Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

Questões relacionadas com a gestão e o financiamento dos museus raramente geram consensos. Antes, suscitam discussões marginais em torno do acesso à cultura e ao património, das políticas de mercantilização, da submissão à pressão do mercado turístico e aos padrões da cultura de massa.

Nourishing the soul The Art Museum of WVU Foto: Raymond Thompson Jr.

Nourishing the soul
The Art Museum of WVU
Foto: Raymond Thompson Jr.

O debate, entre nós, tem sido fragmentado em torno de situações específicas. A propósito do plano estratégico cultural para a zona de Belém, houve uma discussão acesa nas redes sociais em torno do modelo de gestão da Monte da Lua, em Sintra (Vd. A quem pertence o nosso património?). Também a ampliação do Museu do Chiado e a abertura do novo Museu dos Coches suscitaram uma ampla discussão que se estendeu à praça pública. Da mesma forma, se hoje parece não haver dúvidas em relação à eficácia do crowdfunding lançado pelo Museu Nacional de Arte Antiga para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, mas as dúvidas acerca do procedimento foram uma constante ao longo de todo o processo.

Luís Raposo – representante da Rede Portuguesa de Museus, no Conselho Nacional de Cultura, Presidente da comissão nacional portuguesa do ICOM e atual candidato à presidência do ICOM Europa, de cuja direção faz parte, desde 2010 – assinou há pouco mais de um mês, no Público, um extenso artigo de opinião sobre o assunto, sob o título “Sucesso e insucesso na gestão de monumentos e museus nacionais” (2016, 23 mar.). Na passada semana, também num artigo de opinião no Público, Nuno Vassallo e Silva – antigo Diretor Geral do Património Cultural, Secretário de Estado da Cultura no XX Governo constitucional e atual Diretor Adjunto do Museu Calouste Gulbenkian – escrevia sobre os “Desafios para o património cultural português”. Ambos enunciam, de forma clara e assertiva, ainda que aberta a uma desejável reflexão e discussão, os desafios que hoje se colocam à gestão patrimonial e, por conseguinte, às estratégias de financiamento dos museus.

O aumento do preço dos bilhetes é uma solução limitada. Não é possível conciliar a missão seminal do museu público para disponibilizar o património a todos os cidadãos com preços desajustados, senão proibitivos para a maioria dos eventuais utentes. Em contrapartida, também não é viável uma programação dinâmica e apelativa, geradora de novos visitantes e, por conseguinte, promotora dessa pretendida disponibilização do património a toda a sociedade, sem o acesso a verbas mais substanciais do que aquelas que permitem os apertados orçamentos de Estado.

Não é, de resto, um problema exclusivamente português. De alguma forma, todos os museus, mesmo aqueles que conseguem verbas muito substantivas, lutam com dificuldades similares, ainda que mais ou menos prementes. E, também, todos eles procuram formas inéditas e criativas de angariar fundos para os museus, sem recorrer a expedientes de bilheteira.

A troca comercial, porém, é interdita, ou quase.

Nesse sentido, o Museu Van Gogh, em Amsterdão, cujo marketing é geralmente muito aguerrido, com uma imagem de marca bem definida e campanhas publicitárias de grande impacto, acaba de anunciar um programa de financiamento que envolve a oferta de serviços profissionais a colecionadores privados, corporações e outras instituições, para compensar as perdas decorrentes da diminuição do financiamento público e da quebra de turistas motivada pelo receio do terrorismo na Europa.

A obra “Sunset at Montmajour”, autenticada pelo museu van Gogh e apresentada por Axel Ruger e Louis van Tilborgh, respetivamente, diretor e investigador sénior do museu Foto: AP Photo, 2013

A obra “Sunset at Montmajour”, autenticada pelo museu van Gogh e apresentada por Axel Ruger e Louis van Tilborgh, respetivamente, diretor e investigador sénior do museu
Foto: AP Photo, 2013

As funções patrimoniais adstritas à curadoria, como a gestão, conservação e preservação das coleções, a instalação de sistemas de controlo ambiental e de segurança das instalações, ou o desenvolvimento de programas educativos e culturais, ultrapassam o espaço físico e institucional do museu. Para testar a viabilidade do programa, o museu iniciou um projeto piloto com um conjunto de clientes recrutados através de uma parceria com a Deloitte Luxembourg, empresa que se define, no respetivo sítio eletrónico, por providenciar “audit, consulting,financial advisory, risk management, tax, and related services to select clientes”. No âmbito desta experiência piloto, o museu prestou aconselhamento profissional no âmbito da segurança, controlo climático e sistemas operacionais à Arcis, uma empresa de armazenamento e proteção de obras de arte, cuja abertura em Nova Iorque está prevista em 2017. Caso o programa venha a ter sucesso, o museu admite contratar especialistas para prestar estes serviços com a sua credenciação.

Em rigor, esta estratégia não é original. O que é inédito é o facto de o museu comercializar os serviços especializados dos seus curadores com o objetivo de incrementar o fundo de financiamento. E isso gera questões de ética que, aliás, se fundamentam no Código Deontológico do ICOM e, nomeadamente no que se refere à independência pessoal dos profissionais de museus (ponto 8.9) e aos conflitos de interesses que daí possam decorrer (pontos 8.13 a 8.15).

France Desmarais, Diretora de Programas e Parcerias do ICOM, citada pelo The New York Times, embora admita que “museums have been doing revenue-generating activities for a long time” (cir. in Siegal, 2016, 4 May), adverte que “museums are used to a different type of outreach that is more about sharing their knowledge and collection, but not in the commercial, contractual manner” (id., ibid.), exprimindo as reservas dos pares em relação ao uso commercial do conhecimento especializado dos curadores.

Não obstante, a iniciativa do museu Van Gogh é também celebrada como um ponto de viragem na gestão museológica, em consonância com o tempo presente, as circunstâncias do financiamento à cultura e uma mudança da mentalidade em relação à função empresarial do curador, apontando para uma nova tendência dos museus europeus para encontrar novas fontes de receitas. Dos Elshout, investigador em estudos culturais, com uma tese sobre o espírito empresarial dos museus holandeses, também citado no referido artigo do The New York Times, afirma que “Museums exchange services, knowledge, tips and so on all the time, and of course it was always in a collegial way […]. Now, because of the financial cuts of a few years ago, they have to ask money for services” (id., ibid.).

Enquanto resguardados pela inibição, os museus e os seus profissionais tinham alguma facilidade em definir as fronteiras da sua atuação. E, no entanto, todos conhecemos consultadorias e peritagens particulares, feitas por conservadores e com fins comerciais. O que o museu Van Gogh propõe é a institucionalização de um hábito, mais ou menos corrente e camuflado. Sobretudo, abre a discussão sobre o assunto. Espera-se, assim, que permita uma postura mais objetiva e rigorosa, definindo as regras do processo, clarificando algumas práticas mais obscuras enquanto não licenciadas. Se a comercialização dos serviços curatoriais vier a constituir-se como uma estratégia de gestão patrimonial e de financiamento dos museus, então que seja abertamente discutida e eticamente definida.

Referências bibliográficas:
ICOM. (2009). Código deontológico do ICOM para museus. Acedido em http://icom-portugal.org/multimedia/CodigoICOM_PT%202009.pdf
Siegal, N. (2016, 4 May). Van Gogh Museum wants to share its expertise, for a price. The New York Times. Acedido em http://www.nytimes.com/2016/05/04/arts/design/van-gogh-museum-wants-to-share-its-expertise-for-a-price.html?_r=1
Raposo, L. (2016, 23 mar.) Sucesso e insucesso na gestão de monumentos e museus nacionais. Público. Acedido em https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/sucesso-e-insucesso-na-gestao-de-monumentos-e-museus-nacionais-1726900
Silva, N. V. e (2016, 5 maio). Desafios para o património cultural português. Público. Acedido em https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/desafios-para-o-patrimonio-cultural-portugues-1730965

Fontes das imagens
Nourishing the soul: http://wvumag.wvu.edu/features/nourishing-the-soul
Museu Van Gogh: https://nationalpostcom.files.wordpress.com/2013/09/vangogh.jpg?quality=65&strip=all&w=620

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial," in a.muse.arte , 2016/05/14, http://amusearte.hypotheses.org/1314.

4 comentários a “Curadoria à venda: uma polémica na gestão patrimonial

  1. Na minha perspectiva em Portugal está questão está longe de se colocar, pois o que se passa é justamente a escassez de recursos humanos, qual é o museu que dispõe de efectivos para ceder ao exterior? Tomara a maior parte destas instituições ter pessoas para assegurar os seus servicos:( .

  2. Se a prática da prestação de serviços curatoriais pagos for institucionalizada e desde que se destine a receitas para a gestão patrimonial, é de concordar plenamente e louvar. Tudo o resto, a título particular e para benefício próprio, é e continuará a ser conflito de interesses e incompatibilidade com as funções públicas, no caso dos funcionários públicos, bem entendido. Eu sou funcionária pública, trabalho num museu público e é assim que vejo as coisas. Há que legislar e regulamentar em tempo útil.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *