A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei

‘If my art has nothing to do with people’s pain and sorrow, what is ‘art’ for?’ (Ai Weiwei)

Ao longo da semana, assistimos ao desmantelamento da selva de Calais, esse enorme campo onde a crua fragilidade da nossa (des)humanidade era posta a nu: começou com o desmantelamento organizado e oficial das barracas, continuou através do enorme incêndio que as autoridades denunciam como fogo posto e manteve um incessante ritmo de transferência dos refugiados, levados de autocarro para centros de acolhimento dispersos em território francês.

Campo de refugiados em Calais Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Campo de refugiados em Calais
Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

O acampamento improvisado, iniciado com caráter provisório sobretudo após o encerramento do campo de Sangatte, em 2000, instalou-se nos arredores da cidade francesa de Calais, junto à zona portuária e à entrada francesa do túnel da Mancha, mas ganhou um forte incremento com a crise migratória dos últimos anos. Em agosto passado estimava-se que, no campo de Calais, estariam mais de 9000 migrantes (AFP, cit. in Les Echos, 2016, 20 ago.), a maioria dos quais provenientes de Afeganistão, Paquistão, Eritreia, Etiópia, Sudão, Síria. As péssimas condições, os confrontos quase diários com a polícia, o crescente descontentamento dos locais, a pressão da Grã-Bretanha, tudo isso levou ao desmantelamento do campo e a uma não menos polémica dispersão dos migrantes.

A testemunhar e a acompanhar a retirada das pessoas, a destruição das barracas, entre focos de incêndio e colunas de fumo, esteve Ai Weiwei, que entende a arte como um processo de ativismo político e social.

Ai Weiwei em Lesbos Foto: AFP-JIJI, 1 jan. 2016

Ai Weiwei em Lesbos
Foto: AFP-JIJI, 1 jan. 2016

Tal como, em dezembro de 2015, esteve na ilha de Lesbos, a fotografar a tragédia e o horror dos refugiados que fugiam à guerra e à morte, mas não escapavam ao desespero, a integrar-se no meio deles, a captar os coletes salva-vidas, as mantas térmicas, as roupas molhadas como marcas e símbolos dessa tragédia e a recuperá-los para os integrar na sua obra.

Divulgação da imagem de Ai Weiwei, reproduzindo a iconicidade do menino sírio Aylan Kurdi, cujo corpo deu à costa na praia de Lesbos
Foto: Rohit Chawla / India Today, Janeiro 2016

Instalação de Ai Weiwei na fachada da Konzerthaus, em Berlim, com coletes de salvação recolhidos na ilha de Lesbos Foto: John Macdougall/AFP/Getty Images

Instalação de Ai Weiwei na fachada da Konzerthaus, em Berlim, com coletes de salvação recolhidos na ilha de Lesbos
Foto: John Macdougall/AFP/Getty Images

Tal como esteve no campo de refugiados Idomeni, junto à fronteira greco-macedónia, a recolher as roupas sujas, os sapatos enlameados que iam sendo deixados para trás, antes da entrada das máquinas que terraplanaram o terreno e apagaram as memórias…

Ao longo do último ano, a intervenção de Ai Weiwei tem sido persistente através das redes sociais e, em particular, no Instagram, denunciando a realidade dos mais de vinte campos que visitou não só na Europa, como em África e no Médio Oriente.

I walked into the tents and saw so many blankets. Then the blankets started to move because there were people under them. […] It surprised me to see so many children not crying. They’re just like adults — it’s wet, it’s cold, it’s an unacceptable situation. (Weiwei, cit. in Pogrebin, 2016, 20 out.)

Em 30 de outubro, encerrou a exposição Ai Weiwei at Cycladic, no Museu de Arte Cicládica, em Atenas, onde, a par de algumas das suas obras mais conhecidas (Grapes, 2011; Mask, 2011; Divina Proportione, 2012; Cao, 2014), expôs os testemunhos dessa experiência em iPhone Wallpaper, um gigantesco mosaico com 12.030 imagens captadas pelo artista, através de um smartphone, em Lesbos, entre janeiro de 2015 e Abril de 2016.

Iphone Wallpaper Ai Weiwei, 2016 Atenas, Museu de Arte Cicládica

Iphone Wallpaper
Ai Weiwei, 2016
Atenas, Museu de Arte Cicládica

Num vídeo que acompanha a exposição, com a imagem longínqua e imprecisa de um bote carregado de gente a prosseguir penosamente na imensidão das águas, ouve-se a voz de Weiwei, a explicar este lado da história:

When you see the people arrive, it’s hard to describe that feeling. It’s like you cut your skin and see the blood come out. The fresh blood. And you see that wound will never heal. And people just miss the vessel’s blood, but there’s no intention to stop it. The whole situation is so desperate – because you don’t see human connections in those events. It’s completely cut off. (Weiwei, 2016)

Em conformidade com esta atitude ativista, o museu também assume uma abordagem de compromisso face à realidade exposta e anunciou que irá alocar 10% das receitas para os Médicos sem Fronteiras (MSF) e para a Metadrasi, duas ONGs que têm vindo a salientar-se na luta contra a crise dos refugiados na Grécia.

#SafePassage Ai Weiwei, 2016 Foto: Ai Weiwei Studio

#SafePassage
Ai Weiwei, 2016
Foto: Ai Weiwei Studio

No Foam Fotografiemuseum, em Amsterdão, está, desde 16 de setembro e até 7 de dezembro, a #SafePassage, uma instalação que cobre as paredes com fotografias tiradas com o seu telemóvel nos campos de refugiados de Lesbos e ao longo do Mediterrâneo, na Síria, Turquia, Itália, Israel e França.

Entretanto, no passado dia 28 de outubro, inaugurou, em Turim, a exposição Around Ai Weiwei. Photographs 1983-2016, provavelmente a mais extensa cronologicamente e a que aborda um arco maior da sua biografia e, em certa medida, talvez a mais centrada no artista e menos focada no fenómeno dos refugiados, conforme afirma Davide Quadrio, curador da exposição, no texto do respetivo sítio eletrónico:

In un panorama di mostre che presentano le opere monumentali di Ai Weiwei abbiamo concepito questo progetto […] espressamente per riorientare lo sguardo del pubblico verso gli elementi documentari che circondano la vita dell’artista, in quanto testimonianze del suo affascinante viaggio come uomo, creatore e attivista. (Quadrio, 2016).

Além destas, anuncia-se a abertura da exposição Ai Weiwei: Laundromat, no Deitch Projects, em Nova Iorque, entre 5 de novembro e 23 de dezembro1, com os objetos recolhidos em Idomeni, um documentário sobre este campo e fotografias deste e dos outros campos que visitou no último ano. “The migrants have to go through mountains, they have to jump into boats — there is no time to wash. They have to throw away dirty stuff. There’s nothing artistic about it. It’s daily life. It’s human struggle.” (Weiwei, cit. in Pogrebin, 2016, 20 out.)

Despojos recolhidos no campo de Idomeni, fotografados no estúdio de Ai Weiwei, em Berlim Foto: Ai Weiwei Studio, 2016

Despojos recolhidos no campo de Idomeni, fotografados no estúdio de Ai Weiwei, em Berlim
Foto: Ai Weiwei Studio, 2016

As roupas, os sapatos, os cobertores, foram limpos, lavados, organizados e fotografados no estúdio do artista em Berlim, numa assumida apropriação desses testemunhos, mas também da alteração do respetivo valor enquanto prova documental da realidade testemunhada.

A apropriação dos objetos e das imagens, nas quais Ai Weiwei se imiscui, registando-se a si próprio, tem vindo a ser denunciada como um aproveitamento demagógico da tragédia humana para a construção da obra de arte e, por conseguinte, para a sua própria propaganda, sob o pretexto da denúncia política e social.

Ai Weiwei, obviamente, rejeita as acusações, justificando que a crise dos refugiados reflete a sua história familiar e pessoal: o pai, o poeta e ativista chinês Ai Qing foi denunciado durante o Movimento Antidireitista no final da década de 1950, obrigando-o a partir com a família para um campo em Beidahuang, no nordeste da China, de onde foram exilados, em 1961, para a zona de Xinjiang, onde permaneceram até 1976, após o fim da Revolução Cultural; ele próprio, assumindo uma posição abertamente crítica acerca do governo chinês, denunciando a corrupção existente e os constantes atropelos à democracia e aos direitos humanos, foi detido em Pequim, em 2011, mantido preso durante 81 dias por alegados crimes económicos e, em seguida, e o passaporte foi-lhe confiscado até 2015, ficando impedido de se deslocar ao estrangeiro. Como refugiado político, sob a vigilância constante do governo, o artista assume a tragédia dos refugiados como sua e estabelece um discurso artístico e performativo onde a arte e a vida se confundem numa única realidade.

A arte é o meio através do qual exprime a denúncia e a indignação. Como afirma Davide Quadrio no texto de apresentação da exposição em Turim, as obras de Ai Weiwei são concebidas para atrair o olhar do público, ou a sua consciência para os elementos documentais que fazem parte do seu quotidiano e que testemunham a sua vida enquanto homem, criador e artista. A trama autobiográfica atravessa o caleidoscópio destas imagens transformadas em símbolos da nossa contemporaneidade, das tragédias e das esperanças, dos heroísmos e das resiliências em que o homem de hoje se reinventa.

A realidade de Ai Weiwei é vivida à escala global e serve-se dos meios à disposição da civilização contemporânea. As tecnologias de informação, os dispositivos eletrónicos, as redes sociais, constituem o instrumento e o suporte para a construção da obra. Desde 2005, Ai Weiwei tem vindo a usar a internet e as redes sociais, como o Twitter e o Instagram, para comunicar com centenas de milhares de seguidores em todo o mundo, de forma direta, dialógica e sem intermediação. O espaço digital é democrático, também no sentido em que está acessível a uma audiência alargada, ao permitir a liberdade de expressão e de interação fora do espaço limitado e elitista das galerias e ao proporcionar uma plataforma para a discussão, a crítica, a troca de opiniões, para a denúncia e para a sensibilização à causa pública.

Há pouco tempo, ouvi Óscar Yanel referir-se a Ai Weiwei como o Picasso do século XXI. Talvez seja, sobretudo, o artista que melhor define a arte deste início do século XXI.

Referências bibliográficas:
AFP. (2016, 20 ago.). Il n’y a jamais eu autant de migrants dans la Jungle de Calais. Les Echos. Acedido em http://www.lesechos.fr/politique-societe/societe/0211217056656-il-ny-a-jamais-eu-autant-de-migrants-dans-la-jungle-de-calais-2021780.php?ZoPFfsKUBt9IkdbK.99
Pogrebin, R. (2016, 20 out.). Ai Weiwei melds art and activism in shows about displacement. The New York times. Acedido em https://goo.gl/Cnq79H
Weiwei, A. (2016). Ai Weiwei at Cycladic. Acedido em https://www.youtube.com/watch?v=7infAN7zG_E

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei," in a.muse.arte , 2016/10/31, http://amusearte.hypotheses.org/1550.
  1. Na mesma altura, a exposição Ai Weiwei: Roots and Branches será apresentada em três galerias nova-iorquinas: na Lisson New York e em dois espaços autónomos da Mary Boone Gallery. []

2 comentários a “A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei

  1. Muito mais interessante enquanto desempenho artístico do que moscas dentro de uma campânula. Haverá algum entusiasmo na comparação com Picasso, mas lá que é importante este tipo de instalações/intervenções, sem dúvida que é.

  2. Pingback: O grande galo da arte contemporânea | a.muse.arte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *