O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

O episódio foi rápido e conta-se de forma igualmente breve: um indivíduo de 24 anos tentou subir à peanha de suporte à escultura do rei D. Sebastião, na entrada da estação do Rossio, a pedra não aguentou o peso e a estátua caiu desfeita no chão. O indivíduo não sofreu quaisquer lesões, mas quis o acaso que estivessem no local dois agentes da PSP que registaram o ato e identificaram o autor, que irá ser processado pela Infraestruturas de Portugal (IP), a empresa que gere o património da estação e pretende ser ressarcida das despesas relacionadas com o restauro, e provavelmente, pelo Ministério Público dado que o edifício está classificado como património nacional.

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião Foto: Rádio Renascença

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião
Foto: Rádio Renascença

A notícia tornou-se viral, entre a imprensa e as redes sociais, gerando a condenação assertiva e individual do indivíduo, mas também da sociedade que perde o respeito pela história, pelo passado, pelo património.

No entanto, a notícia, em várias e sucessivas releituras, não aponta para um ato voluntário de vandalismo – mesmo que as consequências o tenham sido enquanto destruição de uma obra de valor patrimonial. O homem queria tirar uma fotografia, supostamente, uma selfie com a figura da estátua – o que não é exatamente o mesmo que fazer um gesto deliberadamente provocatório.

O fulcro da questão tem a ver como, hoje, nos relacionamos com o património. Ou com a forma como nos apropriamos dele.

D. Sebastião José Simões de Almeida (Tio) 1890 Lisboa, Estação do Rossio

D. Sebastião
José Simões de Almeida (Tio)
1890
Lisboa, Estação do Rossio
Foto: Lusa / Diário Digital

O homem subiu à peanha da estátua de D. Sebastião porque é dessa forma imediata e literal que, hoje, tendemos a apropriar-nos das coisas, sobretudo, do que é extraordinário, ou está para lá do ordinário. A fotografia regista o ato pelo qual o individuo se aproxima do que o transcende ou daquilo que é valorizado na sociedade, criando uma relação paritária na partilha do mesmo cenário; o documento é, simultaneamente, partilhado e disseminado em audiências alargadas, num fenómeno crescente de busca de notoriedade. Fotografam-se junto aos jogadores de futebol, aos atores de telenovelas, aos “famosos”, como se fotografam, no Chiado, sentados à mesa com a estátua de Fernando Pessoa, ou como, há cerca de dois anos, um estudante se quis autofotografar com o Fauno Barberini, na Academia de Brera (com resultados muito idênticos aos da escultura da estação do Rossio)…

A apropriação é, cada vez menos, um processo de maturação intelectual na aquisição do conhecimento (possuímos o que sabemos) para se tornar um registo de encontros furtuitos (possuímos aquilo onde nos vemos). O conhecimento do património implica tempo: quantos dos que passam pela Estação do Rossio, já a olharam e a “viram”? Quantos identificaram a estátua de D. Sebastião? Ou repararam nas figuras de Stephenson e de Fontes Pereira de Melo nos medalhões das janelas centrais, sabem quem são e percebem a lógica da sua representação à entrada de uma estação de caminho-de-ferro? Ou na figura de D. Luís, no medalhão sobre a janela central do piso superior? Tornam-se, todas, personagens sem consistência, nomes decorados em histórias de ficção, ilustrações esquecidas nos livros.

Os espaços públicos são, cada vez mais e como condição da super-modernidade, os “non-places” de Marc Augé, do que “lieux de memoire” de Pierre Nora. O passado e o presente coexistem, tal como se confundem eterno e efémero, face aos excessos emergentes: de tempo, pela superabundância de eventos; de espaços, pela superabundância de locais de atuação; e do indivíduo pela individualização de referências. O excesso de individualização, de resto, articula-se com o fenómeno simultâneo de excesso e compressão espaço temporal. “Frequentation of non-places today provides an experience […] of solitary individuality combined with non-human mediation […] between the individual and the public authority.” (Augé, 1997, pp. 117-118)

Para lá das atualizações, ou das correções, que têm vindo a ser feitas ao pensamento de Augé, esta necessidade de autografia em cenários icónicos revela a experiência de solitária individualização em espaços esvaziados para lá do imediatismo visual: a estátua de D. Sebastião na entrada da estação do Rossio é apenas um cenário particular, específico, de forma a garantir a notoriedade do indivíduo, mas também abstrato, sem outras conotações para o viajante, aqui, em sentido lato.

Estação do Rossio Foto: Lusa

Estação do Rossio
Foto: Lusa

Este é um desafio que se coloca ao património e à sua conservação preventiva, que ultrapassa as condições físicas do ambiente e dos dispositivos materiais de segurança. A relação com o património é algo que se educa, que se desenvolve e promove. O desinvestimento em educação na área das Humanidades trunca o indivíduo e incapacita-o para uma relação ativa com o passado, com as suas referências culturais e patrimoniais. A relação que se estabelece com a materialidade do património cinge-se aos seus aspetos visíveis e sensoriais – a particularidade dos aspetos formais dos arcos em ferradura, em cuja interseção se insere a peanha com a estátua – e releva o seu sentido intangível.

Estátua de D. Sebastião destruída Foto: DR / Expresso

Estátua de D. Sebastião destruída
Foto: DR / Expresso

Choca-nos ver a estátua de D. Sebastião caída, aos pedaços, pelo chão. Porque é uma obra do escultor José Simões de Almeida (Tio), com o rigor academicista que lhe era peculiar, inserida num aparato neomanuelino, que a confirma como um registo caraterístico da arte portuguesa oitocentista. Porque é uma das raras representações escultóricas do rei D. Sebastião, o Desejado. Choca-nos por todas as razões.

Porém, tão inquietante quanto a visão da estátua caída, é aquilo que isto revela: a inconsistência do ato, a irrelevância do património, o desconhecimento das suas implicações e sentidos. O facto de se reduzir a fruição do património ao gesto de tirar uma fotografia.

Referência bibliográfica:
Augé, M. (1995). Non-places: Introduction to an anthropology of supermodernity. London: Verso.

Fontes das imagens:
http://mediaserver4.rr.pt/newrr/estacao_rossio3379cdec.jpg
http://diariodigital.sapo.pt/images_content/2016/djoao.jpg
https://static.noticiasaominuto.com/stockimages/1370×587/15601713.jpg
http://expresso.sapo.pt/sociedade/2016-05-04-Estatua-de-D.-Sebastiao-em-Lisboa-destruida-por-jovem

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O homem que queria autofotografar-se com uma estátua," in a.muse.arte , 2016/05/06, http://amusearte.hypotheses.org/1303.

3 comentários a “O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

  1. Vai ser mais muito mais fácil fazer uma estátua igual do que ensinar os valores da Cultura e do Património a gente que só valoriza a tecnologia, as modas e a exposição mediática….

  2. Este fato leva-nos a pensar:” Como vai e para onde vai a nossa cultura que tão desprezada tem sido”.

  3. Como pena de serviço cívico a cumprir era obrigar o mesmo individuo a fazer de estátua de D.Sebastião, dias úteis após as 17:00 até às 24:00, Sábados, Domingos e Feriados das 08:00 às 22:00, até estar reposta a referida estátua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *