Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Por conseguinte, o impacto do turismo nos sítios patrimoniais e museológicos tem vindo a aumentar de forma consistente, correspondendo aos objetivos das respetivas tutelas na mira de dividendos que contribuíssem para o financiamento da gestão, preservação e divulgação dos bens e lugares. As políticas culturais e, em particular, a ação museológica, têm assumido como objetivo, quase sempre dominante, a fidelização dos públicos existentes e a progressiva conquista de novas audiências.

Neste âmbito, tem vindo a referir-se como um dos casos de maior sucesso, a política cultural de Amsterdão que nos últimos anos investiu cerca de 12.000 milhões de euros na cultura. Uma parte considerável deste investimento (375 milhões) foi aplicada na renovação do Rijksmuseum, reaberto ao público em abril de 2013. Porém, a cidade investiu igualmente em ações de marketing que provocaram um aumento de mais de 20% visitantes estrangeiros em apenas cinco anos. Amsterdão, com 17 milhões de turistas em 2015, é uma das cidades europeias mais visitadas. Porém, este crescimento, benéfico para a economia local, traduz-se igualmente na saturação do centro histórico e na impraticabilidade da missão cultural nos espaços museológicos cada vez mais submersos pela multidão de turistas. Por isso, Eberhard van der Laan, burgomestre da cidade desde 2010, numa entrevista ao jornal Het Parool (Couzy, 2016, 10 fev.) aconselhava os turistas a visitar a cidade, mas a permanecer fora dela, noutras cidades holandesas, como Roterdão, Utreque ou Haia, e a descobrir outras áreas menos conhecidas da região, numa tentativa de aliviar a pressão turística no centro urbano, e alertava para a necessidade de rever as políticas culturais que visem o incremento do turismo.

Van-Gogh-Museum-queues

Fila de entrada no Museu Van Gogh, em Amsterdão.
Foto: Ashley, 2013

Nas últimas décadas, museus como o Louvre, o British ou o Prado expandiram as zonas de acolhimento para fazer face ao crescimento do público, sobretudo na sequência do crescimento do sector do turismo (referido como o boom turístico) desde a 2.ª Grande Guerra. Os projetos de renovação, entregues a grandes nomes da arquitetura como Ieoh Ming Pei, Norman Foster (Foster and Partners) e Rafael Moneo, suscitaram controvérsia quanto à articulação entre o edificado existente e a intervenção contemporânea, mas não abriu o debate acerca da gestão do público no espaço museológico. A ampliação e reorganização dessas zonas, em certa medida, apenas transferiu o problema causado pelo excesso de visitantes na entrada para o interior da exposição, em circuitos definidos pelo acesso às obras de maior referência.

Entrada principal no museu do Louvre, sob a pirâmide de Ieoh Ming Pei Foto: MIR, 2013

Entrada principal no museu do Louvre, sob a pirâmide de Ieoh Ming Pei
Foto: MIR, 2013

É o caso da Grande Galerie1 onde, quotidianamente, passa uma multidão, sem reparar na coleção de pintura italiana que aí se encontra, para ir em direção à sala onde se encontra a Gioconda.

Público junto à Gioconda
Foto: MIR, 2013

A ida ao museu pode ser apenas isso: registar a presença junto de determinadas obras e cumprir um comportamento convencionado no seio do grupo. Mas, haverá certamente visitantes que se sentirão defraudados pela inviabilidade da observação nesses percursos: o ritmo do afluxo que impede as pausas; a falta de assentos que, nalgumas salas, pretende (precisamente!) evitar as paragens e fomentar uma circulação sem entropia. O ruído e a confusão são fatores de desordem que impedem a relação mais intensa com as obras e são, também, fatores de desconforto que inibem o prazer da visita.

Há algo de contraditório na atual conjuntura museológica, no sentido em que o aumento do número de visitantes pode constituir uma ameaça para o museu e para os seus tradicionais modelos de atuação. A visita ao museu, embora permita a satisfação pelo cumprimento de um formalismo prestigiado, pode tornar-se um processo entediante e cansativo, incapaz de competir com a concorrência de propostas culturais mais performativas e estimulantes.

Os museus precisam de públicos – do público constante e fidelizado; do público potencial ou virtual. Mas precisa, também, de se reinventar em função das circunstâncias da contemporaneidade. Este é um fenómeno de paradoxos, no sentido em que, por motivos diferentes, tanto os espaços museológicos excessivamente povoados provocam fadiga e desconforto, como aqueles que permanecem inertes se tornam enfadonhos e, por isso, são igualmente cansativos. Se, nos primeiros, os grupos minoritários associados a uma intelectualidade académica perdem o interesse pela observação e pelo estudo das obras, nos segundos, o visitante individual tende a sentir-se deslocado, quando não excluído, enquanto o público integrado no turismo de massa  depende da orientação de um guia. Em ambos os casos, perde-se a personalização da experiência, cada vez mais exigida pela cultura de massas.

Gemäldegalerie de Berlim Foto: MIR, 2012

Gemäldegalerie, Berlim
Foto: MIR, 2012

Por tudo isso, a incessante procura de estratégias para aumentar o número de visitantes deve ser acompanhada por uma renovação da atividade museológica e por uma reflexão mais acurada acerca do fenómeno das novas audiências. Terá de passar pela reorganização dos percursos, pela reformulação dos discursos, pela criação de propostas diversificadas e de trajetórias alternativas, pela modulação da linguagem, encontrando novos códigos e canais. Terá de assumir uma decisiva utilização das novas tecnologias de informação e das novas formas de mediação cultural, baseadas na interatividade, na modularidade e na multimodalidade.

Em 2000, Hooper-Greenhill acusava já a transição para modelos museológicos mais informais:

“In some museums displays have changed radically in style; the formal, authoritative appearance of museum galleries has been replaced as the methods used to communicate with visitors have become more informal, more lively, and offer more possibility for mental and physical interaction.” (Hooper-Greenhill, 2000, p. 6)

Desde então, tem vindo a tornar-se mais premente o papel do público no centro da ação museológica. Patrizia Asproni, presidente da Fondazione Torino Musei, no discurso de abertura do colóquio internacional “Museum: Vision 2026” que ocorreu na passada semana (16-17 jun.) em Turim atualizou este paradigma da mudança, ao defender a necessidade de alterar a ação museológica centrada na preservação da memória, para integrar o novo conceito da experiência gerada pelo visitante e promover a participação ativa e dinâmica do público.

Nei musei e attraverso le opere che essi custodiscono passa di fatto l’intera storia dell’umanità e del pensiero: big data a portata di mano, strumenti di lettura degli scenari contemporanei e di pre-visione di quelli futuri, ai quali va garantito il massimo accesso. La conseguenza diretta è, evidentemente, la riorganizzazione dell’offerta. (Asproni, 2016, 15 jun.)

Jogo interativo no Museo Nacional de Ciencias Naturales, Madrid Foto: MIR, 2012

Jogo interativo no Museo Nacional de Ciencias Naturales, Madrid
Foto: MIR, 2012

A autenticidade que o visitante agora procura, já não se encontra tanto na materialidade do objeto, mas na experiência que ele proporciona, onde a componente intelectual da aquisição do conhecimento, se complementa através da componente emotiva do divertimento.

Referências bibliográficas:
Asproni, P. (2016, 15 jun.). Il museo sarà user-generated. Nova: Il Sole 24 Ore. Acedido em http://nova.ilsole24ore.com/progetti/il-museo-sara-user-generated/?refresh_ce=1
Hooper-Greenhill, E. (2000). Museums and the interpretation of visual culture. London; New York: Routledge.
UNWTO. (2016). Tourism Highlights 2015. doi: 10.18111/9789284416899

Fonte das imagens:
UNWTO: http://media.unwto.org/content/infographics
Museu van Gogh: http://www.amsterdamblog.co.uk/things-to-do/sightseeing/museums/how-to-avoid-the-queues-at-the-van-gogh-museum/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Públicos para o património: uma questão de mais ou menos," in a.muse.arte , 2016/06/25, http://amusearte.hypotheses.org/1387.
  1. A Grande Galerie foi construída entre 1595 e 1610, para ligar os palácios do Louvre e das Tuileries. Foi encurtada cerca de um terço durante o Segundo Império. []

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *