Pão por Deus

No dia de Todos-os-Santos, é costume, grupos de crianças saírem à rua e andarem de porta em porta, a pedir o “Pão por Deus”. O pedido era acompanhado por cantilenas variadas: desde “Ó tia, dá Pão-por-Deus? Se o não tem Dê-lho Deus!” a outras bem mais elaboradas, como “Pão por Deus, Fiel de Deus, Bolinho no saco, Andai com Deus”. E, em resposta, agradecendo a esmola: “Esta casa cheira a broa, Aqui mora gente boa. Esta casa cheira a vinho, Aqui mora algum santinho.” Ou, se lhes fosse negado o pedido: “Esta casa cheira a alho, Aqui mora um espantalho. Esta casa cheira a unto, Aqui mora algum defunto.” Subjacente a todas as cantilenas, há um agradecimento se o pedido for satisfeito com uma oferta e ditos jocosos ou a promessa de travessuras se o pedido for negado.

Bolsa para a recolha do pão de Deus Foto: BurroVille, 2012

Bolsa para a recolha do pão de Deus
Foto: BurroVille, 2012

Mandava a tradição que as crianças se apresentassem arranjadas e com muita compostura, sem máscaras e com um ar sério, combinando com a solenidade do dia. O “pão de Deus” – ou broas, bolos, romãs e frutos secos, como amêndoas, nozes e castanhas – eram recolhidos nos talegos, sacos de retalhos, para depois serem divididos entre todos.
É corrente afirmar-se que esta tradição terá tido início em Lisboa, em 1756, um ano após o Terramoto, em que a população empobrecida aproveitou a circunstância do dia santo e da comemoração da catástrofe, para desencadear um peditório espontâneo que se estendeu a toda a cidade, a pedir esmola ou um “pão, por Deus” que lhes mitigasse a fome.

Não obstante, a designação de “dia de pão por Deos” e o costume de repartir pão cozido pelos pobres são registados em documentos jurídicos do século XV: “Pagaredes [sic] o dito foro em cada hum anno em dia de pão por Deos” (Viterbo, 1865, 265).

Teófilo Braga aponta para uma apropriação cristã de um costume pagão ancestral: “os pães chamados darum entre os mitriacistas, e mamphula pelos romanos, tornaram-se nestas ofertas cristãs” (Braga, 1994, 223). A ligação do pão ao dia em que se celebram todos os santos e mártires, decorre das práticas ancestrais e transversais a várias religiões e práticas devocionais de associar os mortos à vida quotidiana e manter a relação entre os vivos e os seus ancestrais, como é o costume de deixar o “pão das almas” nas sepulturas, no dia dos Finados dos Fiéis Defuntos, a 2 de novembro, (Machado, 1999, 36) ou a tradição dos bodivos, ou refeições que se davam aos pobres pelas almas dos defuntos, por seu turno, subsidiárias da ágape eucarística (Viterbo, 1865, 200-203). Leite de Vasconcellos, registando o costume a 2 de novembro, atribui-lhe uma origem francesa, sugerida pelos versos populares recolhidos em Preuilly-sur-Cher (“Boun’dam’, donnez du pain pour Dieu, Que nous dis’rons les Ovradiev, Les Ovradieu de Jésus-Christ.”) ou em Bengy-sur-Craon (“Donnez nous le pain du bom Dieu, Apprenez nous les A-Vois-Dieu, Les A-Vois-Dieu de Nout’Seigneur”) (Vasconcellos, 1938, 1313).

Em Portugal, o dia de Todos os Santos, por ser feriado, acabou por ser dia de visita aos cemitérios, devida no dia dos Fiéis Defuntos, celebrada a 2 de novembro, e, por conseguinte, o dia de oferendas aos mortos, consubstanciada no costume de colocar flores nas sepulturas. É, também, neste dia que se fixou o hábito de pedir o “pão, por Deus”, integrado no ritual popular de homenagem a Todos-os Santos e aos mortos, sendo, nalgumas zonas, conhecido como o dia do Bolinho: “Bolinhos e bolinhos, Para mim e para vós, Para dar aos finados, Que estão mortos, enterrados”.

O costume fixou-se, alargou-se a todo o país e perpetuou-se no tempo, até aos nossos dias, embora esteja cada vez muito diluído nas nossas memórias pela progressiva implantação da tradição anglófona do Halloween, numa clara ameaça a esta manifestação do património intangível português.

Referências bibliográficas:
Braga, T. (1994). O povo português nos seus costumes, crenças e tradições (v. 2). Lisboa: Publicações Dom Quixote.
Machado, C. A. (1999). Cuidar dos mortos. Sintra: Instituto de Sintra.
Vasconcellos, J. L. (1938). Miscellânea etnográfica. Opúsculos: Etnologia (v. 8, pp. 1291-1333). Lisboa: Imprensa Nacional.
Viterbo, J. S. R. (1865). Elucidário das palavras, termos e frases que em Portugal antigamente se usaram e que hoje regularmente se ignoram (2.ª ed., t. 1) Lisboa: A. J. Fernandes Lopes.

Fonte da imagem: http://ebitopo.weebly.com/patildeo-por-deus.html

Notas:
Texto feito a partir da publicação na página de Facebook BurroVille (2012, 1 de nov.)
Imagem


3 comentários a “Pão por Deus

  1. Não posso deixar de acrescentar que no pagão baixo alentejo onde nasci no final da década de quarenta, os trabalhadores rurais, chefes de família e com bocas para alimentar em casa, nos meses a seguir a setembro esperarem pelo lusco-fusco para baterem à porta a pedir pão para os filhos, não fossem ser vistos…um pedido quase sussurrado, mais adivinhado que ouvido, o chapéu rolando nas mãos…- a mãe do menino está?…e o embaraço de todos em casa, na partilha. Essa imagem tenho-a nítida e ainda hoje me entristece a sua lembrança. Naquele alentejo nunca se invocou Deus para matar a fome.

  2. E no talego se colocavam as frutas de casca difícil, as frutas escondidas, secas, adocicadas. As frutas que têm a ver com o inverno, com morte. As nozes, as avelãs, as amêndoas, as passas de uva e de figos.
    E no talego nada se colocava. Os peditórios, esse veículo da inclusão, servem também para o seu contrário. Nas festas dos Rapazes, em Trás-os-Montes, a casa que nada oferece vê o fumeiro assaltado pelos rapazes que entram pelo telhado. Na Beira Baixa, durante a homilia, recordo-me de ouvir o nome dos paroquianos que contribuíram para a compra de um sino. Foram designados um a um. E só se ouvia o nome daqueles que não fizeram parte da coleta e que, embrulhados em silêncio, ficaram excluídos, falados na sombra, a saudação entre dentes. Tu sabes que eu sei que tu não deste.
    A visibilidade da hierarquia no cesto que se prepara para o leilão, o “connosco é assim”. E a aldeia, que começa por ser um somatório de unidades, mostra agora um somatório de tensões nas cicatrizes das palavras tecidas ao serão.
    Em menina, eu ia ao Santorinho. Ali ninguém dizia Pão por Deus.
    Na capital, esta prática conserva-se em alguns condomínios privados. Longe do perigo das ruas, as crianças, de elevador, tocam às campainhas dos apartamentos. E, também aí, é o prédio que se torna uno, que se demarca. O nosso prédio, as nossas crianças, nós que mantemos a tradição, nós que. E, também aí, se excluem os que lá não moram, os que não mantêm a tradição, os Halloween dos Centros Comercias. O espantalho que cheira a alho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *