Coleção Miró, uma história interminável

Exposição “Joan Miró: materialidade e metamorfose”
Porto, Serralves, 1 out. 2016 – 28 jan. 2017

Uma série de operações duvidosas levou à nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN); a nacionalização do BPN fez transitar um conjunto de 85 obras (pintura, desenho, colagem, escultura e tapeçaria) de Juan Miró, avaliada entre 35 e 54 milhões de euros, para a Caixa Geral de Depósitos; a fim de amortizar as dívidas do BPN, o Governo quis vendê-las em leilão organizado pela Christie’s de Londres, agendado para fevereiro de 2014, estimando um encaixe mínimo de 36 milhões de euros,  contra os pareceres pedidos pela então diretora-geral do Património, Isabel Cordeiro, a David Santos, diretor do Museu do Chiado, e a Pedro Lapa, do Museu Coleção Berard, que se pronunciaram pela permanência das obras em Portugal; defendendo que a venda constituiria uma perda irreparável, o Ministério Público, iniciou uma batalha jurídica contra a Parvalorem e a Parups, sociedades criadas para abater a dívida do BPN, a qual se prolongou, mantendo acesa a discussão pública e levou ao cancelamento do leilão; entretanto, as sociedades conseguiram impugnar o processo de classificação das obras, sob o pretexto de que as obras estavam em Portugal havia menos tempo do que o necessário para que esta fosse obrigatória1; ainda em 2014, o empresário luso-angolano Rui Costa Reis fez chegar uma proposta para adquirir a coleção no valor de 44 milhões de euros e garantia a manutenção das obras na cidade do Porto durante 50 anos, mas a oposição conseguiu travar a transação; com a mudança do Governo, o ministro da Cultura João Soares inverteu as tomadas de posição do seu antecessor, e em julho passado o atual ministro, Luís Filipe Castro Mendes, anunciava a vontade de que a coleção ficasse no Porto, o que foi prontamente acolhido pelo autarca da cidade, Rui Pereira.

Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" Porto, Serralves Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”
Porto, Serralves
Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

No passado dia 30 de setembro, foi inaugurada a exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”, que apresenta ao público, pela primeira vez, esta coleção. Com um projeto expositivo assinado por Álvaro Siza Vieira, a exposição é comissariada por Robert Lubar Messeri, reconhecido especialista na obra de Miró, que realça, conforme se depreende do título, “a transformação das linguagens pictóricas que o artista catalão começou a desenvolver em meados dos anos 1920, aborda as suas metamorfoses artísticas nos campos do desenho, pintura, colagem e trabalhos em tapeçaria” (Museu de Arte Contemporânea de Serralves, 2016). Mercê de um relevante acordo político, foi anunciado na altura que a coleção, agora sob a tutela da Câmara Municipal do Porto, ficaria na Casa de Serralves, tendo o arquiteto Siza Vieira acedido ao pedido para transformar o espaço para a sua exposição permanente. Haverá, pelo menos a intenção, sendo que parece não ter sido efetivamente formalizada entre as partes envolvidas.

Final feliz para uma história atribulada?

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, saudou a decisão e louvou o Governo “que soube compreender a situação existente e acolher o que melhor se ajustava ao interesse nacional”, sublinhando que o Porto, “capital da liberdade e criatividade cultural – é a melhor para acolher” esta coleção de Miró, “ele próprio exemplo de cultura e liberdade” (cit. in LUSA, & Silva, 2016, 30 set.). Os museus monográficos de Miró em Barcelona e em Palma de Maiorca têm um conceito norteador e antológico que, pelo menos, em aparência, falta a esta coleção e têm uma relação direta com a comunidade, sendo locais onde o pintor viveu e incorporou na sua obra, o que é mais objetivo do que esta analogia conceptual (e acidental) que se procura estabelecer com a cidade do Porto.

A criação do museu em Serralves é um ato mais político do que cultural, como, de resto, a jornalista Lucinda Canelas assinala em relação à exposição, inaugurada com a presença do Presidente da República, do Primeiro-Ministro, do Ministro da Cultura, do Presidente da Câmara e do Presidente do Governo de Espanha: “[a exposição] está longe de ser apenas mais uma proposta na oferta cultural do país – é um acto político, e isso nada tem a ver com a lista de convidados. É um acto político porque foi política a decisão de a manter no país, tomada pelo executivo de António Costa […]” (2016, 30 set.) e que implica que receber menos na recuperação de activos tóxicos do Banco Português de Negócios. É também política na forma como o Ministério da Cultura anunciou a decisão: “É orientação do XXI Governo Constitucional a não alienação das obras Miró e sua integração em entidade museológica nacional” (Gabinete do Ministério da Cultura, cit. in Cavaleiro, 2016, 28 set.). Além disso, o discurso do poder secundariza a cultura face ao propósito da promoção turística e da criação de “um novo polo de atractividade que ajude a consolidar e a reforçar a que tem tido ao longo dos últimos anos” (Primeiro Ministro, cit. pela LUSA in id. Ibid.). O processo tende a restringir-se às esferas da política e da economia, ainda que a propaganda assuma uma argumentação cultural.

Inauguração da exposição Twitter, antoniocostapm

Inauguração da exposição “Joan Miró”
Twitter, antoniocostapm

Esta é uma coleção da qual se diz que talvez não o seja, dada a irregular qualidade das obras, reunidas ao acaso de princípios eventualmente pouco éticos. No entanto, o próprio neto do pintor e estudioso da sua obra, Joan Punyet Miró, classifica-a como “colecção com uma personalidade única, compacta, que muitos museus do mundo invejariam” (cit. in Queirós, 2016, 2 out.), dizendo-se impressionado com “a grande quantidade de obras extraordinárias, quer do ponto de vista artístico, quer no plano dos materiais e das formas” (id., ibid.).

Fila de acesso à exposição Porto, Serralves Foto: Paulo Pimenta / Público, 2016

Fila de acesso à exposição “Joan Miró”
Porto, Serralves
Foto: Paulo Pimenta / Público, 2016

Indiferente à diferença dos argumentos – ou talvez por isso mesmo – motivado pela mediatização de todas as polémicas, o público aderiu em massa. A inauguração, na sexta-feira, foi reservada a convidados, mas, no fim de semana, houve mais de dois mil visitantes na Casa de Serralves. As exposições em Serralves costumam ter grande afluência de público, mas dois mil visitantes em dois dias é, de facto, muito. As filas estenderam-se no exterior, uma vez que a segurança não permitia mais de 200 visitantes no interior da casa, obrigando a uma espera prolongada. Será pelo impacto de Joan Miró? Pela qualidade expetável de uma exposição organizada por Serralves, comissariada por Lubar Messeri e projeto de Siza Vieira?

Aparamente, não, pelo menos a julgar pelas reações e comentários de alguns visitantes. Também aqui, não há consensos. Entre os que afirmam gostar de arte contemporânea e da obra de Miró, são muitas as vozes dissonantes dos que não apreciam, não compreendem, não sentem. Uma visitante, citada no Público, diz dar “mais valor ao artista que fez o ar condicionado” (cit. in Queirós, 2016, 2 out.). À TVI, um visitante, diz “ter mais preferência por aquele tipo de pintura do género Rembrandt e companhia, onde há menos imaginação, mas há uma técnica e um perfecionismo completamente diferente”; outro confessa não conhecer bem a obra de Miró nem ser grande apreciador de pintura, mas veio porque “isto está envolvido em questões políticas e tem um mediatismo muito grande” (in Fernandes, Rocha, & Moura, 2016, 2 out.).

Exposição: afluência de público Porto, Serralves Foto: 2016

Exposição “Joan Miró”: afluência de público
Porto, Serralves
Foto: Paulo Pimenta / Público, 2016

Está aqui o cerne desta questão em torno do binómio museu/público na sociedade mediatizada. O que transmite a noção de obrigatoriedade, ou da necessidade de consumo, é a difusão compulsiva (e espetacularizada) de um acontecimento. A aquisição de novas audiências através da mediatização de um acontecimento efémero torna-se também um fenómeno transitório, atuando apenas ao nível do comportamento externo, no sentido da adaptação e acomodação do indivíduo a uma matriz social. Reeve e Woollard (2006) alertaram para a diferença dos efeitos destas ações em relação ao papel fundamental da educação, com reflexos na distinção entre o visitante-consumidor e o visitante-participante.

“The difference between marketing and education is the rationale purpose of the activities each undertakes. Education is on the whole focused on the needs of the individual; how that individual will best engage with the collections/exhibitions; and what transferable skills and knowledge can be developed to be used in other situations and environments.” (Reeve e Woollard, 2006, p. 9)

O objetivo de uma ação de propaganda, em contrapartida, “is focused on the needs of the organization by increasing promotion which will in turn increase audience numbers” (id., ibid.).

Parte da audiência da exposição de Miró não parece estar empenhada no conteúdo artístico das obras, mas a aspetos políticos que lhe são marginais. A politização de todo o processo, que envolve a coleção desde a nacionalização do BPN, persiste também na mobilização do público.

Além de repor o debate, a exposição disponibiliza a coleção ao escrutínio público, permitindo-nos a oportunidade de conhecer as obras e avaliar os contornos desta interminável história.

Referências bibliográficas:
Cavaleiro, D. (2016, 28 set.). Governo quer Miró em museus portugueses mas não diz como. Jornal de Negócios. Acedido em http://www.jornaldenegocios.pt/economia/cultura/detalhe/governo_quer_miro_em_museus_portugueses_mas_nao_diz_como.html
Fernandes, Sofia (texto), Rocha, R. (imagem) & Moura, P. (ed.). (2016, 2 out.). Exposição de Miró em Serralves já teve mais de 2.000 visitas. Tvi24. Acedido em http://www.tvi24.iol.pt/videos/sociedade/exposicao-de-miro-em-serralves-ja-teve-mais-de-2-000-visitas/57f163380cf25d916ffd0c95
LUSA, & Silva, R. D. (2016, 30 set.). Marcelo: Serralves é o melhor espaço para acolher Mirós. Expresso. Acedido em http://expresso.sapo.pt/politica/2016-09-30-Marcelo-Serralves-e-o-melhor-espaco-para-acolher-Miros
Museu de Arte Contemporânea de Serralves. (2016). Serralves (sítio institucional): Exposições: Joan Miró: Materialidade e Metamorfose. Acedido em http://www.serralves.pt/pt/actividades/joan-miro-materialidade-e-metamorfose/?menu=249
Queirós, L. M. (2016, 2 out.). Enchente em Serralves para ver Mirós. Público. Acedido em https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/esta-e-uma-coleccao-unica-que-muitos-museus-do-mundo-invejariam-diz-o-neto-de-miro-1745941
Reeve, J., & Woollard, V. (2006). Influences and museum practice. In C. Lang, J. Reeve, & V. Woollard, The responsive museum: Working with audiences in the twenty-first century (pp. 5-17). Aldershot, England: Ashgate.

Fontes das imagens:
Exposição: https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/mas-porque-por-que-e-que-portugal-quereria-deixar-escapar-esta-coleccao-1745728
Afluência de público: https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/esta-e-uma-coleccao-unica-que-muitos-museus-do-mundo-invejariam-diz-o-neto-de-miro-1745941

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Coleção Miró, uma história interminável," in a.muse.arte , 2016/10/05, http://amusearte.hypotheses.org/1502.
  1. Segundo a Lei de Bases do Património Cultural , art. 68.º,  “salvo acordo do proprietário, é vedada a classificação como de interesse nacional ou de interesse público do bem nos dez anos seguintes à importação ou admissão”. []

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *