O museu que vamos deixar de ver

Exposição “Obras em reserva: O museu que não se vê”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 18 maio 2016 – 23 out. 2016

Há um irresistível fascínio na visita às reservas. É a possibilidade de espreitar aquilo a que só alguns têm acesso, o inacessível que escapa à norma do exposto, aquilo que está vedado e se torna, por isso mesmo, mais apetecível à nossa curiosidade e a um inevitável impulso voyeurista. O horizonte onírico de quem se cinge ao espaço definido da cena expositiva, na expetativa do que se encontra em bastidores.

Exposição "O museu que vamos deixar de ver": núcleo 1 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 2
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) dispôs-se a levantar o pano e desvendar “o museu que não se vê”1, numa exposição temporária, projetada pelo próprio diretor, António Filipe Pimentel e comissariada por Anísio Franco e José Alberto Seabra Carvalho, conservadores do museu, permitindo-nos um vislumbre daquilo que o museu poderia ser e repor o debate acerca das lógicas que determinam a cisão entre o que se expõe ou se oculta.

As reservas de um museu são, por natureza, um território mítico: um lugar protegido, inacessível aos olhos profanos, onde se acumula e preserva um sem-número de obras de arte. […] É esse espaço, velado e misterioso, que esta exposição pretende evocar, trazendo à luz e ao olhar curioso dos visitantes um vasto número de obras que, apenas pelos constrangimentos físicos do edifício em que se aloja o MNAA, não fazem parte da sua exposição permanente. (MNAA, 2016)

O catálogo ampara este gosto pelo inacessível, ao incluir fotografias do espaço de reserva, mostrando um outro contexto, o habitual, dos objetos que agora se desvendam.

Figuras e cenas religiosas Oficinas das Midlands, Nottingham (Inglaterra), séc. XV Lisboa, MNAA Foto: MIR, 2016

Figuras e cenas religiosas
Oficinas das Midlands, Nottingham (Inglaterra), séc. XV
Lisboa, MNAA, exposição “O museu que vamos deixar de ver”
Foto: MIR, 2016

A exposição é polissémica, confirmando que “o Museu é um território de viagens múltiplas, concretas ou ideais, disseminadas por campos analíticos, por formas, culturas, significados” (in texto introdutório no percurso expositivo). As “polissemias e diacronias”, anunciadas no primeiro núcleo, constituem um denominador comum a toda a exposição, tanto em função das tipologias (pintura, desenho, escultura, ourivesaria, mobiliário, tapeçaria, têxteis), como das expressões da arte ocidental, cobrindo um arco cronológico entre a Antiguidade Egípcia – leão da época ptolomaica – e o século XIX.

Exposição "O museu que vamos deixar de ver": núcleo 1 Lisboa, MNAA Foto: MIR, 2016

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 2
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

A exposição é, sobretudo, didática, informativa e interpretativa, refletindo um trabalho de investigação e análise crítica, nem sempre evidente em exposições similares, apontando para novas perspetivas e novas lógicas na organização do discurso expositivo. Os subtemas escapam à norma diacrónica ou tipológica, optando por critérios conceptuais que se refletem na designação dos núcleos. Os primeiros, na sequência das  polissemias e diacronias, focam o fenómeno e a função do museu: uma nova sacralização – confesso que, aqui, não consigo ficar indiferente, ao detetar a declinação de um assunto que tenho feito ‘meu’, tratando da sacralização do espaço do museu ou, no que respeita ao objeto religioso, da transferência de elementos de sacralidade para o espaço profano do museu; e a reserva enquanto limbo, onde estão expostas peças que não cabem na exposição permanente, devido à precariedade do estado de conservação ou devido a uma “problemática interpretação” (id.) ou de falsa ou duvidosa atribuição, e que, por isso, reclamam uma pesquisa em constante atualização e comprovam o caráter finito e provisório da investigação científica, assegurando a vitalidade do museu no cumprimento das suas funções.

2016-07-24-12-19-44

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 3
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

Segue-se uma sequência sob o implícito mote da forma:  capturando a forma, onde o desenho se define como preexistência da forma; o corpo e o espaço, explorando a dicotomia entre a representação humana e os fundos, num conjunto de retratos, onde se destaca uma coleção de delicadas pinturas novecentistas a têmpera sobre marfim; ornato e desornamento, onde se retomam as alfaias religiosas, agora justificadas pelo artifício da forma, ao lado de outras peças de aparato, ou de utensílios de uso doméstico, chamando o olhar para o virtuosismo dos detalhes.

E, por fim, a demanda da viagem, onde se expõem objetos geralmente menos valorizados do ponto de vista patrimonial e artístico, mas que, aqui, ganham relevância pela evocação de uma das marcas mais relevantes do nosso destino histórico e do cruzamento de culturas que provocou, lançando as raízes à globalização em que vivemos.

Descobrimento das Índias (pormenor) Série "À maneira de Portugal e da Índia" Manufatura de Tournai, c. 1504-1530 Lisboa, MNAA Foto: MIR, 2016

Descobrimento das Índias (pormenor)
Série “À maneira de Portugal e da Índia”
Manufatura de Tournai, c. 1504-1530
Lisboa, MNAA, exposição “O museu que vamos deixar de ver”
Foto: MIR, 2016

A par da inovação do discurso museológico e tal como acontece na renovada exposição da pintura e da escultura, regista-se a mesma intenção informativa e interpretativa na redação das tabelas e dos textos que acompanham as peças, com comentários que esclarecem o historial e o contexto de produção, por vezes, a função ou o sentido, embora, também aqui, os critérios não sejam uniformes.

Cristo coroado de espinhos Autor hispânico-flamengo desconhecido, século XVI Lisboa, MNAA

Cristo coroado de espinhos
Autor hispânico-flamengo desconhecido, século XVI
Lisboa, MNAA, exposição “O museu que vamos deixar de ver”
Foto: MIR, 2016

Fuga para o Egipto Casa da Escultura de Lisboa, dir. J. Machado de Castro, 1780-1800 Lisboa, MNAA Foto: MIR, 2016

Fuga para o Egipto
Casa da Escultura de Lisboa, dir. J. Machado de Castro, 1780-1800
Lisboa, MNAA, exposição “O museu que vamos deixar de ver”
Foto: MIR, 2016

Fuga para o Egipto: tabela e texto Lisboa, MNAA, exposição "O museu que vamos deixar de ver" Foto: MIR, 2016

Fuga para o Egipto: tabela e texto
Lisboa, MNAA, exposição “O museu que vamos deixar de ver”
Foto: MIR, 2016

Depois de algumas críticas a uma programação de exposições temporárias assente em produtos externos ao museu, mas que animaram o fluxo de visitantes e trouxeram novas audiências, esta é uma exposição pensada e elaborada internamente, que mantém os índices de qualidade e confirma – se necessário fosse – a competência desta equipa de conservadores. O público afluiu, justificando (e exigindo) os sucessivos prolongamentos: o encerramento esteve previsto para 25 de setembro, depois para 9 de outubro e, finalmente, quando a exposição já tinha sido visitada por 80 mil pessoas, para 23 de outubro.

Quase no fim, agora, a merecer uma reflexão em jeito de epílogo. Há peças que queríamos continuar a ver, há outras que conhecíamos e gostámos de rever, há aquelas que descobrimos e nos surpreenderam. Há umas que apenas se justificam numa mostra temporária, mas há outras que mereciam estar incluídas na exposição permanente. Assim coubessem, no espaço limitado do museu. A consciência dos condicionalismos materiais do espaço – assim como da sua localização – tem acompanhado toda a história do museu, desde a sua fundação e a despeito das sucessivas ampliações.

“Com efeito, se ao MNAA sempre minguaram os benefícios de uma política aquisitiva ativa e definida, que apostasse decididamente na afirmação do acervo acumulado, de igual modo lhe foi sempre exíguo o espaço disponível para a cabal exibição das suas coleções.” (Pimentel, 2016, p. 8)

Parafraseando Francisco de Holanda, esta exposição constitui um poderoso argumento acerca “do museu que falece à cidade de Lisboa” e, por extensão, ao país. Há, seguramente, um museu que queríamos ver, mas que se irá manter nesse espaço exclusivo, “ao mesmo tempo fascinante e mítico” (id., p. 9), que são as reservas.

Pode ser que o plano de pormenor das Janelas Verdes, recentemente aprovado pela Câmara Municipal de Lisboa, ao proteger uma área em torno do museu, permitindo-lhe ganhar uma frente nova na avenida de 24 de julho, permita resolver as contingências de espaço e de acesso. Porque o museu é apenas aquilo que se vê mas, nas reservas, há muito que pode ser visto.

Referências bibliográficas:
MNAA. (2016). Obras em reserva. Museu Nacional de Arte Antiga (sítio institucional). Acedido em http://museudearteantiga.pt/exposicoes/obras-em-reserva
Pimentel, A. F. (2016). O museu que não se vê. In Obras em reserva: O museu que não se vê (catálogo da exposição, pp. 7-9). Lisboa: MNAA.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O museu que vamos deixar de ver," in a.muse.arte , 2016/10/18, https://amusearte.hypotheses.org/1534.
  1. “O Museu que não se vê” é também a designação de um projeto do Museu Imperial, em Petrópolis (RJ), no Brasil, iniciado em 2002 e que leva os visitantes, em pequenos grupos acompanhados, a conhecer os respetivos setores técnicos: Biblioteca, Reserva Técnica, Laboratório de Conservação e Restauração, Arquivo  Histórico e Educação. []

1 comentário a “O museu que vamos deixar de ver

  1. De facto tarda um novo acesso ao museu e este só teria a ganhar se a Câmara também criasse condições de estacionamento junto ou perto das s/instalações. Não esquecer que grande parte dos potenciais visitantes são pessoas de nível etário elevado e muitas deficientes e o seu transporte para o local não é fácil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *