Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso.

Núcleo Museológico Rota da Escravatura Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Foto: MIR, 2016

O navegador lagoense Gil Eanes, ao trazer as primeiras levas de escravos depois de dobrar o Cabo Bojador, deu início ao tráfico guerreiro da Guiné. Em 1444, ocorreu o primeiro carregamento privado de mais de duas centenas de escravos, trazidos do Golfo de Arguim por Lançarote de Freitas, almoxarife de Lagos, realizando-se, no Rossio da Trindade, à porta da vila, um leilão ao qual terá comparecido o Infante D. Henrique, a quem cabia a quantia de um quinto. Gomes Eanes de Zurara, na Crónica da Guiné (1841), faz um comovido relato do episódio:

No outro dya, que eram viij dyas do mes dagosto, muito cedo pella manhaã por rezom da calma, começaram os mareantes de correger seus bateis e tirar aquelles cativos, para os levarem segundo lhes fora mandado […]. (pp. 132-133)

Mas pera seu doo seer mais acrecentado, sobreveherom aquelles que tiinham carrego da partilha, e começarom de os apartarem huu[n]s dos outros; a fim de poerem seus quinhooe[n]s em igualleza; onde conviinha de necessydade de se apartarem os filhos dos padres, e as molheres dos maridos, e os huu[n]s irmãos dos outros. A amigos nem a parentes não se guardava nhu[m]a lei, somente cada huu[m] caya onde o a sorte levava! (pp. 132-133)

 No ano seguinte, foi criada em Lagos a Casa para o Trato de Arguim e que, posteriormente, serviu também para o Trato da Guiné. Em meados do século, ainda segundo a Crónica da Guiné, de Zurara, já teriam sido trazidos quase um milhar de escravos – “as almas dos infiees que daquellas terras vierom a esta […] asquaes por conto achey que forom novecentas e viinte e sete” (p. 454) , fazendo com que a Feira de Lagos e a Casa dos Escravos se afirmassem como uma importante plataforma para a exportação de mão-de-obra escrava para a agricultura e serviços domésticos, sobretudo para as zonas meridionais da Península Ibérica, nomeadamente, Sevilha, Cádis e Valência. Em 2008, foi descoberto, no Vale da Gafaria, uma antiga lixeira com 158 esqueletos de escravos africanos, considerando-se o mais antigo o mais antigo local de enterramento de escravos africanos na Europa encontrado até à atualidade.

Em 1691, a mando de D. Francisco Luís da Gama, 2º Marquês de Niza, foi construído um novo piso sobre a Casa de Escravos, para albergar o Corpo da Guarda. A arquitetura do edifício reflete a cronologia da construção que, ao longo do tempo, teve várias utilizações, salientando-se a Vedoria e a Alfândega de Lagos. A fachada principal apresenta dois registos: o primeiro, com nártex maneirista de dupla arcaria, pelo qual se acede ao espaço interno da antiga Casa dos Escravos; o segundo, com acesso pela fachada lateral norte, com dois janelões retangulares e moldurados, de finais do século XVII.

No edifício, em 2010, foi inaugurada uma exposição sobre a Rota do Escravo, no âmbito do VI Festival dos Descobrimentos e da Celebração dos 550 anos sobre a Morte do Infante D. Henrique, dando impulso à decisão de instalar no edifício um centro de interpretação da Rota dos Escravos. Em 2012, foi assinado um protocolo com o Centro de Estudos sobre África (CEsA) do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), da Universidade de Lisboa, para um projeto de investigação científica que fundamentasse um museu ou centro interpretativo do tráfico dos escravos, bem como a articulação com o projeto «Rota do Escravo» da UNESCO.

O Núcleo Museológico Rota da Escravatura inaugurou no passado dia 6 de junho e pretende expor a realidade do comércio dos escravos e da sua presença e intervenção na sociedade de Lagos entre a primeira metade do século XV e meados do século XIX. O projeto representou um investimento global de 426 mil e 287,93 euros, dos quais 237 mil e 148,92 euros foram financiados pelo PO Algarve 21 a 65 por cento e o resto com fundos próprios do Município.

No discurso que proferiu na cerimónia inaugural, a Presidente da Câmara Municipal de Lagos, Maria Joaquina Matos, referiu que:

“Este foi o primeiro passo de uma longa caminhada de responsabilidade histórica que não termina aqui. […] Pretendemos dar continuidade ao aprofundamento desta temática, dinamizando a mesma e estabelecendo pontes de diálogo com outras comunidades unidas por este legado histórico. Cabe-nos, a todos, a responsabilidade de promover a reflexão sobre a evolução da escravatura, designadamente, nos tempos atuais, fenómeno que, embora com diferente roupagem, continua a existir, pondo em causa os mais fundamentais direitos humanos” (cit. in Pina, 2016, p. 67)

Na mesma cerimónia, o Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, referiu-se-lhe como “o monumento da civilização […], ao mesmo tempo, um monumento de barbárie” (cit. in Rodrigues, 2016, 9 jun., s.p.) que constitui o tráfico de seres humanos.

O edifício foi adaptado à nova função museológica através do projeto de reabilitação de autoria do arquiteto António Marques e do projeto museográfico do P-06 Atelier, com coordenação científica de Elena Morán, arqueóloga da Câmara de Lagos e a colaboração do arqueólogo Rui Parreira e do investigador e professor universitário Rui Loureiro, segundo o guião de Isabel Castro Henriques, investigadora em história de África no CEsA.

A museografia assenta em torres negras, blocos paralelepipédicos verticalizados e dispostos em grelha, onde se abrem vitrinas para a exposição de objetos, documentos ou réplicas e como suporte aos conteúdos digitais e projeções multimédia.

Núcleo Museológico Rota da Escravatura Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Foto: MIR, 2016

Sem definir um percurso fixo, o discurso aborda o tema integrado na história local: a realidade africana entre os séculos XV e XVI; os intercâmbios comerciais no decurso da expansão marítima e o comércio negreiro a partir de meados do século XV; a evolução urbanística de Lagos nos séculos XV e XVI e a escravização dos negros africanos até ao século XIX, com referência aos lugares da cidade integrados na Rota da Escravatura.

Rei Amador Eduardo Malé Fernandes Núcleo Museológico Rota da Escravatura Foto: MIR, 2016

Rei Amador
Eduardo Malé Fernandes
Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Foto: MIR, 2016

É, sim, um museu pequeno e com poucos objetos: no primeiro piso, destaca-se, ao centro, a escultura em casca de bananeira “Rei Amador”1 , do artista plástico são-tomense Eduardo Malé Fernandes, mas também um par de algemas, provenientes do Museu Nacional de Arqueologia; no superior, um dente de elefante e a pintura com a Nossa Senhora do Carmo, abrigando sob o manto, sob o esquema habitual das Virgens de Misericórdia, alguns santos, entre os quais os chamados Santos Negros Santo Elesbão e Santa Ifigénia, cuja devoção foi naturalmente divulgada através das confrarias de “homens negros”2

Utilização da app Núcleo Museológico Rota da Escravatura Foto: MIR, 2016

Utilização da app
Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Foto: MIR, 2016

No remanescente, a informação processa-se sobretudo em suporte digital, através de um tablet ou smartphone, disponibilizados pelo museu: apontando o dispositivo aos elementos gráficos assinalados, é possível aceder a conteúdos textuais mais alargados, realidade aumentada, simulações 3D. O acesso aos dados é intuitivo, favorecendo ligações sucessivas e estimulando novas pesquisas, contribui decisivamente para a compreensão do exposto e, por conseguinte, para a interpretação da escravatura e do mercado de escravos. A app pode ser descarregada na Playstore (para Android) e prevê-se que, em breve, esteja disponível na loja virtual da Apple. Assim, qualquer utilizador pode aceder à distância a alguns dos conteúdos, embora a maioria dependa do identificador inserido no equipamento museográfico.

Núcleo Museológico Rota da Escravatura Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Foto: MIR, 2016

A utilização e a interatividade permitem a personalização da visita nos espaços físico e virtual, a exploração de conteúdos informativos e a aprendizagem de forma dinâmica e lúdica, que asseguram a experiência imersiva no museu.

É, sim, um museu pequeno e com poucos objetos, mas que aborda a memória de um passado negro. O recurso à tecnologia digital poderia incorrer no risco de banalizar e reduzir a apresentação desta realidade histórica a um jogo de diversão. Não o faz, porém, porque a utilização dos dispositivos tecnológicos não ilude, nem contraria, o rigor do discurso; antes, estimula a leitura e a compreensão do passado, sem demagogia, sem exageros e, sobretudo, sem artificializar o tema da escravatura.

Núcleo Museológico Rota da Escravatura Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Foto: MIR, 2016

Referências bibliográficas:
Pina, D. (2016, jun.). Núcleo Museológico Rota da Escravatura abriu ao público em Lagos. Algarve Informativo, 61, pp. 66-67.
Rodrigues, E. (2016, 9 jun.). Lagos abre museu para que não se apague memória do «legado terrível» da escravatura. Sulinformação. Acedido em http://www.sulinformacao.pt/2016/06/lagos-abre-nucleo-museologico-para-que-nao-se-apague-memoria-do-legado-terrivel-da-escravatura/
Zurara, G. E. (1841). Chronica do descobrimento e conquista de Guiné, escrita por mandado de el Rei D. Affonso V, sob a direcção scientifica, e segundo as instrucções do illustre Infante D. Henrique … fielmente trasladada do manuscrito original contemporâneo … Pariz [sic]: publicada por J. P. Aillaud : na Officina Typographica de Fain e Thunot.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura," in a.muse.arte , 2016/06/16, http://amusearte.hypotheses.org/1369.
  1. Rei Amador é o nome pelo qual ficou conhecido Amador Vieira que, em 1595, encabeçou a revolta dos escravos em São Tomé, tornando-se um símbolo proclamado da luta contra a escravatura. []
  2. O culto destes santos foi analisado por Inês Afonso Lopes, que refere várias ocorrências e representações iconográficas, embora sem aludir a esta, proveniente da Igreja de Santa Maria, de Lagos. Lopes, I. A. A (2010-2012). Memória das Imagens: Os Santos Negros da Igreja de Santa Clara do Porto. Revista do Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, (9-11), 206-222. []

1 comentário a “Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

  1. Pingback: Museus: Dizer o Indizível para quê? | No Mundo dos Museus

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *