014), publicada pela Cavalo de Ferro. []
  2. O Retrato da mãe do artista é uma pintura a óleo sobre tela, do pintor norte-americano James McNeill Whistler, datado de 1871, e faz parte da coleção do Museu d’Orsay, em Paris. []

1 comentário a “Os desenhos de Van Gogh: verdade, mentira e “pós-verdade” no mundo da arte

  1. Gosto e é muito esclarecedor do mercado da arte actualmente, manipulado por galeristas e leiloeiros.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *