A estratégia da sauna finlandesa

As fronteiras das Humanidades Digitais: Ensaio de geografia política de uma comunidade científica.

Versão portuguesa do texto La stratégie du Sauna finlandais
Por Marin Dacos, 1 jun. 2013
https://bn.hypotheses.org/11138

Tradução:
Dália Guerreiro
UÉ-CIDEHUS
https://bdh.hypotheses.org/
Maria Isabel Roque
Universidade Europeia / UÉ-CIDEHUS
http://amusearte.hypotheses.org/

Resumo

Fala-se de Humanidades Digitais! Mas será que as Humanidades Digitais existem como comunidade unida e coerente? O governo desta comunidade é equilibrado e democrático? Até agora, ainda não tinha havido um estudo acerca desta comunidade, sustentado por um inquérito que abrangesse todos os seus membros, numa perspetiva multilinguística e geográfica. O inquérito “Who are you, Digital Humanists?” – lançado no THATCamp Luxemburgo (2012), e divulgado durante o DH2012, Hambourg – permitiu juntar uma amostra incompleta, ainda que significativa, de 850 indivíduos que aceitaram responder ao nosso questionário. Constatou-se, por um lado, uma grande diversidade linguística e geográfica, tendo havido um grupo de não participantes, por não terem visto o inquérito ou por não lhe terem prestado atenção, e, por outro lado, a exceção do inglês como primeira língua, a par da sua predominância como segunda língua. Revelou-se que as Humanidades Digitais estavam muito marcadas pela História e pelos estudos clássicos, mas muito pouco, realmente muito pouco, ligadas às disciplinas que se interessam pelo mundo contemporâneo, sejam as ciências da Web, ou as relacionadas com a mineração de dados e de textos. Descobriu-se também um evento de grande importância, o encontro Digital Humanities 2012, cujo tema era a diversidade cultural e que foi presidido pela Europa, América do Norte ou, mais precisamente, pelo Reino Unido e as sua ex-colónias (Irlanda, Canadá, Estados Unidos de América, Austrália). Diríamos que a anglofonia voltou a marcar pontos. A fim de medir os progressos da diversidade no âmago do poder da nossa comunidade, este artigo propõe a criação de um indicador, o Digital Humanities Decision Power (DHDP), para calcular a distância entre os grupos de Humanidades Digitais e medir as suas faculdades na peritagem e nos procedimentos de seleção científica. Com base neste indicador, seria necessário um debate coletivo para tornar a nossa comunidade mais aberta à diversidade linguística e geográfica. A isso, nós chamamos a estratégia da Sauna finlandesa.

Dacos_2013_estrategia-da-sauna-finlandesa


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *