O Real Edifício de Mafra: memória da fundação

“Amanheceo o dia 17 de Novembro, determinado para a bênção da pedra, e se vio no terreiro da nova Igreja da parte do Norte, em proporcionada distancia, formada, e curiosamente adornada huma debaixo de huma grande de campanha, para nella se revestir em vestes Pontificaes o Illustrissimo Patriarcha, e se paramentarem os seus Conegos, e Cappellães, quando fosse tempo oportuno.” (Conceição, 1820, p. 101)

Palácio Nacional de Mafra: fachada da igreja Foto: MIR, 2016

Palácio Nacional de Mafra
Foto: MIR, 2016

O Real Convento de Mafra foi mandado construir, em 1717, por D. João V (1689-1750). Considerando a demora da rainha D. Maria Ana de Áustria (1683-1754) em procriar, D. João V havia prometido a construção de um convento para os frades franciscanos da Província da Arrábida, na sequência do vaticínio feito por Frei António de São José: “El-Rey teria filhos se fizesse voto a Deos de fundar hum convento dedicado a Santo António na Villa de Mafra” (Principio e Fundação do Real Convento de Mafra, c. 1763-70, p. 5; Gorjão, 2015, p. 4). O vaticínio concretizou-se, em 1711, com o nascimento de D. Bárbara, embora o herdeiro do trono viesse a ser o terceiro filho, futuro D. José I, nascido em 1714, dado que D. Pedro, o primeiro filho varão e herdeiro presuntivo da coroa morreu nesse ano. Não obstante ser esta a versão oficial passada pelos cronistas, a rainha já estaria grávida quando o rei formulou o voto.

A aquisição dos terrenos para a construção no local denominado Alto da Vela, “em pouca distancia da Villa para a parte do Nascente” (Prado, 1751, p. 4) começou imediatamente, permitindo o início da abertura dos alicerces em 1716. O projeto inicial de um convento para 13 frades foi sucessivamente ampliado.

Palácio Nacional de Mafra: fachada da igreja Foto: MIR, 2016

Palácio Nacional de Mafra: fachada da igreja
Foto: MIR, 2016

A 17 de novembro de 1717, D. João V lançou a primeira pedra, numa cerimónia de grande pompa, a que assistiram a corte, o Patriarca de Lisboa e a cúria, forças militares e muito povo. O convento estava previsto para 80 frades, o que constituía já uma ampliação em relação à intenção original.

“Tendo ElRei mandado fazer varias plantas para o Convento, principiando a deliniallas pela pobreza de quem o havia de habitar […] pois se dizia ao principio, que o Convento sería para acomodação de treze Frades, em memória dos treze dias, em que se dão especiais cultos a Santo Antonio, a quem era consagrado o tal Convento.” (Conceição, 1820, p. 83)

De entre as várias plantas que lhe foram apresentadas, o rei escolheu o projeto do arquiteto João Frederico Ludovice, por ser o mais conforme aos seus intentos de grandeza e magnificência. O arquiteto foi posteriormente auxiliado pelo filho, João Pedro Ludovice, e pelos engenhos de Custódio Vieira. Os mestres milaneses Carlos e Antonio Garvo dirigiam os trabalhos de alvanéus e de canteiros e o mestre italiano Tadeu Luís era o responsável pela carpintaria.

O lançamento da primeira pedra foi ocasião de grande solenidade e aparato, aproveitado para afirmação e propaganda do poder real. “Logo na primeira função, que se obrou na fundação do Real Convento de Mafra, fez ElRei patente ao Mundo todo, o quanto estava empenhado o seu gosto na magnificência desta obra […]” (Id., ibid., p. 86) Segundo o relato do cronista (Id., ibid., pp. 86-89), para a cerimónia foi erguida uma estrutura em madeira, replicando a forma prevista para a igreja, forrada e panos de brim e preciosamente adornada. No exterior, o frontispício estava coberto de tafetás encarnados, definindo três portas de grande dimensão sobre as quais se expunha duas pinturas sobrepostas, a mais alta das quais com a imagem de Santo António, a quem a igreja era consagrada. O interior estava ricamente revestido com panos de raz e tafetás encarnados e amarelos, simulando-se portas e janelas com cortinas de damasco carmesim guarnecidas com galões e franjas dourados. Na zona do altar, expunham-se, em duas credencias, os ricos paramentos e alfaias de prata cinzelada para o pontifical presidido por D. Tomás de Almeida, primeiro cardeal patriarca de Lisboa. Sobre o altar, elevava-se a banqueta com o conjunto da cruz e seis castiçais de prata. A tribuna real, armada no cruzeiro, revestia-se de brocado vermelho. Remata o cronista, dizendo que “tudo visto representava hum magestoso, e bem adornado Templo” (id, ibid., pp. 89-90).

D. João V chegou a Mafra dois três antes da cerimónia e quis visitar a obra, “vendo aquella admirável machina […] cheio de alegria” (id.ibid., p. 91). Na véspera da fundação, procedeu-se à bênção solene da cruz colocada na capela-mor, com pontifical seguido da cerimónia de adoração da cruz, a que também assistiu o rei.

No dia 17 de novembro, logo pela manhã e depois da entrada do patriarca e respetivo séquito, “chegou ElRei com a sua Côrte, montados a cavallo, com tanto luzimento na diversidade das galas, e preciosos jaezes dos soberbos brutos, em que vinhão montados, que igualmente recreavão a vista, e admiravão na riqueza” (id.ibid., p. 102).

A cerimónia começou com o cortejo processional, aberto pela comunidade de 64 frades arrábidos, seguidos pelo clero local e, atrás da cruz patriarcal, pela hierarquia eclesiástica, rematando com os cónegos, de mitras e pluviais de caudas sustidas pelos seus caudatários, antecedendo o Patriarca com vestes pontificais, mitra de pedras preciosas e báculo, atrás do qual iam os protonotários com roquetes e capa magna. A seguir, avançava o rei com a respetiva corte e as autoridades do lugar, após os quais, a terminar o cortejo, ia “hum grande numero de gente, pois passavam de três mil pessoas, as que concorrêrão de várias partes a presenciar huma função, que pelas suas antecedências prometia admirações.” (id.ibid., p. 104).

Na zona do altar, sobre uma credencia, uma urna guardava dois documentos em pergaminho, com a escritura da promessa feita pelo rei e a notícia da sagração, os vidros com os Santos Óleos e Agnus Dei e quatro medalhas de bronze e doze de ouro, tendo gravadas as efígies do rei e da rainha, do papa Clemente XI, do patriarca, a imagem de Santo António e representações da igreja e do convento.
A pedra foi benzida pelo patriarca, seguindo o ritual romano, após o que teve lugar novo cortejo até ao lugar onde devia ser colocada, juntamente com uma lápide alusiva, a urna com todo o seu conteúdo e um conjunto das moedas que então se cunhavam no reino. A cerimónia da colocação da pedra foi presidida pelo rei. A solenidade prosseguiu com a missa de pontifical em honra de Santo António. A magnificência da cerimónia foi elogiada pelo italiano D. Gabriel Chimbali, mestre de cerimónias na patriarcal, dizendo que, mesmo tendo assistido a vários pontificados papais, “não vira celebrar algum com tanta pompa, e grandeza, assim na riqueza dos paramentos, como na multiplicidade de Ministros, perfeiçaõ de ceremonias, e harmonia de vozes” (id.ibid., pp. 114-115). A festa prolongou-se ao longo do dia, alargada ao povo para quem foi aberta a real ucharia que serviu um jantar guisado.

Palácio de Mafra, em meados do século XVIII Autor não identificado, anterior a 1755 Col. particular

Palácio de Mafra, em meados do século XVIII
Autor não identificado, anterior a 1755
Col. particular

Depois do fulgor destas festividades, empenhou-se o rei em que a obra se concluísse com a maior brevidade. No entanto, aproveitando o afluxo de ouro do Brasil e quando a obra da igreja já se encontrava adiantada, D. João V reformulou os planos, decidindo ampliar o convento para 300 frades e anexar-lhe um paço real, de forma a acolher a família real e a corte. Esta decisão obrigou a novas expropriações, a um inevitável prolongamento dos trabalhos e a um aumento massivo da mão-de-obra recrutada em todo o país. Além disso, em 1727, o rei determinou que a sagração da igreja se fizesse a 22 de outubro de 1730, por ser a data em que o aniversário do rei calhava a um domingo, dia que o Ritual Romano prescreve para a cerimónia. Esta decisão, coincidindo com o início das obras para o convento, determinou novos recrutamentos, de livre vontade ou à força, chegando a juntar-se, no estaleiro, perto de 50.000 operários, carpinteiros, entalhadores, torneiros, serralheiros, pedreiros, vidraceiros, que esgotaram a mão de obra existente no reino.

Junto à obra, para albergar homens e animais, surgiu a chamada “ilha de madeira”, um extenso aglomerado de construções rudimentares, bem como as inúmeras oficinas de artesãos, barracas de campanha para os soldados, cozinhas e casas de pasto, enfermarias e boticas.

À exceção da pedra lioz trazida de Pero Pinheiro e Sintra, todos os materiais e adornos foram importados da Europa: mármores e madeira de nogueira, de Itália; madeiras exóticas do Brasil; alfaias e paramentos, de Itália, Holanda e França, vieram as alfaias e paramentos “e tudo em tanto número, e com tanta perfeição obrado, que dispensando nisso milhões de ouro, deixou aos artifices ricos, e a nós vendo-os, admirados” (id., ibid., p. 128).

Apesar de todas as diligências, não foi possível concluir a obra a tempo da sagração do templo. A igreja, à exceção do zimbório, estava concluída, bem como a sacristia, a cozinha, o refeitório e a casa de Profundis, faltando rebocar as abóbadas, mas os frades tiveram de ser acomodados em condições muito precárias, distribuídos por 40 celas. Os carrilhões, construídos, em Antuérpia e Liège, respetivamente, por Guilherme Withlockx e Nicolau Levache, tinham começado a ser instalados, mas só o da torre norte estava operacional, apesar de estar parcialmente montado.

Porém, estas circunstâncias não impediram a solenidade. “A sagração da Basilica de Mafra se fez com tanta magnificência, que pelas suas circunstancias não só se fez unica, mas parece inimitável” (id., ibid., p. 180). Estiveram presentes o rei, a família real, os ministros, os serviçais e toda a corte, a par das principais figuras da hierarquia religiosa, encabeçada por D. Tomás de Almeida, cardeais, os bispos de Leiria, Portalegre, Pará e Nanquim, os cónegos e ministros da patriarcal, os representantes de todas as ordens e congregações, com destaque para os duzentos e noventa frades e noviços da Província da Arrábida (Principio e fundação, c. 1763-70). As festividades prolongaram-se num oitavário.

Após a sagração e apesar da pressa do rei para que a obra se concluísse em três anos, os trabalhos prosseguiram num ritmo mais lento, sob a direção do Arq. Custódio Vieira. As esculturas de vulto da fachada, galilé e capelas da basílica, com uma rigorosa representação iconográfica de apóstolos, santos e fundadores de ordens religiosas, foram feitas em Itália entre 1730 e 1733. De autoria de Carlo Monaldi, Giovanni Battista Miani, Fillipo della Valle ou Pietro Bracci, constituem a mais importante coleção de escultura barroca italiana existente fora de Itália. O zimbório ficou concluído em 1735, ao mesmo tempo que se dava por finda a obra exterior do convento.

Explicação summaria do grande e magnifico edificio de Mafra : igreja, convento e palacio [S.l. : s.n., ca. 1825?] Gravura, água forte Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, E. 982 A.

Explicação summaria do grande e magnifico edificio de Mafra : igreja, convento e palacio
[S.l. : s.n., ca. 1825?]
Gravura, água forte
Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, E. 982 A.

Sendo o maior e mais relevante monumento barroco de Portugal, o Real Edifício, com 1200 divisões, compreendendo o convento, a basílica e o paço real, ocupa uma superfície de 37.790 m2, a que acresce a cerca e a tapada real. O edifício organiza-se em dois corpos principais, de secção retangular e adjacentes pelos lados menores, sendo o corpo da traseira destinado à zona conventual e o corpo fronteiro, de maiores dimensões, aos paços do rei, a norte, e da rainha, a sul. A fachada principal, virada a poente, desenvolve-se longitudinal e simetricamente a partir do eixo da basílica, ao centro, e remata com dois torreões, quadrangulares, com cobertura bolbosa.

A igreja, ponto central da fachada, marca a convergência entre o espaço palaciano e o espaço sacralizado, cuja articulação, através da Sala das Bênçãos, materializa o conceito de poder absoluto divinizado, confirmado pela magnificência da mole arquitetónica e pelo aparato e qualidade das obras de arte que a complementam.

Basílica de Mafra: vista da cobertura Foto: MIR, 2016

Basílica de Mafra: vista da cobertura
Foto: MIR, 2016

Referências bibliográficas:
Conceição, C. (1820). Gabinete historico: Que a Sua Magestade fidelissima o Senhor rei D. João VI. em o dia de seus felicissimos annos 13 de maio de 1818 oferece… (t. 8). Lisboa: Na Impressāo Regia.
Gorjão, S. (Ed.). (2015). Principio e fundação do Real Convento de Mafra, e sua grandesa e sua sustentação, e luxo, etc. Mafra: Associação dos Amigos do Convento de Mafra – Guardiães do Convento.
Prado, J. de S. J. (1751). Monumento sacro da fabrica, e solemnissima sagraçaõ da Santa Basilica do Real Convento, que junto à villa de Mafra dedicou a N. Senhora, e Santo Antonio a magestade augusta do maximo Rey D. Joaõ V. Lisboa: Na officina de Miguel Rodrigues.
Principio e fundação do Real Convento de Mafra, e sua grandesa e sua sustentação, e luxo. (c. 1763-70). Mafra, Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, cofre 67, reg. 40752.

Fontes das imagens:
Palácio em meados do século XVIII: https://www.publico.pt/local/noticia/quadros-de-antes-do-terramoto-de-1755-serao-expostos-em-lisboa-ao-publico-1630846#/0
Explicação summaria: http://purl.pt/11576

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O Real Edifício de Mafra: memória da fundação," in a.muse.arte , 2016/11/16, http://amusearte.hypotheses.org/1610.

1 comentário a “O Real Edifício de Mafra: memória da fundação

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *